Jam­ba Sport pre­ci­sa ver­bas pa­ra su­prir ne­ces­si­da­des

Jornal dos Desportos - - MODALIDADE­S - GAUDÊNCIO HAMELAY, NO LU­BAN­GO

O Clu­be de As­ses­so­ria Jam­ba Sport cri­a­do pa­ra cap­tar ta­len­tos nas ins­ti­tui­ções de en­si­no pú­bli­co e pri­va­dos, bem co­mo em bair­ros pe­ri­fé­ri­cos do mu­ni­cí­pio do Lu­ban­go, nas mo­da­li­da­des de atle­tis­mo, an­de­bol e fu­te­bol, em am­bos se­xos, pre­ci­sa de qua­tro­cen­tos mil kwan­zas men­sal­men­te pa­ra su­prir al­gu­mas ne­ces­si­da­des.

A en­fren­tar di­fi­cul­da­des de vá­ria or­dem que con­ti­nu­am a em­ba­ra­çar o tra­ba­lho de mas­si­fi­ca­ção, o clu­be mo­vi­men­ta um uni­ver­so de cer­ca de 140 pe­ti­zes com ida­de com­pre­en­di­da en­tre os 8 aos 15 anos de ida­de em mas­cu­li­no e feminino nes­sas três mo­da­li­da­des des­por­ti­vas.

Ma­nu­el António Jam­ba pa­tro­no do clu­be de as­ses­so­ria Jam­ba Sport, con­fes­sou que a agre­mi­a­ção pa­ra su­prir al­gu­mas ne­ces­si­da­des so­bre­tu­do em par­ti­ci­pa­ções em pro­vas na­ci­o­nais, pro­vin­ci­ais e ou­tras ac­ti­vi­da­des ex­tras, pre­ci­sa de tre­zen­tos à qua­tro­cen­tos mil kwan­zas (300.000.00 à 400.000.00 Akz) men­sal­men­te.

“Pa­ra acu­dir o nos­so tra­ba­lho, es­ta­ría­mos aí a ron­dar em va­lo­res mo­ne­tá­ri­os em va­ri­am em tre­zen­tos ou qua­tro­cen­tos mil men­sal por­que te­mos com­pe­ti­ções na­ci­o­nais on­de te­mos mo­vi­men­ta­do um nú­me­ro re­du­zi­do, pro­vas pro­vin­ci­ais e as ac­ti­vi­da­des ex­tras que te­mos fei­to pa­ra fa­zer com que as cri­an­ças adi­ram às ac­ti­vi­da­des de prá­ti­ca de exercícios fí­si­cos não só nos­sas, mas em ou­tros clu­bes pa­ra es­ti­mu­lar a prá­ti­ca des­sa ac­ti­vi­da­de”, prog­nos­ti­cou.

Acres­cen­tou que “nós pre­ci­sa­mos não só tam­bém mui­ta das ve­zes des­se va­lor, mas quem ti­ver uma for­ma de aju­dar com mei­os ma­te­ri­ais, es­ta­ría­mos mui­to agra­de­ci­dos”, ape­lou.

Ma­nu­el António in­di­cou que o gré­mio que di­ri­ge es­tá a movimentar três mo­da­li­da­des des­por­ti­vas das quais o atle­tis­mo é que le­vam com mais re­le­vân­cia, por se tra­tar de uma mo­da­li­da­de con­si­de­ra­da po­bre e com mai­or fa­ci­li­da­de em tra­ba­lhar com o gru­po. “Te­mos o an­de­bol e o fu­te­bol pa­ra mas­si­fi­ca­ção de jo­vens”, dis­se.

Pa­ra ob­ter apoi­os, con­tou, o clu­be tem fei­to bas­tan­te es­for­ços. “Te­mos in­do ba­ter por­tas de al­gu­mas pes­so­as que gos­tam do des­por­to pa­ra fa­zer an­dar e fa­zer com que as cri­an­ças te­nham uma di­ver­são ou la­zer em bus­ca da­qui­lo que mais gos­tam, mas não tem si­do fá­cil”, con­fes­sou.

Pa­ra o fu­tu­ro do clu­be, Ma­nu­el António, as­se­gu­rou con­ti­nu­ar a ba­ter por­tas por­que acre­di­ta que os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al na pro­vín­cia têm de­sem­pe­nha­do um pa­pel im­por­tan­te na di­vul­ga­ção das di­fi­cul­da­des que a agre­mi­a­ção en­fren­ta.

“Por is­so, vamos con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar e fa­zer che­gar o nos­so gri­to de so­cor­ro pa­ra não pa­rar­mos com o nos­so pro­jec­to de mas­si­fi­ca­ção. Mui­tas cri­an­ças que ho­je es­tão a ade­rir ao nos­so clu­be, são aque­las que es­ta­ri­am nas ru­as a en­ve­re­da­rem por ac­tos con­de­ná­veis a so­ci­e­da­de”, apon­tou.

Ma­nu­el António re­fe­riu que mui­tos en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção

e pais des­sas cri­an­ças agra­de­cem o tra­ba­lho que o clu­be Jam­ba Sport tem fei­to pois “os seus fi­lhos já es­ta­vam num ca­mi­nho não ade­qua­do e nas dro­gas”, po­rém a prá­ti­ca des­por­ti­va con­tri­bui na mu­dan­ça de men­ta­li­da­de des­ses pe­ti­zes.

“Os pais agra­de­cem por­que os fi­lhos ho­je vêm treinar e che­gam em ca­sas des­can­sam e faz ta­re­fas do­més­ti­cas. In­clu­si­ve es­ta­mos a fa­zer um acom­pa­nha­men­to des­ses mes­mos atle­tas cu­jos re­sul­ta­dos es­co­la­res são sa­tis­fa­tó­ri­os. Is­so é que nos ale­gra e dá co­ra­gem de con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar nes­te pro­jec­to pa­ra aju­dar na­qui­lo que é o ala­van­car do des­por­to e no be­mes­tar das cri­an­ças e ado­les­cen­tes”, des­ta­cou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.