De­sin­cen­ti­var o des­por­to de al­ta com­pe­ti­ção (II)

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AU­GUS­TO FER­NAN­DES

Ase­ma­na pas­sa­da ter­mi­nei o tex­to, di­zen­do que quan­do não há sin­to­nia en­tre o Exe­cu­ti­vo, ou se­ja, en­tre as ins­ti­tui­ções que fa­zem par­te do Exe­cu­ti­vo e o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, po­de fa­zer com que al­gu­mas pes­so­as per­cam a con­fi­an­ça em tais ins­ti­tui­ções e is­to não é bom. Na­tu­ral­men­te, o Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos (Minjud), não po­de fa­zer mi­la­gres, pa­ra re­sol­ver a si­tu­a­ção da cri­se fi­nan­cei­ra.

No en­tan­to, o ór­gão rei­tor do nos­so des­por­to, não dei­xa de ter al­gu­ma cul­pa na si­tu­a­ção, pois, no ca­so dos Pa­lan­cas Ne­gras, per­mi­tiu que a Se­lec­ção Na­ci­o­nal che­gas­se on­de che­gou e ago­ra não tem co­mo re­cu­ar, pois tra­ta-se de uma mis­são de es­ta­do. O mes­mo tam­bém se po­de di­zer, do fac­to de An­go­la não ter par­ti­ci­pa­do na Ta­ça COSAFA e em ou­tros com­pro­mis­sos im­por­tan­tes a ní­vel de ou­tras Se­lec­ções Na­ci­o­nais, quan­do já sa­bía­mos que não te­ría­mos con­di­ções fi­nan­cei­ras pa­ra o fa­zer.

En­tre­tan­to, te­mos de re­co­nhe­cer que o Minjud po­de cair em al­gu­mas ar­ma­di­lhas fei­tas

por di­ri­gen­tes de al­gu­mas fe­de­ra­ções, que, na ân­sia de que­re­rem sa­tis­fa­zer os seus de­se­jos, po­dem re­cor­rer a em­prés­ti­mos de va­lo­res ou até mes­mo usa­rem do seu di­nhei­ro, pa­ra che­ga­rem as fa­ses fi­nais de com­pe­ti­ções afri­ca­nas e não só.

De­pois de che­ga­rem a fa­se fi­nal de de­ter­mi­na­da com­pe­ti­ção in­ter­na­ci­o­nal, o Es­ta­do au­to­ma­ti­ca­men­te en­tra nas obri­ga­ções da Se­lec­ção. Por is­so, o Minjud de­ve fi­car aten­to, pa­ra não cair nes­te ti­po de ar­ma­di­lhas. Nes­tes ca­sos a ideia de­les é: “ago­ra que já es­ta­mos qua­li­fi­ca­dos, o go­ver­no já não tem co­mo re­cu­ar. Além dis­so, em­bo­ra não te­nha­mos o di­nhei­ro em mãos, as nos­sas “ga­li­nhas” (as ri­que­zas de An­go­la) ain­da têm mui­to “ovo” pa­ra lan­çar e, por is­so, nin­guém tem re­ceio de abrir um cré­di­to ao nos­so país, pois se as­sim não fos­se não es­ta­ría­mos a in­cen­ti­var o in­ves­ti­men­to es­tran­gei­ro pa­ra An­go­la”. Por is­so, o Exe­cu­ti­vo ou o Es­ta­do não de­vem per­mi­tir que as fe­de­ra­ções ar­ran­jem pa­tro­cí­ni­os sem o seu con­sen­ti­men­to e, no mí­ni­mo, se apro­var tais pa­tro­cí­ni­os tem de ha­ver ga­ran­ti­as que tal pa­tro­ci­na­dor vá até ao fim do pro­jec­to.

Pa­ra evi­tar si­tu­a­ções do gé­ne­ro que a Se­lec­ção Na­ci­o­nal de fu­te­bol vi­veu no dia 10 do cor­ren­te, por não ter re­ce­bi­do a sua diá­ria no es­tá­gio que es­tá a efec­tu­ar em Por­tu­gal, o Minjud de­ve con­tro­lar ri­go­ro­sa­men­te os pro­gra­mas das Se­lec­ções Na­ci­o­nais em fun­ção das ver­bas a si atri­buí­das anu­al­men­te. Ou­tra for­ma de evi­tar si­tu­a­ções em­ba­ra­ço­sas, co­mo as que te­mos vi­ven­ci­a­do nos úl­ti­mos tem­pos, é de­fi­nir pri­o­ri­da­des. Sim, é im­por­tan­te que as coi­sas es­te­jam bem de­fi­ni­das. Te­mos de sa­ber que se­lec­ções ou mo­da­li­da­des te­rão pri­o­ri­da­de pa­ra com­pe­ti­rem a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal.

