Mar­ke­ting de al­ma e co­ra­ção mas de “mãos es­ten­di­das”!

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - ZONGO FER­NAN­DO DOS SAN­TOS *

Es­te é o di­ag­nós­ti­co re­al e ac­tu­al, que me­lhor de­fi­ne o es­ta­do em que se en­con­tra o mar­ke­ting des­por­ti­vo em An­go­la. Uma cons­ta­ta­ção fei­ta no pre­té­ri­to dia 23 de Ja­nei­ro do ano em cur­so, quan­do na se­de do In­ter­clu­be de An­go­la, cu­ja mo­ra­da es­tá do­mi­ci­li­a­da no bair­ro Ro­cha Pin­to, de­cor­reu um sim­pó­sio, onde os te­mas em discussão gi­ra­ram a vol­ta da “Ren­ta­bi­li­za­ção do des­por­to em tem­po de cri­se” e a “Im­por­tân­cia do mar­ke­ting no des­por­to”, even­to no qual ti­ve a hon­ra de ser tan­to o mes­tre-de-ce­ri­mó­ni­as, bem co­mo o mo­de­ra­dor.

No fi­nal do tão de­ba­ti­do sim­pó­sio, vá­ri­os pen­sa­men­tos pas­sa­ram pe­la minha ca­be­ça, en­tre os quais um da­que­les de­sa­ba­fos gros­sei­ros, que se es­cre­ves­se de forma te­le­grá­fi­ca e com le­tras maiús­cu­las nes­te ins­tan­te, ar­ris­ca­ria, na pró­xi­ma se­gun­da-fei­ra, ter pro­va­vel­men­te es­te es­pa­ço sus­pen­so pe­la di­rec­ção des­te jor­nal, que tem pres­ta­do um gran­de ser­vi­ço pú­bli­co ao país e cor­re­ria o ris­co de ter so­bre os meus om­bros um da­que­les pro­ces­sos ci­vis ou cri­mi­nais, que cer­ta­men­te aca­ba­ri­am na Pro­cu­ra­do­ria Geral da Re­pú­bli­ca (PGR), a ins­ti­tui­ção que, nes­te mo­men­to em An­go­la, me faz lem­brar a me­lan­có­li­ca frase: “en­quan­to mui­tos vão cho­rar, ou­tros tem que es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra ven­der os len­ços”.

Mas fa­le­mos mes­mo dos re­sul­ta­dos e das con­clu­sões saí­das do re­fe­ri­do sim­pó­sio, que é o “me­nu” do ar­ti­go de hoje. A pri­mei­ra cons­ta­ta­ção fei­ta an­tes, du­ran­te e no fi­nal do even­to é que te­mos di­rec­ções de mar­ke­ting des­por­ti­vo em An­go­la en­fer­ma­das de mui­tas in­su­fi­ci­ên­ci­as e fra­gi­li­da­des or­ga­ni­za­ti­vas, es­tru­tu­rais e de pla­nos de ac­ção e de ac­tu­a­ção, de­vi­do ao fac­to de es­ta­rem umas ve­zes com as mãos ata­das, e outras ve­zes com as mãos bem en­fi­a­das nos bol­sos!

Vou ex­pli­car me­lhor. Se por um la­do, os di­rec­to­res de mar­ke­ting dos clu­bes pre­sen­tes no en­con­tro, afir­ma­ram que não con­se­guem de­sen­vol­ver em ple­no as su­as ac­ti­vi­da­des pro­fis­si­o­nais, por fal­ta de ca­bi­men­ta­ção or­ça­men­tal e uma mai­or sen­si­bi­li­da­de e so­li­da­ri­e­da­de por par­te dos pre­si­den­tes dos clu­bes e fe­de­ra­ções, so­bre a im­por­tân­cia e be­ne­fí­ci­os do mar­ke­ting pa­ra a ima­gem e co­mu­ni­ca­ção das agre­mi­a­ções des­por­ti­vas jun­to dos seus res­pec­ti­vos pú­bli­cos-al­vo e “sta­kehol­ders”, por ou­tro la­do fi­cou cla­ro que o mar­ke­ting des­por­ti­vo em An­go­la é su­ba­pro­vei­ta­do, por­que mui­tos di­rec­to­res de mar­ke­ting da mai­o­ria dos clu­bes no país pas­sam boa par­te do tem­po a ati­rar areia aos olhos dos seus di­ri­gen­tes, tei­man­do em er­rar ou pior ain­da, fin­gin­do que pas­sam boa par­te do tem­po fe­cha­dos nos seus ga­bi­ne­tes, pla­ni­fi­can­do de ma­nei­ra de­li­ne­a­da e de­fi­ni­da uma es­tra­té­gia de mar­ke­ting, quan­do nem se­quer tem uma sim­ples e bá­si­ca no­ção do que se tra­ta!

