Mais res­pon­sa­bi­li­da­de

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Des­de 1996 na Áfri­ca do Sul, aquan­do da sua es­treia, a par­ti­ci­pa­ção da Se­lec­ção Na­ci­o­nal de fu­te­bol no Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções foi sem­pre en­ca­ra­da com al­gu­ma res­pon­sa­bi­li­da­de, pe­la Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, pe­lo Go­ver­no e pe­lo ci­da­dão co­mum. Da­do que a se­lec­ção não é per­ten­ça de um clu­be, pois, re­pre­sen­ta o país, ne­la se re­vêem os an­go­la­nos de to­dos es­tra­tos so­ci­ais e não é sem ra­zão que o Go­ver­no nun­ca olhou a mei­os pa­ra pro­por­ci­o­nar as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as a uma par­ti­ci­pa­ção con­dig­na.

É cer­to, que no côm­pu­to das su­as par­ti­ci­pa­ções, nem sem­pre cor­res­pon­deu à ex­pec­ta­ti­va, bas­ta olhar pa­ra o que re­pre­sen­ta o his­tó­ri­co dos seus re­sul­ta­dos. Ain­da as­sim, em oca­sião al­gu­ma foi ví­ti­ma de des­pre­zo, ou en­tre­gue à sua pró­pria sor­te.

O que acon­te­ceu, ao prin­cí­pio des­ta se­ma­na, com os atle­tas ao ser­vi­ço da Se­lec­ção Na­ci­o­nal a cru­za­rem os bra­ços, por rei­vin­di­ca­rem o mí­ni­mo pa­ra as su­as ne­ces­si­da­des bá­si­cas, po­de afec­tar os ní­veis mo­ti­va­ci­o­nais do gru­po, o que é mau quan­do fal­tam pou­cos di­as da com­pe­ti­ção.

As­sim, ape­te­ce per­gun­tar que me­ta com­pe­ti­ti­va foi de­fi­ni­da pa­ra es­ta oi­ta­va pre­sen­ça de An­go­la, na fi­na-flor do fu­te­bol afri­ca­no. Por que quem es­ta­be­le­ce me­tas, in­ves­te na equi­pa, a co­me­çar na pre­pa­ra­ção, pa­ra de­pois achar-se no di­rei­to de co­brar re­sul­ta­dos.Com es­tes cons­tran­gi­men­tos, que par­ti­ci­pa­ção se po­de es­pe­rar da equi­pa? Ao me­nos, é de­se­jo co­mum que ela não vol­te a cair, ver­ga­da na fa­se de gru­pos, co­mo tem si­do. É ho­ra, pois, de mos­trar ní­veis de cres­ci­men­to.

Mas por es­te an­dar não che­ga­mos lá. A com­po­nen­te fi­nan­cei­ra é o prin­ci­pal obs­tá­cu­lo de to­do o exer­cí­cio des­por­ti­vo, nos úl­ti­mos tem­pos, quer fa­le­mos de se­lec­ções, quer fa­le­mos de clu­bes. Por es­ta or­dem, é nor­mal que a FAF es­te­ja com al­gu­mas di­fi­cul­da­des de te­sou­ra­ria. Con­tu­do, de­ve-se sem­pre con­ju­gar al­gum es­for­ço, no sen­ti­do de con­se­guir-se o mí­ni­mo, que sir­va pa­ra se­re­nar os âni­mos de quem im­buí­do do es­pí­ri­to pa­trió­ti­ca faz al­gum es­for­ço pa­ra ser­vir o país.

É cer­to, que no côm­pu­to das su­as par­ti­ci­pa­ções, nem sem­pre cor­res­pon­deu à ex­pec­ta­ti­va, bas­ta olhar pa­ra o que re­pre­sen­ta o his­tó­ri­co dos seus re­sul­ta­dos. Ain­da as­sim, em oca­sião al­gu­ma foi ví­ti­ma de des­pre­zo, ou en­tre­gue à sua pró­pria sor­te

Não foi bom, es­tan­do o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção, tam­bém ele, em Por­tu­gal, não se pre­o­cu­par com os pro­ble­mas que a equi­pa en­fren­ta, tão pou­co apro­xi­mar-se dos atle­tas pa­ra trans­mi­tir­lhes al­gu­ma mo­ti­va­ção. Se é ver­da­de, o que se diz, o Se­lec­ci­o­na­dor Na­ci­o­nal, Srs­jan Va­sil­je­vic, saiu ao en­con­tro de Artur de Al­mei­da pa­ra co­mu­ni­car-lhe o cli­ma me­nos bom que se vi­via no seio do gru­po, es­ta­re­mos pe­ran­te uma si­tu­a­ção que pre­o­cu­pa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.