O pão e o fu­te­bol

Jornal dos Desportos - - REFLEXÕES -

Em ca­sa on­de fal­tar o pão, to­dos vão ra­lhar, mas nin­guém vai ter ra­zão. As re­cen­tes águas agi­ta­das no pa­no­ra­ma des­por­ti­vo mui­to por con­ta do te­ma fu­te­bol e sub-te­ma se­lec­ção na­ci­o­nal tor­nou-se elu­ci­da­ti­vo de quais­quer dú­vi­das que res­tas­sem so­bre a ge­o­po­lí­ti­ca do fu­te­bol na so­ci­e­da­de e eco­no­mia na­ci­o­nal.

Tan­to ou mais im­por­tan­te em ter­mos de im­pac­to na­ci­o­nal e de va­lo­ra­ção da ar­te­fac­to Na­ção, que o car­na­val, a fes­ta do CAN e si­mi­lar­men­te da Co­pa do Mun­do FIFA, são re­al­men­te mar­cos des­por­ti­vos da mai­or mar­ca des­por­ti­va em já qual­quer país do Pla­ne­ta. E daí, a im­por­tân­cia par­ti­cu­lar que tem nos con­tex­tos so­ci­o­ló­gi­co e cul­tu­ral, em­pre­ga­dor e eco­nó­mi­co, mer­can­ti­lis­ta e in­dus­tri­al. Coi­sas que ain­da nem li­ga­mos...

E eu acre­di­to que nun­ca an­tes, nem ou­tro even­to em que par­ti­ci­pás­se­mos, fi­cas­se o país tão em­pol­ga­do e as ar­mas nas trin­chei­ras em po­si­ção de se­gu­ran­ça, com a nos­sa se­lec­ção so­bre o rel­va­do dum pal­co mun­di­al. De fac­to, ac­tu­al­men­te os pal­cos do CAN tor­nam-se pal­cos do mun­do, com mais de mil mi­lhões de te­les­pec­ta­do­res.

Tal­vez a ex­cep­ção ou ter­cei­ro mo­men­to mais me­di­a­ti­za­do e con­ser­va­do em ou­ro, pa­ra nós, an­go­la­nos, se ha­ja tor­na­do a nos­sa mai­or olim­pía­da de sem­pre, em 1992, em Bar­ce­lo­na, quan­do o bas­que­te­bol mas­cu­li­no de An­go­la der­ro­tou a Es­pa­nha e ri­pos­tou sem com­ple­xos o “Dre­am Te­am” ori­gi­nal. De res­to, não hou­ve e nem ha­ve­rá mai­o­res au­di­ên­ci­as des­por­ti­vas no país.

O Exe­cu­ti­vo te­ve a opor­tu­ni­da­de de cor­ri­gir a di­nâ­mi­ca im­pri­mi­da ao as­sun­to, que, co­mo se sa­be, é ge­ri­do na se­de do mi­nis­té­rio da tu­te­la, o MINJUD. Até gos­ta­ria de co­me­çar pe­la pos­tu­ra nem sem­pre mui­to cor­da­ta e hu­mil­de de boa par­te da no­men­cla­tu­ra an­go­la­na que se ofe­re­ceu ao exer­cí­cio de car­gos pú­bli­cos, mas que ra­pi­da­men­te ad­qui­re um sem­blan­te e ma­nei­ras de im­por­tân­cia que sub­ju­ga li­te­ral­men­te a opi­nião pu­bli­ca, em vez de lhe pro­cu­rar cor­res­pon­der e ser­vir.

Na ru­bri­ca or­ça­men­tal CAN do Egip­to, on­de cons­tam 65 mi­lhões de Kwan­zas, aqui­lo não po­de ser um nú­me­ro emer­gi­do da fe­de­ra­ção, mas do cál­cu­lo men­tal

que er­ra por de­ma­si­a­do ex­ces­so de op­ti­mis­mo e tam­bém er­ra por ex­ces­si­va di­fe­ren­ça; face aos 650 mi­lhões pe­di­dos re­al­men­te pe­la Fe­de­ra­ção pa­ra o CAN, aque­les pri­mei­ros 65 mi­lhões ape­nas re­pre­sen­tam uma brin­ca­dei­ra de mau gos­to e um enor­me dé­fi­ce or­ça­men­tal...

As coi­sas já co­me­ça­ram mal, a par­tir da­que­le pri­mei­ro mo­men­to, e não é bom de­cal­car or­ça­men­tos de anos an­te­ri­o­res e su­pos­ta­men­te sem a de­vi­da cor­rec­ção cam­bi­al. De res­to, aque­les mes­mos 65 mi­lhões mal che­ga­ri­am pa­ra uma cam­pa­nha anu­al ape­nas de (3 a 4) jo­gos de qua­li­fi­ca­ção.

