Ti­rar o mar­ke­ting des­por­ti­vo da"mi­sé­ria com a bar­ri­ga cheia"

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - ZONGO FERNANDO DOS SAN­TOS * *MEN­TOR E GES­TOR EXE­CU­TI­VO DO FÓ­RUM MAR­KE­TING DES­POR­TI­VO

Os nos­sos clu­bes e as nos­sas se­lec­ções, há mui­to que de­vi­am ori­en­tar-se pe­lo mar­ke­ting, no des­por­to ou atra­vés do des­por­to. Na ac­tu­al re­a­li­da­de eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra do país, es­ta pa­re­ce ser uma equa­ção com­ple­xa, o pri­mei­ro pas­so pa­ra es­ta mu­dan­ça é jus­ta­men­te co­me­çar a olhar de "fren­te" pa­ra o des­por­to, co­mo um ne­gó­cio e com imen­so po­ten­ci­al de con­su­mo.

Ori­en­tar-se pe­lo mar­ke­ting des­por­ti­vo, pas­sa por le­var em con­ta as ne­ces­si­da­des, às ex­pec­ta­ti­vas, os de­se­jos e pre­fe­rên­ci­as dos con­su­mi­do­res "di­rec­tos" e "in­di­rec­tos" do des­por­to, pro­cu­rar sa­tis­fa­zê-los de for­ma opor­tu­na e ren­tá­vel.

Po­rém, tal as­pi­ra­ção só de­ve ser con­cre­ti­za­da com su­ces­so, se an­tes fo­rem de­sen­vol­vi­das e ac­ti­va­das ac­ções as­ser­ti­vas, ba­se­a­das nu­ma pla­ni­fi­ca­ção, que ao in­vés de ser a mais ide­al, le­ve em con­ta a re­a­li­da­de, ter co­mo pre­mis­sa dois pi­la­res fun­da­men­tais, ou me­lhor dois gran­des seg­men­tos, que fun­ci­o­nem co­mo "ir­mãos si­a­me­ses" no mar­ke­ting des­por­ti­vo, no­me­a­da­men­te:

- Os pro­du­tos e ser­vi­ços des­por­ti­vos que são cons­truí­dos e se re­la­ci­o­nem di­rec­ta­men­te com o con­su­mi­dor des­por­ti­vo;

- E, as ac­ções le­va­das a ca­bo por de­ter­mi­na­dos agen­tes, que em­bo­ra não te­nham uma re­la­ção di­rec­ta com a prá­ti­ca desportiva, usem o des­por­to co­mo veí­cu­lo de co­mu­ni­ca­ção, pa­ra de pro­pó­si­to es­ta­rem "o pró­xi­mo mais pró­xi­mo" do seu pú­bli­co -al­vo.

Se­não, ve­ja­mos: se o mar­ke­ting em­pre­sa­ri­al vi­sa tor­nar um pro­du­to e/ou ser­vi­ço mais atrac­ti­vo e atra­en­te aos olhos de um de­ter­mi­na­do pú­bli­co -al­vo, o mar­ke­ting des­por­ti­vo, acres­ci­do do fac­to de con­cor­rem fac­to­res in­tan­gí­veis, co­mo emo­ção, pai­xão e con­su­mo, tem co­mo ob­jec­ti­vos a pro­mo­ção da ima­gem de mar­ca dos clu­bes e dos seus prin­ci­pais ac­ti­vos, co­mo por exem­plo, os seus atle­tas.

Creio, que até aqui, de­ve fi­car evi­den­te a con­tri­bui­ção que o mar­ke­ting po­de vir a ter na pros­pe­ri­da­de fi­nan­cei­ra dos clu­bes, ho­je, fac­to pe­lo qual o ar­ti­go que o pre­za­do leitor tem em mãos, pre­ten­de não só cha­mar a aten­ção, tam­bém, tra­zer à ra­zão.

