Jornal dos Desportos : 2019-06-13

CAN’2019 : 5 : 5

CAN’2019

CAN’2019 Quinta-feira, 13 de Junho de 2019 GRUPO F GHANA • À conquista do quinto título que escapa há quase 40 anos Os “Black Stars” levantaram o troféu pela última vez em 1982 na Líbia MATIAS ADRIANO Depois de uma década de jejum, viria a organizar a prova em 1978, chegando ao tri-campeonato, numa clara demonstraç­ão da força do seu futebol. No CAN'82 conquistou o tetra, que ostenta até hoje, quase volvidos 40 anos. Ainda assim, não se pode dizer que o seu futebol tenha regredido, porque continua a ser a selecção africana mais temível, bastando olhar para o gráfico de resultados que consegue, quer em campeonato­s do mundo, quer em campeonato­s africanos. A sua prestação jamais passou despercebi­da. De resto, todos vimos esta selecção a disputar uma renhida final com o Egipto no Estádio 11 de Novembro, quando em 2010 o nosso país chamou a si a organizaçã­o do torneio, feito que tratou de repetir na Guiné Equatorial, em 2015, em que viria a perder com a Costa do Marfim, por 9-8 (aos penáltis). O Ghana é, sem dúvida, um senhor do futebol africano, que vai desembarca­r no Egipto com o único objectivo de fazer frente aos demais concorrent­es e tentar quebrar um jejum que perdura desde 1982, o que acaba por ser inconcebív­el, se olharmos pela qualidade de jogadores, de diferentes gerações, que serviram a equipa nas últimas décadas. Pode ser que seja desta vez. conquistou o seu quarto título, numa época em que todas as outras somavam apenas um. A sua primeira consagraçã­o remonta do ano de 1963, em casa, e voltou a bisar a façanha na edição seguinte na Tunísia. A selecção do Ghana é, claramente, das mais consagrada­s do futebol africano, e que se vai apresentar no Egipto na condição de forte candidata ao título, como de resto sempre o fez. Com a Costa do Marfim vai, certamente, travar uma batalha de gigantes, pela primeira vaga do Grupo F. “ No CAN'82 conquistou o tetra, que ostenta até hoje, quase volvidos 40 anos. Ainda assim, não se pode dizer que o seu futebol tenha regredido, porque continua a ser a selecção africana mais temível, bastando olhar para o gráfico de resultados que consegue. Os "Black Star" têm na prova africana uma história que não pode ser resumida, mas escrita em largas parangonas. Para que se saiba, foram os primeiros "papões" ou dominadore­s do torneio. Quando, em 1982, a prova se disputou na Líbia, o Ghana BENIN

© PressReader. All rights reserved.