O di­nhei­ro do fu­te­bol de­ve vir...do fu­te­bol !

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AN­TÓ­NIO FÉ­LIX

Há anos, o en­tão se­cre­tá­rio-ge­ral da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF), Jo­sé Car­do­so de Li­ma, ape­lou à uma mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de, nos pro­nun­ci­a­men­tos pú­bli­cos dos di­ri­gen­tes des­por­ti­vos, por pro­vo­ca­rem al­gu­ma ins­ta­bi­li­da­de na or­ga­ni­za­ção das pro­vas que re­a­li­za e que exi­gem mui­to di­nhei­ro.

Na al­tu­ra, até le­van­tou a ve­lha ques­tão­de pas­sar-se a efec­tu­ar os pa­ga­men­tos dos pré­mi­os de ar­bi­tra­gem men­sal­men­te, atra­vés de um de­pó­si­to no va­lor de um mi­lhão e qui­nhen­tos mil kwan­zas, is­to nu­ma al­tu­ra em que a FAF ti­nha um dé­fi­ce ele­va­do de 11 mi­lhões de kwan­zas. A Fe­de­ra­ção, dis­se, es­ta­va a cum­prir a sua par­te com a sub­ven­ção de uma par­te das dí­vi­das pa­ra com os ár­bi­tros.

Até ho­je, as con­tas do e no nos­so fu­te­bol nun­ca ba­te­ram cer­to e os ca­mi­nhos pa­ra so­lu­ções con­ti­nu­am a ser evo­ca­dos. Co­mo é por exem­plo es­sa de, há di­as, a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol vir a or­ga­ni­zar, no dia 19 des­te mês, uma "gran­de" reu­nião, pa­ra se dis­cu­tir o or­ça­men­to es­te ano de 2019.

Per­gun­tei a mim mes­mo: or­ça­men­to re­sul­ta­do de re­cei­tas pró­pri­as, ou en­tão, se ain­da pro­ve­ni­en­te dos co­fres do Es­ta­do? As pro­vas que a FAF re­a­li­za são ca­pa­zes de mi­ti­gar o su­por­te es­ta­tal?

Du­vi­do se, ao que tu­do in­di­ca, es­te ano, qu­an­do for en­con­tra­do o cam­peão na­ci­o­nal do Gi­ra­bo­la, não vai vol­tar a ser le­van­ta­da a ques­tão de se sa­ber se se­rá ape­nas co­ro­a­do a tal, com me­ras pal­ma­di­nhas nas cos­tas, ou já com di­nhei­ro vi­vo, co­mo si­nal das re­cei­tas e de in­ves­ti­men­to mo­ne­tá­rio e hu­ma­no que fez o fu­te­bol ge­rou.

Pa­ra fa­lar ver­da­de, es­ta ques­tão, em­bo­ra se­ja re­cor­ren­te, tem to­da a ra­zão de ser evo­ca­da e so­bre­tu­do nes­tes di­as, em que já não é ape­nas o Es­ta­do (atra­vés de mi­nis­té­ri­os e em­pre­sas pú­bli­cas) que apa­dri­nha os clu­bes, a qua­se fun­do per­di­do, por exis­ti­ram tam­bém en­ti­da­des par­ti­cu­la­res a fa­zê-lo, co­mo é o ca­so das gran­des equi­pas que de­pen­dem dos seus avan­ta­ja­dos pa­tro­ci­na­do­res pri­va­dos.

A di­rec­ção dos gran­des clu­bes apli­cam ri­os de di­nhei­ro, pa­ra con­tra­tar jo­ga­do­res e téc­ni­cos. Fa­zem des­lo­ca­ções, den­tro e fo­ra de por­tas, com gas­tos as­tro­nó­mi­cos ao lon­go do cam­pe­o­na­to.

De­ci­di­da­men­te, o cam­pe­o­na­to em si tem de co­nhe­cer o dia em que se­rá au­to-su­fi­ci­en­te pa­ra pro­du­zir ga­nhos e re­cei­tas pa­ra os clu­bes. Es­te par­ti­cu­lar, re­me­te pa­ra a ur­gên­cia da ins­ti­tui­ção de uma Li­ga de Fu­te­bol em An­go­la, que é uma verdadeira má­qui­na de fa­zer di­nhei­ro, pa­ra os co­fres dos clu­bes.

Até os paí­ses afri­ca­nos, sem o pe­so eco­nó­mi­co e so­ci­al que An­go­la os­ten­ta, fa­zem-no há dé­ca­das. É que se es­ta ur­gên­cia não fi­zes­se sen­ti­do, não te­ría­mos, co­mo es­ta­mos a ver e a as­sis­tir, di­ri­gen­tes a fa­ze­rem con­si­de­ra­ções à res­pei­to de re­cei­tas ine­xis­ten­tes no fu­te­bol na­ci­o­nal.

A di­rec­ção dos gran­des clu­bes apli­cam ri­os de di­nhei­ro, pa­ra con­tra­tar jo­ga­do­res e téc­ni­cos. Fa­zem des­lo­ca­ções, den­tro e fo­ra de por­tas, com gas­tos as­tro­nó­mi­cos ao lon­go do cam­pe­o­na­to

De sua jus­ti­ça têm fri­sa­do, e bem, que não há co­fres chei­os por­que aqui na nos­sa ter­ra, o fu­te­bol é vis­to co­mo um des­por­to de en­tre­te­ni­men­to, na me­di­da em que ain­da se no­ta a par­ti­ci­pa­ção do Es­ta­do na atri­bui­ção de um par­co or­ça­men­to pa­ra a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF), pa­ra a ges­tão de com­pe­ti­ções.

En­quan­to tal po­lí­ti­ca de su­por­te pú­bli­co se man­ti­ver, co­mo de­fen­dem mui­tos di­ri­gen­tes, a mes­ma po­lí­ti­ca vai di­fi­cul­tar a cri­a­ção de con­di­ções pa­ra se atri­buir, por exem­plo, ao cam­peão do Gi­ra­bo­la um bom pré­mio mo­ne­tá­rio.

Eu as­si­no por bai­xo, os agen­tes do nos­so fu­te­bol que ad­vo­gam a ideia de que o di­nhei­ro do fu­te­bol de­ve vir do fu­te­bol e não de ou­tras ins­ti­tui­ções, que na­da têm a ver com es­te des­por­to.

Por ou­tras pa­la­vras, a solução es­tá nas en­ti­da­des que ge­rem o des­por­to rei em An­go­la, sa­be­rem, de uma vez por to­das, fa­zer uma a cla­ra dis­tin­ção em re­la­ção à ló­gi­ca que de­ve se­guir o nos­so fu­te­bol, is­to é, se é co­mer­ci­al ou ain­da de re­cre­a­ção, pa­ra se ter ou não re­cei­tas vo­lu­mo­sas.

A per­gun­ta fi­nal, aqui, é es­ta: mais de qua­tro dé­ca­das de dis­pu­ta, por exem­plo, do Gi­ra­bo­la, nes­ta al­tu­ra não ha­via con­di­ções pa­ra tor­na­rem-no num pro­du­to co­mer­ci­al apetecível ao pú­bli­co e ren­tá­vel aos clu­bes des­de que se­ja bem tra­ta­do e or­ga­ni­za­do?

Du­ran­te mui­tos anos es­tra­nhá­mos, e por is­so, não me­re­cia aplau­sos, a po­si­ção da pró­pria Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol que no con­cre­to não im­pul­si­o­na­va.Não es­ti­mu­la­va a par­tir-se já pa­ra a Li­ga em An­go­la. Só ad­mi­tia va­ga-

JO­SÉ CO­LA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.