Um clu­be que de­se­ja ori­en­tar-se pe­lo mar­ke­ting, de­ve le­var em con­si­de­ra­ção que a sua iden­ti­da­de ou mar­ca desportiva, le­va-lhe a ter ca­rac­te­rís­ti­cas úni­cas, dis­tin­tas e pró­pri­as, e co­mo tal, é ne­ces­sá­rio que a pla­ni­fi­ca­ção es­tra­té­gi­ca e tác­ti­ca de mar­ke­ting des­por­ti­vo tra­ça­da, te­nha uma per­cep­ção e sai­ba iden­ti­fi­car, in­ter­pre­tar e ca­rac­te­ri­zar as ne­ces­si­da­des e opor­tu­ni­da­des, por um la­do dos só­ci­os, adep­tos e sim­pa­ti­zan­tes, e por ou­tro la­do, dos pa­tro­ci­na­do­res e par­cei­ros.

Mas é im­por­tan­te dei­xar aqui, bem mar­ca­do e su­bli­nha­do, o fac­to de qual­quer que se­ja o clu­be em An­go­la ou no Mun­do, só ob­tém su­ces­so, na me­di­da que se for ori­en­ta­do pe­lo mar­ke­ting, se ne­ces­sa­ri­a­men­te der aten­ção a du­as im­por­tan­tes pers­pec­ti­vas.

A pri­mei­ra, se ti­ver den­tro das es­tru­tu­ras or­gâ­ni­cas de fun­ci­o­na­men­to, pro­fis­si­o­nais de mar­ke­ting de " fa­to-ma­ca­co" (por­que exis­tem pá­ra-que­dis­tas a pu­lu­lar por aí, à pro­cu­ra de um lu­gar ao so­lo) que te­nham ca­pa­ci­da­des, ha­bi­li­da­des e qua­li­fi­ca­ções pa­ra fi­xar ob­jec­ti­vos con­cre­tos e me­tas re­a­lís­ti­cas.

as ac­ções le­va­das a ca­bo por de­ter­mi­na­dos agen­tes, que em­bo­ra não te­nham uma re­la­ção di­rec­ta com a prá­ti­ca desportiva, usem o des­por­to co­mo veí­cu­lo de co­mu­ni­ca­ção, pa­ra de pro­pó­si­to es­ta­rem "o pró­xi­mo mais pró­xi­mo" do seu pú­bli­co -al­vo

A se­gun­da, que os re­fe­ri­dos clu­bes se­jam ca­pa­zes de cen­trar to­das as su­as pre­o­cu­pa­ções, no co­nhe­ci­men­to quan­ti­ta­ti­vo e qua­li­ta­ti­vo do mer­ca­do on­de es­tão in­se­ri­dos e on­de re­a­li­zem as su­as ac­ti­vi­da­des quo­ti­di­a­nas.

Mar­ke­ting é uma fer­ra­men­ta, que os clu­bes de­vem apos­tar, não só num con­tex­to de re­trac­ção e con­di­ci­o­na­lis­mos fi­nan­cei­ros, co­mo o que es­ta­mos a pas­sar, tam­bém, co­mo for­ma de bus­car re­cur­sos fi­nan­cei­ros com­ple­men­ta­res, mui­to além do "sa­cri­fi­ca­do" e "tor­tu­ra­do" apoio que o es­ta­do an­go­la­no ofe­re­ce, aliás, um Es­ta­do que mui­to ain­da faz pa­ra man­ter a cha­ma bem viva do des­por­to na­ci­o­nal, prin­ci­pal­men­te, nas ver­ten­tes de so­ci­a­li­za­ção, agre­ga­ção e in­clu­são.

Em jei­to de “api­to fi­nal”, no que es­te ar­ti­go diz res­pei­to, gos­ta­va de re­co­men­dar aos nos­sos clu­bes, em An­go­la, que se dei­xem ori­en­tar pe­lo mar­ke­ting, pa­ra que dei­xe­mos de fi­car pe­lo pou­co ou pe­lo qua­se na­da, qu­an­do na re­a­li­da­de se es­tá a per­der mui­to di­nhei­ro.

KINDALA MA­NU­EL | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.