O ve­lho pro­ble­ma da adul­te­ra­ção de ida­des no des­por­to

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AU­GUS­TO FER­NAN­DES

Ofe­nó­me­no da adul­te­ra­ção de ida­des é an­ti­go e acon­te­ce um pou­co por to­do o Mun­do, não se li­mi­ta só ao des­por­to, exis­tem pes­so­as que adul­te­ram a ida­de por mo­ti­vos mi­li­ta­res, pa­ra a ob­ten­ção de li­cen­ça de con­du­ção, pa­ra es­tu­dar e as­sim, por di­an­te.

Exis­tem pes­so­as que usam a ida­de de ir­mãos mais ve­lhos, ou mais no­vos, pa­ra di­ver­sos fins, co­mo foi o ca­so de um an­ti­go jo­ga­dor de fu­te­bol de um gran­de clu­be de Ben­gue­la, na dé­ca­da de 60, a qu­em cha­ma­re­mos Ma­ne­li­to.

Qu­an­do ti­nha 15 anos, Ma­ne­li­to jo­ga­va à von­ta­de en­tre os mais ve­lhos. Era um de­fe­sa cen­tral ta­len­to­so e im­pu­nha res­pei­to aos ad­ver­sá­ri­os. Por is­so, des­per­tou o in­te­res­se de um dos clu­bes que dis­pu­ta­va o cam­pe­o­na­to dis­tri­tal, no tem­po do Por­tu­gal de Ben­gue­la, com o go­le­a­dor -mor Ja­nuá­rio Can­den­gan­den­ga, Mi­au e ou­tros. Po­rém, o gran­de pro­ble­ma de Ma­ne­li­to era a ida­de. Com 15 anos, ele não po­dia jo­gar nos se­ni­o­res, a me­nos que os pais per­mi­tis­sem. Os país de­le já não fa­zi­am par­te do Mun­do dos vi­vos. Pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma, um dos di­ri­gen­tes do seu novo clu­be, te­ve uma ideia “bri­lhan­te”.

Co­mo ele co­nhe­cia as ir­mãs mais ve­lhas de Ma­ne­li­to, con­tac­tou-as e des­co­briu que a di­fe­ren­ça en­tre o Ma­ne­li­to e a ir­mã que ele se­guia, era de três anos! As­sim, com es­te da­do, o di­ri­gen­te ma­la­ba­ris­ta usou das su­as in­fluên­ci­as e fez um novo re­gis­to, com os mesmos da­dos da ir­mã, à ex­cep­ção do no­me, é cla­ro.

Ho­je, o ho­mem tem 74 anos, no bi­lhe­te de iden­ti­da­de, to­da­via, na re­a­li­da­de tem 71 anos de ida­de. Co­mo ve­mos, nes­te exem­plo re­al, ape­nas mu­da­mos o no­me da pes­soa, ao re­dor do Mun­do exis­tem mi­lha­res de ca­sos pa­re­ci­dos.

Na dé­ca­da de oi­ten­ta, uma se­lec­ção mu­ni­ci­pal de sub-15 foi jo­gar com a sua si­mi­lar da mes­ma pro­vín­cia, que se si­tua a 30 km, pa­ra a ta­ça pro­vin­ci­al. No jo­go da pri­mei­ra mão, a equi­pa vi­si­ta­da ven­ceu, por 4-1.

A equi­pa vi­si­tan­te pre­ci­sa­va de ga­nhar no jo­go de res­pos­ta, no mí­ni­mo, por 3-0. Em fun­ção da qua­li­da­de e do vo­lu­me de jo­go apre­sen­ta­do pe­la equi­pa vi­si­ta­da, o cor­po téc­ni­co da vi­si­tan­te viu que não tj­nha chan­ce al­gu­ma, de ven­cer o jo­go da se­gun­da mão por 3-0.

Pa­ra re­sol­ver o as­sun­to, o cor­po téc­ni­co e os res­pon­sá­veis da se­lec­ção, mo­bi­li­za­ram um jo­vem que na épo­ca ti­nha cer­ca de 20 anos de ida­de, em­bo­ra, apa­ren­tas­se a ida­de dos de­mais jo­ga­do­res en­vol­vi­dos na eli­mi­na­tó­ria.