Por que ra­zão? Por­que olham pa­ra o mar­ke­ting co­mo uma fer­ra­men­ta pa­ra “en­cher o sa­co já mui­to cheio” de ne­ces­si­da­des que os clu­bes têm, ao in­vés de ser uma “ar­ma se­cre­ta”, pa­ra ob­ter opor­tu­ni­da­des van­ta­jo­sas em ter­mos de par­ce­ri­as e pa­tro­cí­ni­os, bem co­mo pa­ra an­ga­ri­ar mais só­ci­os pa­ra as agre­mi­a­ções des­por­ti­vas. Na ver­da­de, a dú­vi­da que se le­van­tou e se man­têm até es­te mo­men­to que es­cre­vo es­te ar­ti­go, é se te­mos mes­mo nos de­par­ta­men­tos de mar­ke­ting dos clu­bes na­ci­o­nais, pes­so­as cer­tas nos lu­ga­res er­ra­dos, ou pes­so­as er­ra­das nos lu­ga­res cer­tos!

Eu e boa par­te dos pre­sen­tes no even­to, fi­ca­mos bem es­cla­re­ci­dos, so­bre as re­ais ra­zões pou­co ou mui­to (des)co­nhe­ci­das do porquê que o mar­ke­ting des­por­ti­vo em An­go­la, ain­da não ter um mer­ca­do com ca­pa­ci­da­de de adop­tar, ge­rir e atrair a con­fi­an­ça dos pa­tro­ci­na­do­res. É pe­lo fac­to de ocor­re­rem sis­te­má­ti­ca e pro­po­si­ta­da­men­te es­tran­gu­la­men­tos, im­pre­ci­sões nos me­ca­nis­mos de con­tro­lo e nas con­di­ções de fun­ci­o­na­men­to dos clu­bes, por­que os re­fe­ri­dos de­par­ta­men­tos de mar­ke­ting nem se­quer fa­zem o mí­ni­mo esforço, pa­ra re­a­li­za­rem um es­tu­do de mer­ca­do ou son­da­gem de opi­nião, pa­ra te­rem uma no­ção do po­ten­ci­al de só­ci­os que po­de­ri­am con­quis­tar, bem co­mo pa­ra de­fi­nir li­nhas de ac­ção que os le­va­ri­am a ter só­ci­os que se sen­tis­sem es­ti­mu­la­dos e aca­ri­nha­dos pa­ra pa­gar as su­as quo­tas, in­de­pen­den­te­men­te das con­di­ci­o­nan­tes fi­nan­cei­ras, so­ci­ais, ge­o­grá­fi­cas e outras que pos­sam ocor­rer. Além dis­so, foi co­mun­ga­do en­tre to­dos os par­ti­ci­pan­tes, de que exis­te em mui­tos clu­bes do país a au­sên­cia e gri­tan­te fal­ta de res­pon­sa­bi­li­za­ção den­tro das es­tru­tu­ras ad­mi­nis­tra­ti­vas dos mes­mos.

Pois se o que me sus­sur­ram aos ou­vi­dos em jei­to de con­fi­dên­cia é ver­da­de, en­tão gos­ta­ria de ser eter­na­men­te sur­do pa­ra ja­mais ou­vir. Co­mo é pos­sí­vel um fun­ci­o­ná­rio de um clu­be usar a sua con­ta ban­cá­ria pes­so­al, pa­ra fa­zer as mo­vi­men­ta­ções e pa­ga­men­tos em no­me de um clu­be?

Po­rém, no fi­nal do con­cor­ri­do sim­pó­sio pa­ra o gáu­dio dos pre­sen­tes, che­gou-se a vá­ri­as con­clu­sões que ge­ra­ram um ele­va­do e acei­tá­vel grau de una­ni­mi­da­de, sen­do que en­tre elas des­ta­co a se­guin­te:

- Co­mo pau­la­ti­na­men­te o Es­ta­do an­go­la­no vai dei­xar de ser­vir o “ma­ta­bi­cho”, al­mo­ço, lan­che e o jan­tar de forma gra­tui­ta ao des­por­to na­ci­o­nal, ur­ge ago­ra os de­par­ta­men­tos de mar­ke­ting tra­çar as es­tra­té­gi­as ca­da vez mais ar­ro­ja­das, pa­ra me­lhor ex­plo­ra­ção e apro­vei­ta­men­to do mar­ke­ting pa­ra a ob­ten­ção de re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra as agre­mi­a­ções des­por­ti­vas. *Men­tor e Ges­tor Exe­cu­ti­vo do Fórum Mar­ke­ting Des­por­ti­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.