O pro­fé­ti­co hi­no dos Pa­lan­cas Ne­gras

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - EDVALDO LE­MOS

“Ro­la a bo­la, pas­sa a bo­la, nos­sa An­go­la a jogar, fica aten­to, cru­za a bo­la, os Pa­lan­cas vão ga­nhar”. Di­zia o eter­no Be­to de Al­mei­da des­fi­lan­do sua voz na com­pa­nhia de um ba­tu­que so­bre o rit­mo de um api­to me­ló­di­co, as­sim fi­cou o hi­no dos Pa­lan­cas Ne­gras, pro­fe­ti­zan­do a vitória e as con­quis­tas glo­ri­o­sas.

O fu­te­bol é uma ar­te co­mo a música. É co­mo se fos­sem as se­tes no­tas to­ca­das de ma­nei­ras di­fe­ren­tes em ca­da país. Co­mo di­zia João Sal­da­nha, a re­la­ção des­sas du­as ar­tes, aju­dam a le­van­tar os âni­mos da po­pu­la­ção a vol­ta do mun­do.

Foi em 1912 que sur­giu a pri­mei­ra can­ção so­bre o fu­te­bol, te­ve um au­tor des­co­nhe­ci­do e de fon­te de ins­pi­ra­ção des­co­nhe­ci­da, mais a can­ção fot-ball gi­rou a vol­ta do mun­do e ins­pi­rou po­vos em di­ver­sas lín­guas rit­mos e me­lo­di­as e em An­go­la não foi di­fe­ren­te du­ran­te os cam­pe­o­na­tos de fu­te­bol.

A cé­le­bre can­ção “An­go­la a Ven­cer”, mais co­nhe­ci­da co­mo “Ro­la a Bo­la” de Be­to de Al­mei­da, que foi fac­tor de mo­ti­va­ção de­ci­si­vo dos an­go­la­nos na ro­ta do fu­te­bol con­ti­nen­tal, sur­giu no ano de 1995 no au­ge da cam­pa­nha dos Pa­lan­cas Ne­gras pa­ra o CAN de 1996, e cul­mi­nou com pri­mei­ra apa­ri­ção de An­go­la, nes­ta gran­de mon­tra do des­por­to-rei na Áfri­ca do Sul. A le­tra de Be­to de Al­mei­da re­flec­tia os de­se­jos do po­vo an­go­la­no de has­te­ar a sua ban­dei­ra ao la­do dos gran­des no­mes do con­ti­nen­te. A música po­de nos au­xi­li­ar na com­pre­en­são his­tó­ri­ca do nosso país.

A aná­li­se da le­tra nos re­ve­la mo­men­tos di­fe­ren­tes, so­bre a si­tu­a­ção do país que atra­ves­sa­va um de­ter­mi­na­do pe­río­do histórico. Pois em uma es­ta­mos to­dos uni­dos e pa­ra fren­te é o ca­mi­nho e na ou­tra, a coi­sa aqui es­tá pre­to mais uni­dos ven­ce­re­mos. Era pre­ci­so acre­di­tar na mu­dan­ça, a guerra es­ta­va na sua fa­se mais der­ra­dei­ra e o fu­te­bol era a úni­ca es­pe­ran­ça dos an­go­la­nos em bus­ca da fe­li­ci­da­de e au­to estima.

A música de Be­to de Al­mei­da pas­sou a aná­li­se de um con­teú­do, a fim de con­tri­buir no pro­ces­so de re­sig­ni­fi­ca­ção pe­da­gó­gi­ca, trans­for­man­do em ins­tru­men­tos pe­da­gó­gi­cos, ca­paz de di­a­lo­gar com outras dis­ci­pli­nas.

Es­sa mes­ma can­ção, 22 anos de­pois ain­da acom­pa­nha a equi­pa de to­dos nós nos di­as de hoje, é uti­li­za­da co­mo o hi­no da nos­sa se­lec­ção nos di­fe­ren­tes spots pu­bli­ci­tá­ri­os nas vés­pe­ras dos jo­gos, é uma música que nos re­me­te lem­brar o Estádio da Ci­da­de­la a glo­ri­o­sa ca­te­dral do nosso fu­te­bol e a bri­lhan­te car­rei­ra de Akwá na Se­lec­ção Na­ci­o­nal, até co­mo di­zia Jú­lio Gon­ga, a música do Akwá. A morte do au­tor dei­xou o futebolista Akwá bas­tan­te cons­ter­na­do co­mo uma per­da ir­re­pa­rá­vel do pro­ces­so de trans­mis­são cul­tu­ral e mo­ti­va­ci­o­nal.

Di­ver­sos ar­tis­tas an­go­la­nos can­ta­ram vá­ri­as mú­si­cas bo­ni­tas, em ho­me­na­gem ao fu­te­bol do país e a Se­lec­ção Na­ci­o­nal, can­ção co­mo “Uma chu­li­pa e Pa­lan­ca Ne­gra” de Bon­ga, e ou­tros no­mes co­mo Dog Mur­ras, Fi­li­pe Mu­ken­ga, mais ne­nhu­ma mar­cou co­mo o Ro­la a Bo­la de Be­to de Al­mei­da, to­ca até nos co­ra­ções e ar­ras­ta mul­ti­dões pa­ra o estádio de fu­te­bol. Quan­do ela é ou­vi­da, faz­nos re­cor­dar o com­pro­mis­so que te­mos com a Se­lec­ção Na­ci­o­nal de fu­te­bol, por mais que nos te­nha de­sa­pon­ta­do, mais o po­vo hon­ra o com­pro­mis­so com a sua pre­sen­ça no estádio.

Ao der­ro­tar no estádio 11 de No­vem­bro o Bur­ki­na Fa­so, um dos gi­gan­tes do fu­te­bol afri­ca­no, An­go­la ca­rim­bou a con­ti­nui­da­de de so­nhar com mais uma pre­sen­ça no Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções, des­ta vez a re­a­li­zar-se nos Ca­ma­rões em 2019, mais a ce­le­bre can­ção de Be­to de Al­mei­da trás en­tre li­nhas, a men­sa­gem de que um anão po­de ma­tar um gigante dei­ta­do ou ador­me­ci­do. Mais qu­an­to mais gi­gan­tes ma­ta­res te tor­na­rás co­mo um de­les.

KINDALA MA­NU­EL | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Pa­lan­cas Ne­gras con­tam com mú­si­cas a si de­di­ca­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.