UM PAS­SO PA­RA OS GRU­POS

Se­lec­ção an­go­la­na ten­ta con­fir­mar em ca­sa apu­ra­men­to pa­ra mun­di­al do Qa­tar

Jornal dos Desportos - - PORTADA - BETUMELEAN­O FERRÃO

O com­bi­na­do an­go­la­no de fu­te­bol de honras tem uma van­ta­gem ma­gra e mui­to aper­ta­da so­bre a si­mi­lar gam­bi­a­na, mas é com os benefícios des­ta que es­tá di­an­te de uma por­ta lar­ga de oca­sião pa­ra en­trar na fa­se de gru­pos da cor­ri­da ao Campeonato do Mun­do que acon­te­ce den­tro de três anos. Por is­so, ama­nhã os Es­cor­piões são um al­vo a aba­ter pe­los Pa­lan­cas.

Éver­da­de que a van­ta­gem é ma­gra e tam­bém mui­to aper­ta­da, po­rém, é com os benefícios de­la que os Pa­lan­cas Ne­gras es­tão di­an­te de uma por­ta lar­ga de opor­tu­ni­da­des, pa­ra en­trar na fa­se de gru­pos da cor­ri­da ao mun­di­al Qa­tar 2022. O com­bi­na­do an­go­la­no es­tá com um pé na qua­li­fi­ca­ção, por is­so, não pre­ci­sa de for­çar na­da, em­bo­ra es­te­ja com a fa­ca e o quei­jo na mão, a pres­são es­tá do la­do gam­bi­a­no pe­lo que a Se­lec­ção Na­ci­o­nal tem de ti­rar pro­vei­to da si­tu­a­ção, pa­ra evi­tar ser pi­ca­da ama­nhã, às 16h00, no Es­tá­dio 11 de No­vem­bro, em Luanda, no de­sa­fio a con­tar pa­ra a se­gun­da-mão.

O em­ba­te da pri­mei­ra-mão per­mi­tiu aos Pa­lan­cas Ne­gras fe­rir de mor­te os Es­cor­piões, ago­ra, che­gou a ho­ra do gol­pe fa­tal pa­ra se­lar o apu­ra­men­to. Os an­go­la­nos aos pou­cos co­me­çam a vol­tar ao do­ce pas­sa­do, nos jo­gos ca­sei­ros, ain­da bem que a men­sa­gem é cla­ra e es­tá a ser en­ten­di­da até pe­los adversário­s, is­so, é ca­paz de ser de­ter­mi­nan­te pa­ra fa­zer com que os gam­bi­a­nos se­jam sem­pre obri­ga­dos a pro­te­ger bem as cos­tas, já que qual­quer go­lo so­fri­do au­men­ta as con­tas que vão ter de marcar pa­ra anu­lar a van­ta­gem da equipa na­ci­o­nal.

A de­pen­der de coi­sas bo­as guar­da­das no te­sou­ro, o com­bi­na­do an­go­la­no tem de ter cui­da­do pa­ra es­ta­be­le­cer bem o pon­to de equi­lí­brio, até po­de dor­mir no campo se o adversário fi­zer o mes­mo. A ma­gre­za do re­sul­ta­do de­ve ser­vir de si­nal de aler­ta aos Pa­lan­cas Ne­gras, é ne­ces­sá­rio ele­var os ní­veis de efi­cá­cia pa­ra im­pe­dir que um lan­ce for­tui­to re­lan­ce a es­pe­ran­ça gam­bi­a­na.

A bo­la es­tá do la­do gam­bi­a­no, quem tem de ar­ris­car tu­do é quem es­tá em des­van­ta­gem na eli­mi­na­tó­ria, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal tem de fa­zer pe­la vi­da pa­ra jo­gar mais ve­zes no último ter­ço dos es­cor­piões, a ges­tão do re­sul­ta­do tem de ser a jo­gar mais ve­zes no re­du­to do adversário. É ver­da­de, que to­dos os ven­tos fa­vo­rá­veis so­pram na di­rec­ção dos Pa­lan­cas Ne­gras, mas é con­di­ção in­dis­pen­sá­vel ti­rar to­do o pro­vei­to pos­sí­vel da si­tu­a­ção, o adversário tem de cor­rer atrás do pre­juí­zo, mas não pre­ci­sa de mui­to pa­ra re­lan­çar a eli­mi­na­tó­ria.

