Tramagal pe­de con­cen­tra­ção má­xi­ma

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - GAUDÊNCIO HAMELAY - LU­BAN­GO

O téc­ni­co do Wiliete Sport Clu­be de Ben­gue­la, Agos­ti­nho Tramagal, quer con­cen­tra­ção má­xi­ma aos Pa­lan­cas Ne­gras pa­ra pre­ser­var a van­ta­gem mí­ni­ma (1-0), que tem so­bre a se­lec­ção da Gâmbia, no de­sa­fio de ama­nhã à tar­de, no 11 de No­vem­bro, re­fe­ren­te à se­gun­da-mão da eli­mi­na­tó­ria pa­ra a fa­se de gru­pos ao Mun­di­al de 2022, que vai de­cor­rer no Qa­tar.

Agos­ti­nho Tramagal re­fe­riu no sá­ba­do, no Lu­ban­go, no fi­nal do jo­go amis­to­so com o Des­por­ti­vo da Huíla, que é sem­pre bom e van­ta­jo­so qu­an­do jo­ga­mos fo­ra de ca­sa e ga­nha­mos.

“Te­mos de nos con­cen­trar ao má­xi­mo, não me­nos­pre­zar o adversário, por­que pe­lo re­la­to que ou­vi­mos, a se­lec­ção da Gâmbia não é uma equipa fá­cil. Es­tou em crer que An­go­la es­tá em bom ca­mi­nho, ou se­ja, pre­ci­sa de con­so­li­dar a vi­tó­ria”, as­se­ve­rou, o trei­na­dor do Wiliete, que pa­ra ele, se ga­nhar por qual­quer nú­me­ro de golos em ca­sa, o com­bi­na­do an­go­la­no pas­sa pa­ra ou­tra fa­se.

“O ob­jec­ti­vo é che­gar ao Mun­di­al de fu­te­bol no Qa­tar. En­tão, na ter­ça-fei­ra (ama­nhã), não te­mos co­mo não pen­sar na vi­tó­ria”, fri­sou.

O trei­na­dor prin­ci­pal do Wiliete de Ben­gue­la afir­mou que a Se­lec­ção Na­ci­o­nal de honras vai en­trar nes­se jo­go con­cen­tra­da ao má­xi­mo, a equipa téc­ni­ca vai me­lho­rar os as­pec­tos que es­ti­ve­ram mal no pri­mei­ro jo­go e apon­tou que a con­cen­tra­ção e a re­cu­pe­ra­ção co­mo fun­da­men­tais, por se tra­tar de um jo­go mui­to pró­xi­mo do ou­tro.

“Jo­gá­mos na sex­ta-fei­ra, ago­ra, vamos fa­zê-lo na ter­ça-fei­ra. São qua­se dois di­as pa­ra re­cu­pe­rar e acre­di­ta­mos que vamos ter An­go­la com um ní­vel do jo­go pa­ra pas­sar à ou­tra fa­se”, ad­mi­tiu.

O téc­ni­co - ad­jun­to do Clu­be Des­por­ti­vo da Huíla, Hél­der Cruz, dis­se por aqui­lo que acom­pa­nhou, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal te­ve boa pos­tu­ra no pri­mei­ro tem­po, in­fe­liz­men­te, de­pois das mexidas ope­ra­das pe­la Gâmbia, no­tou al­guns dissabores no pro­ces­so de­fen­si­vo.

“Fe­liz­men­te, ga­nhá­mos o jo­go da pri­mei­ra -mão, o mais im­por­tan­te ago­ra, o que te­mos de fa­zer é não so­frer golos em ca­sa, não so­frer go­lo, ob­vi­a­men­te, vamos pas­sar pa­ra ou­tra fa­se”, ci­tou.

Hél­der Cruz re­co­nhe­ceu que os Pa­lan­cas Ne­gras jo­ga­ram com uma equipa for­te ofen­si­va­men­te, que cri­ou al­gu­mas si­tu­a­ções de golos, por is­so, to­do o cui­da­do se­rá pou­co no jo­go de res­pos­ta.

“Es­ta­mos nes­te mo­men­to com um guar­da-re­des, Tony Ca­ba­ça, que es­tá na mo­da co­mo se diz na gí­ria, que es­te­ve mui­to bem e con­se­guiu não so­frer golos”, lou­vou.

O ad­jun­to da equipa Mi­li­tar da Re­gião Sul fe­li­ci­tou o gru­po à or­dens de Pe­dro Gon­çal­ves, pe­la vi­tó­ria (1-0) al­can­ça­da na pri­mei­ra -mão, em Ban­jul. Por is­so, es­pe­ra que os Pa­lan­cas Ne­gras fa­çam um bom jo­go e com golos.

“Acre­di­to que vamos pas­sar a eli­mi­na­tó­ria”, afi­an­çou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.