No jo­go de res­pos­ta, a se­lec­ção ven­ceu por 5-0, com qua­tro go­los do “su­per re­for­ço”, em­bo­ra fos­se se­mi-fran­zi­no, era mais ve­lho e ain­da por ci­ma, mui­to cra­que. Os di­ri­gen­tes, o cor­po téc­ni­co e os jo­ga­do­res da equi­pa vi­si­tan­te, li­mi­ta­ram-se a mur­mu­rar: “não po­de, es­te ga­jo é mais ve­lho… va­mos pro­tes­tar o jo­go”

A gran­de ques­tão, é: co­mo aca­bar com es­te fenómeno? É pos­sí­vel aca­bar com a adul­te­ra­ção de ida­des no des­por­to? Em mi­nha mo­des­ta opi­nião, acho, que é mui­to di­fí­cil aca­bar com es­te mal.

Pa­ra tal é pre­ci­so aca­bar ou eli­mi­nar o mo­ti­vo da sua “ne­ces­si­da­de”. Des­por­ti­va­men­te fa­lan­do, as pes­so­as adul­te­ram as ida­des, por cau­sa da com­pe­ti­ção ga­nan­ci­o­sa. Quer a pes­soa se­ja apa­dri­nha­da na tra­pa­ça, ou se­ja ela mes­ma a au­to - pa­tro­ci­nar, a gran­de ver­da­de é , que são mo­vi­dos pe­la de­se­jo ar­den­te de ven­cer.

Te­mos, com o exem­plo, a corrupção. É, sim­ples­men­te, im­pos­sí­vel aca­bar com ela, sem que an­tes se eli­mi­nem os mo­ti­vos da exis­tên­cia, que pas­sa pe­las de­si­gual­da­des so­ci­ais, com a es­tre­ma po­bre­za a ocu­par o pri­mei­ro lu­gar, na lis­ta dos mo­ti­vos da exis­tên­cia da corrupção. O má­xi­mo, que se po­de fa­zer e se tem fei­to, é to­mar me­di­das dis­su­a­so­ras.

As­sim, é im­por­tan­te que te­nha­mos em men­te os mo­ti­vos, que fa­zem com que al­gu­mas pes­so­as re­cor­ram à adul­te­ra­ção das ida­des, qu­an­do se pen­sar aca­bar com ela.

Não nos es­que­ça­mos, que os ins­tru­men­tos pa­ra a ins­cri­ção de um atle­ta, em qual­quer ins­ti­tui­ção des­por­ti­va, é o Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de ou a Cer­ti­dão de Nas­ci­men­to.

Os únicos ele­men­tos, ca­pa­zes de pro­var a le­ga­li­da­de de tais ins­tru­men­tos, são as ins­ti­tui­ções que os emi­tem. No en­tan­to, em tais ins­ti­tui­ções, tam­bém exis­tem de­si­gual­da­des so­ci­ais, que pro­pi­ci­am a ten­ta­ção do su­bor­no di­rec­to ou in­di­rec­to.Por ou­tro la­do, te­mos ou­tro fac­tor que se ca­lhar de­ve ser o prin­ci­pal, que tam­bém con­tri­bui, for­te­men­te pa­ra a tra­pa­ça, ou se­ja, pa­ra a adul­te­ra­ção de ida­des: a fal­ta de va­lo­res morais.

Ho­je, a hu­ma­ni­da­de, pra­ti­ca­men­te não tem bo­as fon­tes nem exem­plos de con­du­ta mo­ral a imi­tar e as es­cas­sas e fi­de­dig­nas que exis­tem, são re­jei­ta­das pe­la mai­o­ria dos que in­flu­en­ci­am a so­ci­e­da­de.

É ne­ces­sá­rio ter uma ele­va­da força mo­ral, pa­ra di­zer não à corrupção ou a adul­te­ra­ção de ida­des, por­que nor­mal­men­te es­tes ac­tos vis, são pra­ti­ca­dos por pes­so­as que es­tão em car­gos de res­pon­sa­bi­li­da­de e au­to­ma­ti­ca­men­te, trans­for­mam­se em exem­plo aos de­mais.

Por­tan­to, qu­an­do o que é mau é pu­bli­ci­ta­do co­mo bom, ou qu­an­do pes­so­as de má con­du­ta ser­vem de mo­de­lo, en­tão, não se de­ve es­pe­rar um re­sul­ta­do me­lhor do que uma so­ci­e­da­de mo­ral­men­te de­caí­da e do­en­te.

Por mais que se lu­te, por mais que nos es­for­ce­mos em aca­bar com a adul­te­ra­ção de ida­des no des­por­to, se não nos fo­car­mos nos mo­ti­vos prin­ci­pais que fa­zem com que ela exis­ta, en­tão, to­dos os nos­sos es­for­ços se­rão em vão, pois, es­ta­re­mos co­mo que a gol­pe­ar o ar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.