Os clu­bes e fe­de­ra­ções têm pla­nos de mar­ke­ting?

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - ZONGO FER­NAN­DO DOS SAN­TOS * (*)Men­tor e Ges­tor Executivo do Fó­rum Mar­ke­ting Des­por­ti­vo

Ape­sar da im­poC­la­ro que sim, se tem de­par­ta­men­tos ou di­rec­ções de mar­ke­ting e co­mu­ni­ca­ção cri­a­dos, não po­di­am dei­xar de ter um pla­no de mar­ke­ting!

Se­rá que eles co­me­ça­ri­am a cons­truir a ca­sa co­me­çan­do pe­lo tec­to?

Se um fos­se um lei­tor co­mum, des­te es­pa­ço da­ria uma res­pos­ta "igual­zi­nha", ao que es­tá no pa­rá­gra­fo ini­ci­al do ar­ti­go de ho­je.Mas co­mo sou o Nzon­go Ber­nar­do dos San­tos, um me­ro mor­tal co­mo to­dos os ou­tros, com uma "her­cú­lea e in­gra­ta mis­são" de ver os as­sun­tos clu­bís­ti­ca­men­te, de for­ma de­sa­pai­xo­na­da e dis­tan­ci­a­da, em­bo­ra te­nha o meu clu­be de co­ra­ção, a mi­nha res­pos­ta se­ria to­tal­men­te opos­ta a ques­tão le­van­ta­da co­mo o tí­tu­lo des­te ar­ti­go.

Por­que pa­ra se exer­cer mar­ke­ting de for­ma pro­fis­si­o­nal é in­dis­pen­sá­vel ter um pla­no, pois sem pla­ne­a­men­to o mar­ke­ting po­de ser va­zio ou bru­to, na sua im­ple­men­ta­ção e exe­cu­ção.

O pla­no de mar­ke­ting é um “do­cu­men­to es­tra­té­gi­co” que com­pre­en­de um con­jun­to de ac­ções in­ter­li­ga­dos e pla­ni­fi­ca­dos que obe­de­cem a um cro­no­gra­ma.

Se por um la­do um pla­no de mar­ke­ting de­ve fo­ca­li­zar um mer­ca­do al­vo bem de­fi­ni­do e con­si­de­rar os efei­tos do am­bi­en­te ex­ter­no e in­ter­no, por ou­tro la­do no pla­no de mar­ke­ting de­vem exis­tir ac­ções pon­tu­ais e con­tí­nu­as.

As eta­pas do pla­no de mar­ke­ting pas­sam pe­la, aná­li­se da si­tu­a­ção do mer­ca­do, on­de se quer in­se­rir, quer em ter­mos de di­men­são, bem co­mo das en­vol­ven­tes do con­tex­to que ro­deia as ac­ti­vi­da­des da agre­mi­a­ção des­por­ti­va (eco­no­mia, po­lí­ti­ca, so­ci­o­lo­gia, tec­no­lo­gia, en­tre ou­tras);

Le­van­ta­men­to de in­for­ma­ções es­sên­ci­as, sen­do es­te item o de mai­or re­le­vân­cia, im­por­tân­cia e pe­so pa­ra a cons­tru­ção e de­fi­ni­ção do pla­no de mar­ke­ting, pois as cam­pa­nhas de mar­ke­ting de­vem ter co­mo ba­se as in­for­ma­ções que os ES­TU­DOS DE MER­CA­DO for­ne­cem uma vez que são es­tas in­for­ma­ções que pos­si­bi­li­tam a cri­a­ção de um pla­ne­a­men­to mais efi­caz e di­rec­ci­o­na­do.

Por­que só co­nhe­cen­do a fun­do o am­bi­en­te on­de se es­tá in­se­ri­do (mer­ca­do e con­cor­rên­cia) e ou­vir as ne­ces­si­da­des e

de­se­jos dos con­su­mi­do­res, é que po­de­re­mos ter a mai­or pro­ba­bi­li­da­de de ver os "bois an­dar em fren­te da car­ro­ça".

E é pre­ci­sa­men­te aqui, que ve­ri­fi­ca­mos com al­gu­ma frequên­cia e "ig­no­rân­cia" os prin­ci­pais er­ros co­me­ti­dos pe­los “pro­fis­si­o­nais” na área do mar­ke­ting des­por­ti­vo: re­a­li­za­rem ac­ções e cam­pa­nhas sem co­nhe­ce­rem de­vi­da­men­te o mer­ca­do e sem sa­be­rem quem é o seu pú­bli­co-al­vo!

Ali­as, é la­men­tá­vel que em An­go­la as agre­mi­a­ções des­por­ti­vas e até mes­mo a en­ti­da­de mi­nis­te­ri­al que tu­te­la os desportos, não fa­çam es­tu­dos de mer­ca­do ou son­da­gens de opi­nião sé­ri­os e exaus­ti­vos, so­bre por exem­plo, quem são os con­su­mi­do­res do des­por­to na­ci­o­nal, co­mo se com­por­tam e o que pro­cu­ram nos even­tos des­por­ti­vos!

Se­ria in­te­res­san­tís­si­mo afe­rir­mos, nu­ma ba­se per­ma­nen­te e ac­tu­a­li­za­da o nú­me­ro con­su­mi­do­res do des­por­to na­ci­o­nal, que pro­li­fe­ram que nem "co­gu­me­los" em An­go­la, o nú­me­ro de ho­ras que gas­tam por se­ma­na, em es­pe­ci­al aos sá­ba­dos e do­min­gos e os efei­tos prá­ti­cos do tem­po gas­to ao con­su­mir o nos­so "pro­du­to" des­por­ti­vo, em ter­mos qua­li­ta­ti­vos e quan­ti­ta­ti­vos!

Por is­so é que apro­vei­to es­te es­pa­ço, pa­ra ti­rar o cha­péu aos nos­sos di­ri­gen­tes des­por­ti­vos e ges­to­res de mar­ke­ting das agre­mi­a­ções des­por­ti­vas que con­se­guem (?) não sei co­mo, de­fi­nir po­lí­ti­cas, pro­gra­mas, pro­jec­tos e ac­ções em to­dos os do­mí­ni­os e mais al­guns do des­por­to na­ci­o­nal, sem ao me­nos co­nhe­ce­rem e ou­vi­rem a "voz do po­vão" que con­so­me des­por­to.

Pa­ra fi­na­li­zar, vou dei­xar em jei­to de de­sa­fio uma declaração de in­te­res­se, di­ri­gi­da aos meus “ami­gos de trin­chei­ra” que fa­zem a ges­tão dos de­par­ta­men­tos de mar­ke­ting dos clu­bes e fe­de­ra­ções na­ci­o­nais, VAMOS as­su­mir até o li­mi­te o de­sa­fio, de tra­zer o MAR­KE­TING aos pal­cos dos de­ba­tes quen­tes do des­por­to na­ci­o­nal, e fa­zê-lo en­trar no lé­xi­co da mai­o­ria dos "players" do mer­ca­do de con­su­mo des­por­ti­vo e não só, dan­do a es­tes fun­da­men­tos e pro­vas inequí­vo­cas do con­cei­to, sig­ni­fi­ca­do, im­pac­to e ri­gor do mar­ke­ting apli­ca­do ao des­por­to, pa­ra que es­ta fer­ra­men­ta ge­re re­sul­ta­dos po­si­ti­vos no ala­van­car de ne­gó­ci­os e par­ce­ri­as es­tra­té­gi­cas, pa­ra as agre­mi­a­ções des­por­ti­vas na­ci­o­nais.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.