Vol­tar à tra­di­ção

Jornal dos Desportos - - ÚLTIMA -

Écon­sen­su­al que o bas­que­te na­ci­o­nal vi­ve ho­je uma cri­se de ta­len­tos. Uma se­lec­ção cam­peã onze ve­zes en­fren­ta di­fi­cul­da­des pa­ra ter um ba­se. Sa­be­mos não ser pos­sí­vel ter sem­pre um Mi­guel Lu­ton­da po­rém po­de-se for­mar atle­tas à al­tu­ra de as­su­mir es­sa po­si­ção, e fa­zer di­fe­ren­ça. O mai­or pro­ble­ma é que os gran­des clu­bes, 1°de Agos­to e o Pe­tro de Luanda, aban­do­na­ram a sua tra­di­ção: for­mar bem. E as ra­zões pren­dem-se com um con­cur­so de si­tu­a­ções. A pri­mei­ra das quais tem que ver com a fe­bre das con­tra­ta­ções. Os gran­des clu­bes de­ci­di­ram des­de al­gum tem­po con­tra­tar, con­tra­tar e a qual­quer pre­ço. Re­sul­tou dis­so não ape­nas uma in­fla­ção do mer­ca­do co­mo de­sin­cen­ti­vou a von­ta­de de se for­mar. Pa­ra tu­do is­so con­tri­buiu pre­ju­di­ci­al­men­te o Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo. Es­te clu­be le­gou pa­ra o basquetebo­l na­ci­o­nal um pre­juí­zo in­cal­cu­lá­vel. Não cri­ou é cer­to a prá­ti­ca mas en­con­trou e am­pli­ou. A se­gun­da tem que ver com o fac­to dos clu­bes co­lo­ca­rem nos es­ca­lões de for­ma­ção ex-atle­tas sem ex­pe­ri­ên­cia de trei­na­men­to. Es­ta de­ci­são tem es­ta­do a pro­du­zir os atle­tas que o nos­so bas­que­te apre­sen­ta. Num jo­go trans­mi­tem a ideia de que po­dem ser um fu­tu­ro Ba­du­na mas no jo­go se­guin­te a pes­soa per­gun­ta co­mo é que ele che­gou aí. E as­sim vai sen­do o nos­so basquetebo­l, que con­ti­nua a ser sus­ten­ta­do por fru­tos do tem­po em que for­mar ain­da era im­por­tan­te. Cla­ro que nem tu­do é mau. Com­pa­ran­do no en­tan­to com o pe­río­do em que os clu­bes de­di­ca­vam gran­de aten­ção na for­ma­ção e no cas­ting nos bair­ros de ta­len­to­sos, há uma dis­tân­cia de qui­ló­me­tros. Por­tan­to, es­tá de­ses­tru­tu­ra­ção dos prin­ci­pais clu­bes tem re­fle­xo na qua­li­da­de do basquetebo­l pra­ti­ca­do pe­la se­lec­ção. Acres­ce-se o fac­to de se tro­car de se­lec­ci­o­na­do­res na­ci­o­nais co­mo de rou­pa se tra­tas­se.

E ao con­trá­rio daquela prá­ti­ca de co­lo­car na se­lec­ção o trei­na­dor que se­ja cam­peão na­ci­o­nal, al­guém do au­to do seu co­nhe­ci­men­to de­ci­diu ir bus­car um ame­ri­ca­no que mal nos co­nhe­ce pa­ra ori­en­tar o cin­co na­ci­o­nal. Te­mos em mãos La­za­re Adi­go­nou a quem se po­dia “as­se­di­ar” pa­ra ori­en­tar o cin­co na­ci­o­nal por ser cam­peão Na­ci­o­nal, co­nhe­ce o nos­so basquetebo­l e mais do que tu­do é com­pe­ten­te e reu­ni a fi­lo­so­fia do basquetebo­l Na­ci­o­nal, pois vem do basquetebo­l uni­ver­si­tá­rio ame­ri­ca­no, o tal que ins­pi­rou os “ar­qui­tec­tos” da nos­sa he­ge­mo­nia. Por­tan­to, a ro­da foi in­ven­ta­da há mui­tos anos e a nós ca­be agra­de­cer e usá-las ape­nas. Pa­ra is­so, o 1º de Agos­to de­via fa­zer o mes­mo que tem fei­to no fu­te­bol. Con­tra­tar trei­na­do­res à al­tu­ra pa­ra os es­ca­lões de for­ma­ção. Pos­sui o qu­an­to bas­ta con­di­ções de in­fra­es­tru­tu­ras pa­ra um tra­ba­lho sé­rio. O Pe­tro de­via se­guir o mes­mo exem­plo. As­sim po­de­mos vol­tar a res­pi­rar da­qui a dez ou mes­mo vin­te anos. De ou­tro mo­do, não.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.