Não é su­pos­to ha­ver no MINJUD es­te ti­po de préa­va­li­a­ção na ela­bo­ra­ção or­ça­men­tal, nem um Pla­no Es­tra­té­gi­co que li­mi­te a par­ti­ci­pa­ção in­ter­na­ci­o­nal à ex­ce­lên­cia

in­ter­na­men­te vis­ta, que é o fun­da­men­to que de­via ha­ver pa­ra as des­pe­sas com as re­pre­sen­ta­ções des­por­ti­vas na­ci­o­nais. Mes­mo le­van­do em con­ta que im­por­ta vi­a­jar pa­ra ir ad­qui­rin­do ex­pe­ri­ên­cia, são necessário­s cri­té­ri­os em tem­pos de res­tri­ções, pe­lo que as pri­o­ri­da­des de­vem es­tar es­ta­be­le­ci­das. As pri­o­ri­da­des exis­tem tan­to en­tre sec­to­res, por exem­plo a Saú­de e a Cul­tu­ra, co­mo exis­ti­rão en­tre as mis­sões des­por­ti­vas, por exem­plo os “Pa­lan­cas Ne­gras” e as “Pé­ro­las”.

É um fac­to que se faz tu­do pa­ra afir­mar a igual­da­de dos gé­ne­ros, mas exis­tem com­pa­ra­ções im­pos­sí­veis. Aqui es­ta­mos a fa­lar de al­go ca­paz de pa­rar a Na­ção in­tei­ra, mes­mo na diás­po­ra. Es­ta­mos, por­tan­to, a fa­lar de uma ques­tão na­ci­o­nal, na­tu­ral­men­te mai­or que a do andebol ou bas­que­te­bol ou hó­quei em pa­tins de An­go­la. São as tais com­pa­ra­ções im­pos­sí­veis.

De res­to, a fal­ta de sen­si­bi­li­da­de pa­ra a ques­tão ema­na já do pró­prio quo­ti­di­a­no do fe­nó­me­no des­por­to em An­go­la, com su­as vir­tu­de e ví­ci­os, os úl­ti­mos dos quais se tor­na­ram já tão pro­ces­su­ais, que epi­só­di­os de con­tras­te não há de fal­tar.

De re­pa­rar, an­tes de mais, que um ca­so tão an­ti­go co­mo a pre­pa­ra­ção da des­lo­ca­ção da se­lec­ção, ob­te­ve ape­nas a me­ta­de do va­lor so­li­ci­ta­do, que são 320 mi­lhões de Kwan­zas; e de­po­si­ta­dos nu­ma sex­ta-fei­ra à tar­de (!), o que equi­va­le a dei­xar es­tar as­sim, pa­ra se ten­tar ope­ra­ci­o­na­li­zar na se­gun­da-fei­ra a se­guir, dia 9.

Os ti­mings com que se tra­ba­lha são ar­re­li­a­do­res e ar­re­pi­an­tes por­que os pro­ces­sos ei­vam de si­nais de go­ver­nan­ça pou­co sau­dá­vel, mas ro­ti­nei­ra e que já se pro­ces­sa com nor­ma­li­da­de. Des­te mo­do, nem to­do o va­lor so­li­ci­ta­do é che­ga­do ao des­ti­na­tá­rio, pois al­guém no mi­nis­té­rio tem a ca­pa­ci­da­de es­tra­nha­men­te não ques­ti­o­na­da, de nun­ca dar o to­tal re­ce­bi­do pa­ra o efei­to. A ale­ga­ção apa­re­ce co­mo sen­do a ne­ces­si­da­de que há de o mi­nis­té­rio pa­gar tam­bém ou­tras des­pe­sas...

Os ti­mings e os cor­tes são, em conclusão, as mai­o­res pe­dras no sa­pa­to das mis­sões des­por­ti­vas de An­go­la, e par­ti­cu­lar­men­te da­que­las que têm com­pro­mis­sos que não se com­pa­gi­nam com o nos­so dei­xa an­dar. Ade­mais, mes­mo em paí­ses afri­ca­nos mais es­tá­veis, tal­vez mais de­mo­crá­ti­cos tam­bém, hou­ve mi­nis­tros que caí­ram da ca­dei­ra por me­nos atre­vi­men­to com lai­vos de ul­tra­je na­ci­o­nal.

