Mal­di­ta “ma­ka” com os di­nhei­ros

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - CAR­LOS CALONGO

Nu­ma al­tu­ra em que se re­co­men­da to­da a con­cen­tra­ção pos­sí­vel dos jo­ga­do­res, no sen­ti­do de cor­po­ri­za­rem as ori­en­ta­ções da equi­pa técnica, com vis­ta a uma pres­ta­ção po­si­ti­va no Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções (CAN), que den­tro de di­as se­rá jo­ga­do no Egip­to, de 21 de Ju­nho a 19 de Ju­lho, eis que nos che­gam no­tí­ci­as pou­co abo­na­tó­ri­as, que po­dem in­qui­nar os re­sul­ta­dos pers­pec­ti­va­dos.

Co­mo que um re­gres­so aos ve­lhos tem­pos de má me­mó­ria - re­cor­da­mos o CAN de 1996, que mar­cou a es­treia de An­go­la nes­tas an­dan­ças da mais al­ta com­pe­ti­ção fu­te­bo­lís­ti­ca do con­ti­nen­te - eis que a mal­di­ta “ma­ka” com os di­nhei­ros, vol­ta a fa­zer mos­sa nu­ma se­lec­ção na­ci­o­nal.

Nes­te par­ti­cu­lar, os con­vo­ca­dos de Srd­jan Va­sil­je­vic fo­ram for­ça­dos a adop­tar uma me­di­da de úl­ti­mo rá­cio, ou se­ja, re­cu­sa

rem-se a trei­nar, ati­tu­de que, in­de­pen­den­te­men­te das ex­pli­ca­ções e in­ter­pre­ta­ções, ma­cu­la a pro­gra­ma­ção da equi­pa técnica, que te­rá de pu­xar da car­to­la um trun­fo, a fim de col­ma­tar os es­tra­gos que a si­tu­a­ção po­de ter pro­vo­ca­do. Ao que se sa­be, tu­do de­ri­va da co­bran­ça jus­ta, por par­te dos jo­ga­do­res, de USD 1500, que de­vem re­ce­ber por uma se­ma­na de trei­na­men­to, is­so no pe­río­do de es­tá­gio que re­a­li­zam em Por­tu­gal e, mais ver­da­de que es­ta, é ates­ta­da pe­lo do­cu­men­to que ti­ve­mos aces­so e cir­cu­la nas re­des so­ci­ais, com a in­síg­nia da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF), sem que se nos obri­gam a ta­re­fa de ates­tar a sua (in)ver­da­de.

Con­tra to­das as ra­zões que ve­nham a ser evo­ca­das, em re­la­ção ao não cum­pri­men­to do es­ta­be­le­ci­do, atri­buí­mos no­ta ne­ga­ti­va à di­rec­ção do ór­gão rei­tor da mo­da­li­da­de que, mais uma vez, ig­no­rou o va­lor da co­mu­ni­ca­ção, en­quan­to fer­ra­men­ta es­tra­té­gi­ca na ges­tão mo­der­na, o que nos la­va a re­pe­tir que: “Quem não se co­mu­ni­ca, se com­pli­ca”.

A de­ci­são dos jo­ga­do­res não trei­na­rem na úl­ti­ma se­gun­da­fei­ra, se é que po­de ser con­si­de­ra­da ex­tre­mis­ta, de­ve ser en­ten­di­da co­mo res­pos­ta à fu­ga ao diá­lo­go adop­ta­da pe­la di­rec­ção da fe­de­ra­ção, que nem se quer con­si­de­rou o pa­pel de in­ter­me­diá­rio exer­ci­do pe­lo se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal.

E por fa­lar do se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal, abre-se um me­re­ci­do pa­rên­te­sis, pa­ra si­na­li­zar o sé­rio com­pro­me­ti­men­to do ho­mem com a cau­sa que o li­ga à FAF e os Pa­lan­cas Ne­gras, ei­va­do de um apu­ra­do sen­ti­do pa­trió­ti­co que su­pe­ra, em cer­ta me­di­da, o com­por­ta­men­to de al­guns ges­to­res do des­por­to an­go­la­no, mais ta­lha­dos pa­ra o “Eu”. É, pois, por es­te sen­ti­men­to pa­trió­ti­co, que nos obri­ga­mos ao mai­or pro­fis­si­o­na­lis­mo, se­ja em que área da so­ci­e­da­de que ca­da um es­te­ja en­vol­vi­do, quan­to mais não se­ja no mun­do des­por­ti­vo, en­quan­to ac­ti­vi­da­de trans­ver­sal às de­mais re­a­li­za­ções so­ci­ais e hu­ma­nas.

Em fun­ção de to­da es­ta bal­búr­dia, em vol­ta da par­ti­ci­pa­ção dos Pa­lan­cas Ne­gras no Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções (CAN) que se avi­zi­nha, a con­si­de­rar mai­or o de­se­jo co­lec­ti­vo dos an­go­la­nos em se­rem brin­da­dos com uma par­ti­ci­pa­ção a to­dos os ní­veis po­si­ti­va, de­fen­de­mos a con­ju­ga­ção de for­ças, pa­ra que o me­lhor acon­te­ça.

Ou se­ja, de­vem ser es­go­ta­das as pos­si­bi­li­da­des de diá­lo­go com to­dos os in­ter­ve­ni­en­tes, pois ca­da um tem al­gum va­lor pa­ra acres­cen­tar e, por mais ín­fi­mo que pa­re­ça, con­cor­re pa­ra que o re­sul­ta­do fi­nal se­ja o que se al­me­ja. Nes­ta ho­ra, à es­cas­sos di­as do pon­ta­pé de saí­da de mais uma edi­ção do CAN, a vai­da­de ou cas­mur­ri­ce de quem quer que se­ja, não de­vem en­con­trar aco­lhi­men­to no seio do gru­po que pre­pa­ra o cer­ta­me, pois na­da irão agre­gar, pe­lo que, po­dem e de­vem ser dis­pen­sa­dos.

À Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, em par­ti­cu­lar ao seu pre­si­den­te de di­rec­ção, com re­ser­va à in­ti­mi­da­de que não par­ti­lha­mos de ne­nhum fó­rum, su­ge­ri­mos que pro­cu­re ser mais prag­má­ti­co e per­ce­ber que o fu­te­bol de al­ta com­pe­ti­ção é bo­ni­to, quan­do se faz mais e se fa­la me­nos, ex­pres­são que se en­cai­xa bem na for­ma mo­der­na de ge­rir, se­ja o que for. De res­to, e por ser co­nhe­ci­da a ca­pa­ci­da­de de re­si­li­ên­cia dos an­go­la­nos, es­ta­mos em crer que me­lho­res di­as vi­rão e que os com­pa­tri­o­tas, Tony Ca­ba­ça, Isa­ac, Mas­sun­gu­na, Pai­zo, Djal­ma, Ma­teus Ga­li­a­no, Gel­son Da­la & CIA, no mo­men­to que es­ti­ve­rem em cam­po, dei­xa­rão de fo­ra to­das as di­a­tri­bes à que es­tão ex­pos­tos e, em no­me da Pá­tria mãe an­go­la­na, irão re­a­li­zar um bom CAN, e o res­to se­rá dis­cu­ti­do em tem­po e fó­rum ade­qua­dos.

Pa­lan­cas Ne­gras es­tre­a­ram-se na edi­ção do CAN de 1996 dis­pu­ta­da na Áfri­ca do Sul

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.