Se, por cau­sa das di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, o Minjud achar que os Pa­lan­cas Ne­gras ou a Se­lec­ção “A” de bas­que­te­bol não de­vam par­ti­ci­par de uma fa­se de apu­ra­men­to, pa­ra uma fa­se fi­nal de uma com­pe­ti­ção in­ter­na­ci­o­nal e, por is­so, o país se­ja re­pre­sen­ta­do por se­lec­ções jo­vens, de for­mas a dar al­gum rit­mo com­pe­ti­ti­vo aos jo­ga­do­res, que as­sim se­ja. Tam­bém é im­por­tan­te que o Minjud, in­cen­ti­ve as fe­de­ra­ções, a se­rem mais cri­a­ti­vas e pro­cu­ra­rem for­mas de atrair po­ten­ci­ais pa­tro­ci­na­do­res ou só­ci­os, pa­ra aju­dar nas des­pe­sas de sua “ca­sa”. A jul­gar pe­lo nú­me­ro de adep­tos que tem a ní­vel do país, a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF) de­ve­ria ser a pri­mei­ra a es­tu­dar for­mas de con­se­guir só­ci­os, pa­ra fi­nan­ci­ar a sua ac­ti­vi­da­de.

Em mi­nha mo­des­ta opi­nião, creio que a FAF se­ria bem su­ce­di­da, ca­so op­te por fa­zer uma cam­pa­nha de an­ga­ri­a­ção de só­ci­os. Se não ha­ver ne­nhum fac­tor im­pe­di­ti­vo, em fun­ção dos re­gu­la­men­tos, creio que es­ta se­ria uma das so­lu­ções pa­ra ali­vi­ar os efei­tos da cri­se fi­nan­cei­ra so­bre o des­por­to. Te­mos co­mo exem­plo o 1º de Agos­to, que é um clu­be e, na­tu­ral­men­te, não tem mais adep­tos que a Se­lec­ção Na­ci­o­nal.

Nos úl­ti­mos anos fez uma po­lí­ti­ca mui­to for­te, pa­ra an­ga­ri­a­ção de só­ci­os vo­lun­tá­ri­os (que não são mi­li­ta­res as­sa­la­ri­a­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da De­fe­sa) e ho­je po­de­mos di­zer que, den­tro de mais al­guns anos, se as coi­sas não in­ver­te­rem, os mi­li­ta­res po­de­rão vi­ver ape­nas dos só­ci­os vo­lun­tá­ri­os.

Por­tan­to, o mais im­por­tan­te é que o es­ta­do não de­ve pas­sar a ima­gem de que se de­sin­cen­ti­ve o des­por­to de al­ta com­pe­ti­ção, por cau­sa da cri­se fi­nan­cei­ra que o pais vi­ve. An­tes, o ór­gão que co­or­de­na o des­por­to na­ci­o­nal de­ve de­fi­nir com cla­re­za as pri­o­ri­da­des, em fun­ção dos or­ça­men­tos de ca­da fe­de­ra­ção e dos in­te­res­ses do país.

Te­mos de ter em con­ta, a gran­de­za que o nos­so país atin­giu a ní­vel do con­ti­nen­te Afri­ca­no e não só des­por­ti­va­men­te fa­lan­do. Não nos es­que­ça­mos que o nos­so des­por­to tem es­ta­do a cres­cer sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te nos úl­ti­mos anos.

Além dis­so, te­mos con­quis­tas que de­vem ser de­fen­di­das co­mo, por exem­plo, o fac­to de em Áfri­ca e no Mun­do, ser­mos uma gran­de re­fe­rên­cia no bas­que­te­bol, andebol fe­mi­ni­no, hó­quei em pa­tins, atle­tis­mo pa­ra­o­lím­pi­co e ou­tras mo­da­li­da­des não me­nos im­por­tan­tes co­mo o fu­te­bol pa­ra am­pu­ta­dos, do qu­al so­mos cam­peões do mun­do.

Sim, a cri­se fi­nan­cei­ra não po­de con­ti­nu­ar a ser vis­ta co­mo sen­do uma au­to­ri­da­de, pe­la qu­al nos de­ve­mos ver­gar cons­tan­te­men­te, im­pe­din­do-nos de atin­gir ob­jec­ti­vos su­pre­mos. Ela po­de até atra­sar al­guns pro­ces­sos, mais não de­ve­mos nos sub­me­ter a ela co­mo pre­sa fá­cil. Mui­to pe­lo con­trá­rio.

A his­tó­ria do nos­so país nos en­si­na, que so­mos mui­to bons em li­dar com cri­ses. Fa­ça­mos das nos­sas fra­que­zas, for­ças por ser­mos cri­a­ti­vos.

Te­mos de ter em con­ta, a gran­de­za que o nos­so país atin­giu a ní­vel do con­ti­nen­te Afri­ca­no e não só des­por­ti­va­men­te fa­lan­do. Não nos es­que­ça­mos que o nos­so des­por­to tem es­ta­do a cres­cer sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te nos úl­ti­mos anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.