An­go­la, can­sa­da de guer­ra, a sa­rar das fe­ri­das, e das caí­das tam­bém, de­via pas­sar um mês de fu­te­bol me­re­ci­do, já que o nos­so país lo­grou pas­sar do so­frí­vel e che­gar a uma opor­tu­ni­da­de de se con­fron­tar com os de­mais a um ní­vel que mo­ve, sem dú­vi­da, o pa­tri­o­tis­mo na­ci­o­nal em lar­ga es­ca­la. E quan­do não se olha pa­ra is­to com a mes­ma ex­pec­ta­ti­va que a opi­nião pú­bli­ca na­ci­o­nal, fi­ca-se a um pas­so de er­rar po­li­ti­ca­men­te de for­ma cras­sa.

A po­lí­ti­ca não de­ve des­ca­rac­te­ri­zar o des­por­to, tal co­mo des­ca­rac­te­ri­zou o car­na­val, vir­tu­al­men­te uma fes­ta pa­ra a sa­ti­ri­za­ção; a po­lí­ti­ca de­ve ser pre­su­mi­da­men­te a ac­ção acer­ta­da e se­gui­da qua­se ce­ga­men­te pe­la po­pu­la­ção. Qual­quer coi­sa lon­ge dis­to se­rá ain­da po­lí­ti­ca, mas pou­co fa­da­da a sim­pa­tia, nem a um efei­to du­ra­dou­ro e sus­ten­tá­vel. E eis por­que se po­de tor­nar tam­bém so­ci­al­men­te pe­ri­go­so brin­car aos fu­te­bóis...

Os “Pa­lan­cas Ne­gras” são, por as­sim di­zer, o nos­so em­bai­xa­dor de boa-von­ta­de, que es­pa­lha pe­los la­res a fe­bre na­ci­o­nal do fu­te­bol com as co­res na­ci­o­nais e fun­ci­o­na co­mo um ba­ró­me­tro, ou ter­mó­me­tro, con­so­an­te o que se pre­ten­der me­dir na so­ci­e­da­de. É um fac­to que a im­por­tân­cia do fu­te­bol vai mui­to pa­ra além da po­lí­ti­ca, pois além da in­dús­tria do es­pec­tá­cu­lo, o des­por­to e o fu­te­bol em par­ti­cu­lar, po­dem cri­ar em­pre­go, se­gu­ran­ça so­ci­al, in­te­gra­ção nas co­mu­ni­da­des, daí ge­ran­do sus­ten­ta­bi­li­da­de e um fu­tu­ro mais sor­ri­den­te.

As­sim e ar­re­ma­tan­do a con­ver­sa, sem os ter­mos sus­ten­ta­bi­li­da­de e go­ver­nan­ça mais pre­sen­tes no vo­ca­bu­lá­rio e agen­da de quem go­ver­na, se­rá ain­da crí­ti­co ge­rir An­go­la e pro­du­zir re­sul­ta­dos que va­lham e du­rem.

É pre­ci­so sair­mos do achar­se nor­mal ao pa­ra­do­xal. Se An­go­la é ri­ca em ri­os mas a água não che­ga a to­dos; se An­go­la tem apro­vei­ta­men­tos hi­dro-eléc­tri­cos mas de­sen­vol­veu mais a cul­tu­ra das tur­bi­nas e ge­ra­do­res; e se An­go­la ain­da tem de­zoi­to ci­da­des mas a mai­o­ria vai aca­bar por vol­tar a ser vi­las, é ló­gi­co que a ra­zo­a­bi­li­da­de in­ter­ro­gue sem­pre es­tes ab­sur­dos que vi­ve­mos quo­ti­di­a­na­men­te.

Pa­ra o des­por­to, e de to­dos ab­sur­dos quan­to ve­mos, ne­nhum foi mai­or, ain­da, que o des­mo­ro­nar das va­lên­ci­as da­que­le ins­ti­tu­to, INEF, que cos­tu­ma­va for­mar a ci­ên­cia des­por­ti­va na­ci­o­nal e que tan­tos trei­na­do­res e se­le­ci­o­na­do­res deu a An­go­la, ho­je de­sem­pre­ga­dos na mai­o­ria e tro­ca­dos por trei­na­do­res de ges­ta rá­pi­da en­tre nós, tam­bém eles tro­ca­dos por vi­tó­ri­as a um rit­mo as­sus­ta­dor, to­da­via lan­çan­do no des­cré­di­to e de­sem­pre­go uma clas­se técnica na­ci­o­nal de­pre­ci­a­da, aban­do­na­da, qua­se ina­ni­ma­da e não tar­da, ex­ten­sa­men­te ve­ge­ta­li­za­da.

CONTREIRAS PIPA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

ARLINDO MA­CE­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.