Os san­tos da ca­sa sem­pre fi­ze­ram mi­la­gres

Jornal dos Desportos - - ÚLTIMA - TEI­XEI­RA CÂN­DI­DO

Os trei­na­do­res an­go­la­nos de bas­que­te­bol e de andebol es­tão far­ta­men­te a dar provas de que são bons. E pre­ci­sam ape­nas de que se lhes con­fie. Em Áfri­ca, con­quis­ta­ram tu­do e pe­lo mun­do só não fa­zem mais pe­las ra­zões que lhes es­ca­pam. Os ou­tros fa­zem mais in­ves­ti­men­tos, os atle­tas en­fren­tam me­nos cons­tran­gi­men­tos no âm­bi­to so­ci­al, pes­so­al co­mo no des­por­ti­vo ou co­lec­ti­vo. Têm por­tan­to me­lho­res con­di­ções, lo­go é uma van­ta­gem que se re­flec­te em cam­po. Há es­co­las es­pe­ci­a­li­za­das pa­ra trei­na­do­res, há for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca pa­ra aper­fei­ço­ar ou su­pe­rar es­ta ou aque­le de­ta­lhe ma­ni­fes­ta­do nes­te ou na­que­le tor­neio. Es­tu­dam ao de­ta­lhe o de­sen­vol­vi­men­to des­te ou da­que­le ad­ver­sá­rio, esquemas tác­ti­cos, as­sim co­mo to­do um con­jun­to des­van­ta­gens. E por fim, os atle­tas car­re­gam nas per­nas mui­tos jo­gos de gran­de in­ten­si­da­de, por is­so, aca­bam por se­rem su­pe­ri­o­res. É nis­so on­de re­si­de a di­fe­ren­ça en­tre os nos­sos me­lho­res trei­na­do­res e ou­tros. Fi­li­pe Cruz, Vi­val­do Edu­ar­do, Jo­jó e ou­tros que in­te­gram es­sa ge­ra­ção de trei­na­do­res, são es­tu­di­o­sos, e se hou­ves­se uma po­lí­ti­ca de bol­sas de es­tu­do pa­ra fre­quen­ta­rem se­mes­tres de for­ma­ção nos me­lho­res paí­ses, se­gu­ra­men­te já te­ría­mos con­quis­ta­dos me­da­lhas em tor­nei­os mun­di­ais. Não ha­ven­do es­co­las por cá, de­via ha­ver da par­te do Es­ta­do es­ta vi­são. Es­ses for­ma­dos se­ri­am os fu­tu­ros pro­fes­so­res da Aca­de­mia Téc­ni­ca de Trei­na­do­res. Quem fa­la des­ses, po­día­mos ci­tar os do bas­que­te­bol, co­mo Wal­ter Cos­ta e to­da a sua ge­ra­ção e man­dá-los pa­ra os Es­ta­dos Uni­dos, Sér­via ou Li­tuâ­nia por exem­plo. A he­ge­mo­nia que es­sas mo­da­li­da­des os­ten­tam, de­via ser en­ca­ra­da co­mo um as­sun­to de Es­ta­do, trans­cen­der o âm­bi­to das fe­de­ra­ções. É is­so que nos faz gran­des, po­tên­cia re­gi­o­nal ou de qual­quer ou­tra di­men­são. So­mos po­tên­cia, por­que so­mos os me­lho­res nes­te sec­tor ou na­que­le. Ou não se­rá is­so que faz mui­tos paí­ses re­cor­rer ao do­ping, pa­ra con­quis­tar me­da­lhas em com­pe­ti­ções co­mo Jo­gos Olím­pi­cos. A guer­ra dos do­ping tem co­mo pa­no de fun­do a lu­ta pe­la su­pre­ma­cia. Não pre­ci­sa­mos des­ses mei­os pa­ra man­ter a he­ge­mo­nia, bas­ta a for­ma­ção de trei­na­do­res e mai­or in­ves­ti­men­to nas con­di­ções dos clu­bes, dos atle­tas, que os re­sul­ta­dos vi­rão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.