Es­tu­dan­tes e sam­bi­las num du­e­lo equi­li­bra­do

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL -

O Bu­ra­co é ca­paz de se alar­gar por cau­sa do Académica do Lo­bi­to - Pro­gres­so Sam­bi­zan­ga, com iní­cio às 15H00. Es­te é tal­vez o jo­go mais equi­li­bra­do da jor­na­da, pe­lo que é me­lhor dei­xar os prog­nós­ti­cos pa­ra ou­tra oca­sião, por­que os con­ten­do­res têm tu­do pa­ra pro­ta­go­ni­zar um dos me­lho­res desafios da pri­mei­ra vol­ta, em­bo­ra te­nham per­di­do mui­to do ful­gor que já de­mons­tra­ram em jor­na­das pas­sa­das.

Quem ven­cer vai ga­nhar os três pon­tos im­por­tan­tes, por­que o pon­ti­to que os se­pa­ra é evi­dên­cia de que se tra­ta mes­mo de dois concorrentes di­rec­tos. Os es­tu­dan­tes es­tão a mor­der os cal­ca­nha­res dos sam­bi­las e an­sei­am a to­do o cus­to pe­lo mo­men­to da ul­tra­pas­sa­gem, ain­da as­sim têm de apli­car-se mui­to, por­que o seu vi­si­tan­te des­ta ron­da já fez coi­sas su­fi­ci­en­tes nes­te cam­pe­o­na­to pa­ra ser olha­do de ma­nei­ra di­fe­ren­te.

O In­ter­clu­be e o Spor­ting são vi­zi­nhos na clas­si­fi­ca­ção, am­bos mo­ram nos 11 pon­tos mas os leões es­tão no 10º, en­quan­to os po­lí­ci­as ocu­pam o lu­gar a se­guir. Fi­ca cla­ro que é um jo­go en­tre du­as equi­pas equi­va­len­tes, mas a pres­são es­tá com os do­nos de ca­sa.

O de­sa­fio co­me­ça às 17 no 22 de Ju­nho, com os po­lí­ci­as for­ça­dos de to­dos os la­dos pa­ra es­bo­çar al­gu­ma re­ac­ção. Che­gar ao tí­tu­lo é qua­se uma mi­ra­gem, mas a clas­si­fi­ca­ção es­tá pés­si­ma de­mais, se nem os leões se sen­tem con­for­tá­veis on­de es­tão, por is­so vão ten­tar sair da ca­pi­tal com al­gu­ma coi­sa, is­to sig­ni­fi­ca que os po­lí­ci­as têm de pen­sar mais al­to.

A ar­bi­tra­gem dei­xou o FC Bra­vos do Ma­quis com enor­mes mo­ti­vos de queixa na jor­na­da pas­sa­da, mas os ven­tos ca­sei­ros de­vem aju­dar a mu­dar o dis­cur­so do con­jun­to ori­en­ta­do por Ze­ca Ama­ral di­an­te do pe­núl­ti­mo clas­si­fi­ca­do, Cu­an­do Cu­ban­go FC, 15H00 no Mun­dun­du­le­no.

Os ma­qui­sar­des são fa­vo­ri­tos, po­rém, têm de se lem­brar do que acon­te­ceu con­tra o Caá­la pa­ra evi­tar uma sur­pre­sa ines­pe­ra­da, nin­guém dú­vi­da que têm tu­do o que pre­ci­sam pa­ra so­mar 3 pon­tos, mas se per­der o ape­ti­te os fo­ras­tei­ros vão fa­zer das su­as.

Ago­ra que mu­dou o co­man­do téc­ni­co e per­deu o avan­ça­do Ma­grão, o Re­cre­a­ti­vo do Libolo vai ao re­du­to do im­pre­vi­sí­vel San­ta Ri­ta de Cás­sia, 15H00 no 4 de Ja­nei­ro, pa­ra ten­tar pro­var que o du­plo re­vés não lhe fez mos­sa.

Os católicos tam­bém es­tão a pas­sar por mui­tas tri­bu­la­ções, mas é pon­to as­sen­te que mal ti­ra­ram tem­po pa­ra se con­cen­trar na des­gra­ça alheia, re­al­men­te tem os mes­mos pon­tos do ad­ver­sá­rio, 11, mas so­frem com a mes­ma in­ter­mi­tên­cia e to­dos os ce­ná­ri­os po­dem acon­te­cer pa­ra os dois la­dos.

A equi­pa do Uí­ge es­tá apos­ta­da em não vol­tar a ce­der pon­tos, não obs­tan­te re­co­nhe­cer o pon­te­ci­al da equi­pa do Ca­lu­lo, ad­ver­sá­rio que não es­tá a fa­zer uma boa equi­pa, mas é sem­pre um con­jun­to a ter em con­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.