Jornal dos Desportos : 2018-11-26

MODALIDADES : 12 : 12

MODALIDADES

MODALIDADES Segunda-feira, 26 de Novembro de 2018 NACIONAL DE TAEKWONDÓ Benfica Petróleos do Lub com prestação positi Participação culminou com a conquista do troféu em masculino na província do Moxico GAUDÊNCIO HAMELAY, NO LUBANGO O técnico de taekwondó da academia do Benfica Petróleos do Lubango, Simão Sumbelelo, considerou positiva a participação da equipa na 18ª edição do campeonato nacional da arte, realizada há dias na província do Moxico e que culminou com a conquista do troféu masculino. Simão Sumbelelo justificou que o balanço é positivo, porque os atletas, ao longo da preparação, tiveram sessões bidiárias esforçadas uma vez a outra, visto que se encontravam em época de provas, mas mesmo assim, lograram êxitos no certame. “Foi muita carga psicológica. Mas mesmo assim, conseguiram lidar com o momento”, disse. peonato nacional, tem como objectivo ser campeão. E o Benfica não fugiu a regra. “Eu, como técnico, começo por agradecer a direcção do clube pelo esforço empreendido, ao criar condições para que os atletas se fizessem presente na província do Moxico. O que não é fácil devido a distância. E só foi possível de comboio. Depois agradecer os próprios atletas, que foram também bravos, porque eram 6 categorias de peso que a federação propôs, atendendo a distância. E nas 6 categorias, o Benfica conseguiu 5 medalhas de ouro e uma de prata em masculino. Fruto disso, não tínhamos mais nada a dizer, se não fazer um balanço positivo quanto a nossa participação neste evento”, enalteceu. Para revalidar o título, a academia do Benfica Petróleos do Lubango precisou de arrebatar cinco medalhas de ouro, através de Leonardo Mboliaço (-54kg), Manuel Uyango (-58kg), Eli Quinanga (-63kg), Mário Kossengue (-68kg) e António Kossengue (-74kg), enquanto a medalha de prata foi conquistada por Simão Sumbelelo (-80kg). Deste modo, a classificação ficou assim ordenada: Benfica Petróleos do Lubango (campeão nacional), Bravos do Maquis do Moxico (vice-campeã) e 1º de Agosto (3º lugar) Simão Sumbelelo informou que, no sector feminino, o Benfica Petróleos do Lubango, ocupou a segunda posição com uma medalha de ouro e três de prata, ao serem vencidas pelo 1º de Agosto (campeã nacional). A terceira posição coube ao Bravos do Maquis. “Conseguimos o segundo lugar, tal como aconteceu no campeonato passado. Foi praticamente o reeditar do campeonato, que se realizou em Benguela em 2016”, lembrou. Admitiu que o nível competitivo evidenciado neste campeonato, pelas outras academias, foi positivo, tirando as duas equipas da província do Moxico, sobretudo o 11 de Novembro e a Velha Guarda local, que não estiveram em altura das encomendas. As demais mostraram, durante os combates, uma qualidade aceitável.Citou que a equipa do 11 Bravos do Maquis mostrou uma boa qualidade, o que lhe permitiu conquistar o segundo lugar da tabela de classificação geral. “As outras academias mostraram uma qualidade já aceitável. Desde sempre, sabe-se que o Benfica Petróleos do Lubango é rival de todos os clubes. E não foge a regra. O 1º de Agosto tem como principal alvo a abater o Benfica do Petróleos do Lubango. Por sua vez, o Benfica Petróleos do Lubango tem se preparado na medida do possível. Conseguimos perceber logo que, no emparceiramento, ninguém quer calhar com os atletas do Benfica Petróleos do Lubango”, aclarou. O técnico da academia do Benfica Petróleos do Lubango, Simão Sumbelelo, citou que o 1º de Agosto apareceu no campeonato com uma caravana de 30 atletas, que galvanizou o público presente no recinto de competições. “O Benfica Petróleos do Lubango levou apenas 10 atletas para prova, convicto de que tinha de trabalhar, para surtir resultados em prol daquilo que pretendíamos alcançar. Assim aconteceu. Relativamente a essas equipas rivais, o 1º de Agosto foi derrotado, nas meias-finais, pelo Benfica Petróleos do Lubango. Todos eles foram eliminados pelos nossos atletas. O Benfica Petróleos do Lubango, nada mais esperava senão ser campeão e mostrar a todos, mormente a própria direcção do clube, federação e associação provincial, que devem sempre contar connosco para outros torneios nacionais, taça da embaixada, zonais e competições internacionais”, garantiu. Admitiu que o nível competitivo evidenciado neste campeonato, pelas outras academias, foi positivo, tirando as duas equipas da província do Moxico, sobretudo o 11 de Novembro e a Velha Guarda local, que não estiveram em altura das encomendas Argumentou que o balanço foi positivo, porque qualquer clube que participa num cam-

© PressReader. All rights reserved.