Que ve­nha a Hun­gria!

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Bom co­me­ço. É o que se po­de ca­rac­te­ri­zar da Se­lec­ção Na­ci­o­nal sé­ni­or mas­cu­li­na de andebol, às or­dens da Fi­li­pe Cruz, que se es­tre­ou da me­lhor ma­nei­ra na 26ª edi­ção do Cam­pe­o­na­to do Mun­do da mo­da­li­da­de, ao ven­cer on­tem a si­mi­lar do Qa­tar. O com­bi­na­do an­go­la­no fez o que lhe com­pe­tia na es­treia des­ta pro­va, que ar­ran­cou quin­ta­fei­ra úl­ti­ma. En­trou pa­ra o rec­tân­gu­lo de jo­go do Royal Are­na, em Co­pe­nha­ga, com gran­de de­ter­mi­na­ção, pe­ran­te um ad­ver­sá­rio que ofe­re­ceu sem­pre gran­de ré­pli­ca e que não cru­zou os bra­ços do prin­cí­pio ao fim. Mas va­leu a efi­cá­cia dos nos­sos bra­vos ra­pa­zes, que der­ro­ta­ram os seus ad­ver­sá­ri­os por 24-23, de­pois da van­ta­gem de 12-8 ao in­ter­va­lo. E o Qa­tar não é um con­jun­to qual­quer, pois en­trou pa­ra es­te cam­pe­o­na­to com ró­tu­lo de tri-cam­peão asiá­ti­co e re­fe­ren­ci­a­do nos areó­pa­gos do andebol, co­mo um dos me­lho­res con­jun­tos do mun­do. Com a vi­tó­ria so­bre o Qa­tar, o «se­te na­ci­o­nal» que in­te­gra o Gru­po D, da com­pe­ti­ção que tem co­mo pal­co a Ale­ma­nha e Di­na­mar­ca, abre, as­sim, bo­as pers­pec­ti­vas pa­ra a cam­pa­nha de An­go­la nes­ta qu­ar­ta par­ti­ci­pa­ção num Cam­pe­o­na­to do Mun­do, de­pois das pre­sen­ças nas edições de 2005, na Tu­ní­sia; 2015, Qa­tar; e 2017, em Fran­ça; on­de não con­se­guiu evi­tar a cau­da. Aliás, o mi­cro-es­tá­gio re­a­li­za­do na Polónia per­mi­tiu aqui­la­tar as re­ais per­for­man­ces do gru­po li­de­ra­do por Fi­li­pe Cruz. Na pre­pa­ra­ção le­va­da a ca­bo em so­lo-pá­trio po­la­co, o se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal po­de ava­li­ar as per­for­man­ces do gru­po, a par­tir de tes­tes re­a­li­za­dos com equi­pas co­mo KPR Gwar­dia, SPR Stal Mi­e­lec e a do HC Ba­nik Kar­vi­na, res­pec­ti­va­men­te. Ade­mais, na an­te­câ­ma­ra des­te cam­pe­o­na­to, o téc­ni­co an­go­la­no mos­trou-se con­vic­to em po­der sur­pre­en­der os ad­ver­sá­ri­os do pri­mei­ro tur­no des­ta eli­te do andebol mun­di­al, que se es­ten­de até ao pró­xi­mo dia 17. No en­tan­to, de­pois de de­fron­tar on­tem o Qa­tar, o pró­xi­mo ad­ver­sá­rio é a Hun­gria, num jo­go em que Fi­li­pe Cruz e pu­pi­los vão pro­cu­rar re­pe­tir a pro­e­za da es­treia, ou se­ja con­quis­tar mais um triun­fo. A cren­ça do se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal na con­quis­ta de bons re­sul­ta­dos e de que, efec­ti­va­men­te, po­de sur­pre­en­der os ad­ver­sá­ri­os do Gru­po D, no pri­mei­ro tur­no des­te mun­di­al, as­sen­ta-se nos ar­gu­men­tos e di­nâ­mi­cas que o con­jun­to pro­cu­rou bus­car du­ran­te o es­tá­gio re­a­li­za­do na Polónia. No mes­mo não se te­ve em con­ta os re­sul­ta­dos ob­ti­dos fren­te as re­fe­ri­das equi­pas, mas sim a en­tre­ga e per­for­man­ces de­mons­tra­das pe­los jo­ga­do­res. A com­pe­tir num gru­po, que tem co­mo quar­tel-ge­ne­ral a ca­pi­tal di­na­mar­que­sa, Co­pe­nha­ga, de­pois de de­fron­tar ama­nhã a si­mi­lar da Hun­gria, An­go­la vai ter ain­da pe­la fren­te, no pri­mei­ro tur­no des­ta com­pe­ti­ção, a Suécia, no dia 14, Ar­gen­ti­na, 16, fe­chan­do as con­tas di­an­te do Egip­to, ou­tra das se­lec­ções que re­pre­sen­ta Áfri­ca, no dia 17. Ago­ra que ve­nha a Hun­gria, num jo­go em que, ine­qui­vo­ca­men­te, o ob­jec­ti­vo do com­bi­na­do na­ci­o­nal pas­sa tam­bém pe­la triun­fo. Aguar­de­mos...

O com­bi­na­do an­go­la­no fez o que lhe com­pe­tia na es­treia des­ta pro­va, que ar­ran­cou quin­ta-fei­ra úl­ti­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.