AS­SAL­TO ÀS AFRO­TA­ÇAS

MI­LI­TA­RES E TRI­CO­LO­RES JO­GAM ACES­SO À SE­GUN­DA ELI­MI­NA­TÓ­RIA NAS PRO­VAS DA CAF

Jornal dos Desportos - - PORTADA - BETUMELEANO FERRÃO

As equi­pas do 1º de Agos­to e do Pe­tro vol­tam a en­trar em acção nas pre­li­mi­na­res da Li­ga dos Campeões Afri­ca­nas e da Ta­ça da Con­fe­de­ra­ção. A equi­pa do “rio-se­co” de­fron­ta na quar­ta-fei­ra no es­tá­dio Ma­ri­en Ngou­a­bi, no Con­go-Braz­za­vil­le, o Otôho lo­cal, após vencer em Lu­an­da, por 4-2.

A for­ma­ção do “ei­xo-viá­rio” que tem a qua­li­fi­ca­ção pra­ti­ca­men­te ga­ran­ti­da, vai a Fran­cis­Town, Botswa­na, jogar com Ora­pa Uni­ted, de­pois da goleada de 4-0, em Lu­an­da.

OO­toho do Con­go é co­mo o ami­go que avi­sa, to­da­via, vai ser ne­ces­sá­rio aguar­dar até quar­ta-fei­ra, pa­ra ver se o 1º de Agos­to pres­tou bem aten­ção, ou fez ou­vi­dos de mer­ca­dor, aos in­di­ca­do­res com­pe­ti­ti­vos do ad­ver­sá­rio.

A se­gun­da mão da pre­li­mi­nar da Cham­pi­ons 2018/2019 dis­pu­ta-se no es­tá­dio Ma­ri­en Ngou­a­bi, a par­tir das 15h30, ho­ras lo­cais, um dos gran­des mo­ti­vos de in­te­res­se é a pos­tu­ra com que os mi­li­ta­res ini­ci­am o jo­go. Ou pu­xam de ime­di­a­to dos ga­lões, ou dão es­pe­ran­ças aos con­go­le­ses, co­mo fi­ze­ram em cer­to pe­río­do do em­ba­te da primeira mão.

A vitória, com que o cam­peão an­go­la­no vai ini­ci­ar o jo­go, foi ar­ran­ca­da a fer­ro. E, ain­da bem que foi pre­ci­so trans­pi­rar, por­que foi su­fi­ci­en­te pa­ra ver que o 1º de Agos­to é su­pe­ri­or.

Ago­ra, sabe dos pe­ri­gos, de re­la­xar an­tes de cum­prir o de­ver, há todos os mo­ti­vos pa­ra acreditar que os mi­li­ta­res po­dem evi­tar em­ba­ra­ços des­ne­ces­sá­ri­os, se le­va­rem pa­ra a ca­sa alheia to­das as coi­sas bo­as que mos­tra­ram pa­ra cons­truir a van­ta­gem de 4-2.O 1º de Agos­to es­tá a jogar, em defesa do pres­tí­gio que con­quis­tou com su­or e lá­gri­mas. Por es­ta ra­zão, é ce­do de­mais pa­ra a equi­pa achar que pode ador­me­cer à som­bra do do­ce pas­sa­do.

Ador­me­cer sob o triunfo de Lu­an­da, pode ser de­sas­tro­so pa­ra os mi­li­ta­res. É im­por­tan­te en­trar em cam­po com a in­ten­ção de sen­ten­ci­ar em de­fi­ni­ti­vo a sor­te dos con­go­le­ses. Quan­to mais ve­zes o jo­go es­ti­ver a ser dis­pu­ta­do em cam­po alheio, mais o cur­so da eli­mi­na­tó­ria se tor­na inal­te­rá­vel.

A Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na de Futebol no­me­ou ár­bi­tros do Ga­bão, pa­ra o ajui­zar da se­gun­da mão. A pro­xi­mi­da­de ge­o­grá­fi­ca e lin­guís­ti­ca com o Con­go, é apenas um me­ro de­ta­lhe, que não deve fa­zer o 1º de Agos­to per­der o fo­co nos seus ob­jec­ti­vos.

Na ver­da­de, se os mi­li­ta­res fo­rem com­pe­ten­tes, em momento al­gum vão ter mo­ti­vos de queixa, con­tra a equi­pa li­de­ra­da por Pi­er­re At­cho que vai ser au­xi­li­a­do por An­ge­lo Mam­ba­na e Fe­lix Eya­ga.

O Otoho, ain­da es­tá a en­ga­ti­nhar nas afro­ta­ças, mas deu pa­ra ver no Es­tá­dio 11 de No­vem­bro que quer ter per­nas pa­ra an­dar.

É, pois, nor­mal an­te­ver que os con­go­le­ses acre­di­tem no cus­te o que cus­tar, ain­da mais por­que for­ça­ram o 1º de Agos­to cor­rer atrás do mar­ca­dor de 2-0.

A boa ati­tu­de com­pe­ti­ti­va do Otoho, che­gou a as­sus­tar o 1º de Agos­to e as­sim é de es­pe­rar, que pe­ran­te os seus adeptos am­bi­ci­o­ne um gol­pe fa­tal.

Pa­ra a surpresa, o cam­peão con­go­lês precisa de fa­zer 2-0, 3-1 ou en­tão, de­vol­ver o 4-2 e aguar­dar pe­lo des­fe­cho da lo­ta­ria dos pe­nál­tis, en­fim, todos os ce­ná­ri­os são bons pa­ra os con­go­le­ses, é pon­to as­sen­te que a equi­pa lo­cal vai que­rer al­go sem es­pi­nhas, pa­ra aca­bar de uma só vez com a ques­tão.

O Otoho aper­ce­beu-se que es­ti­cou de­mais a cor­da, em Lu­an­da, por is­so, não tem co­mo re­pe­tir a gra­ça da vez pas­sa­da, num abrir e fechar de olhos.

O 1º de Agos­to deve es­tar de olhos aber­tos e pre­ve­ni­do con­tra o ve­ne­no ines­pe­ra­do, pe­lo que che­gou a vez dos con­go­le­ses fa­ze­rem o mes­mo que os mi­li­ta­res: pu­xa­rem dos ga­lões pa­ra mostrar su­pe­ri­o­ri­da­de em tudo.

A pre­ci­sar do mínimo um 2-0, pa­ra ser fa­la­do no con­ti­nen­te, o Otoho ar­ris­ca tudo o que tem, pa­ra pe­tis­car. É nor­mal e até é um di­rei­to le­gi­ti­mo que tem, por­que com ou sem mé­ri­to, con­se­guiu fu­gir até ser al­can­ça­do e ul­tra­pas­sa­do pe­lo 1º de Agos­to.

É ver­da­de que não há jo­gos iguais, con­tu­do, co­mo a esperança é a úl­ti­ma a mor­rer, a equi­pa con­go­le­sa acre­di­ta que pode che­gar aon­de quer, so­bre­tu­do, se tiver al­gum as­cen­den­te no jo­go.

O 1º de Agos­to tem ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da, pa­ra ti­rar par­ti­do da si­tu­a­ção em que se en­con­tra. Ain­da bem, que nas la­te­rais e no meio, a equi­pa an­go­la­na tem imen­sa qua­li­da­de pa­ra im­pe­dir que o ad­ver­sá­rio che­gue com tudo. Os mi­li­ta­res têm de fa­zer o Otoho per­ce­ber, que se abrir mui­to, vai so­frer em ca­sa.

1º de Agos­to jo­ga em defesa do pres­tí­gio que con­quis­tou com su­or e lá­gri­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.