O fu­te­bol gam­bi­a­no ain­da es­tá lon­ge da pri­mei­ra di­vi­são afri­ca­na, mas o du­plo em­pa­te com a Ar­gé­lia, na cor­ri­da ao afri­ca­no, ga­nho pe­los ar­ge­li­nos, é a ce­re­ja no to­po do bo­lo dos es­cor­piões. A vas­ta ex­pe­ri­ên­cia eu­ro­peia de qua­se to­dos os ti­tu­la­res, aos pou­cos es­tá a abrir os olhos dos es­cor­piões, pa­ra ver on­de es­tão as pre­sas. Em to­dos os sec­to­res, a equipa ori­en­ta­da pe­lo Tom Saint­fi­et tem ta­len­tos bem conhecidos dos atle­tas na­ci­o­nais, que jo­gam na Itália, Tur­quia e Por­tu­gal, en­tão, to­dos vão ser pou­cos pa­ra im­pe­dir que a qua­li­da­de in­di­vi­du­al e co­lec­ti­va do adversário, que é mes­mo ele­va­da, apa­re­ça no 11 de No­vem­bro pa­ra re­sol­ver a eli­mi­na­tó­ria.

Os adep­tos na­ci­o­nais ain­da es­tão di­vi­di­dos, qu­an­to ao po­ten­ci­al dos pu­pi­los de Pe­dro Gon­çal­ves, mas é im­por­tan­te que o se­lec­ci­o­na­dor e os atle­tas man­te­nham o fo­co em si mes­mos, por­que foi di­an­te de um pú­bli­co ad­ver­so que a se­lec­ção cons­truiu a boa van­ta­gem na eli­mi­na­tó­ria. Com ou sem pú­bli­co fa­vo­rá­vel, a equipa tem de fun­ci­o­nar, os ver­da­dei­ros cra­ques do fu­te­bol con­se­guem fa­zer coi­sas bo­as pa­ra agra­dar a gre­gos e troi­a­nos, é es­se o tes­te que aguar­da aos Pa­lan­cas Ne­gras, qu­an­to mais con­fi­an­tes fo­rem mais pró­xi­mos da qua­li­fi­ca­ção po­dem es­tar em to­dos os mo­men­tos.

A se­lec­ção an­go­la­na fez bem no ex­tra­mu­ros o tra­ba­lho de ca­sa, ago­ra é im­por­tan­te que a equipa não se as­sus­te com o só­li­do ali­cer­ce que al­can­çou, que a úni­ca pre­o­cu­pa­ção se­ja cons­truir a qua­li­fi­ca­ção, mas sem en­trar em gran­des lou­cu­ras. Há to­dos os mo­ti­vos pa­ra acre­di­tar que os Pa­lan­cas Ne­gras cal­cu­la­ram o ver­da­dei­ro cus­to dos es­cor­piões, as­sim, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal tem de es­tar pre­pa­ra­da pa­ra o que der e vi­er, se fos­se pa­ra pas­se­ar, se­gu­ra­men­te ti­nha re­gres­sa­do à ca­sa com um re­sul­ta­do gor­do.

A bo­la es­tá do la­do gam­bi­a­no, quem tem de ar­ris­car tu­do é quem es­tá em des­van­ta­gem na eli­mi­na­tó­ria

VIGAS DA PURIFICAÇíO

Se­lec­ção de honras de­ci­de ama­nhã à tar­de no 11 de No­vem­bro com a Gâmbia a qua­li­fi­ca­ção à fa­se de gru­pos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.