SE­LEC­CI­O­NA­DOR DI­VUL­GA ME­TAS PA­RA A PRO­VA

Pedro Gon­çal­ves sa­tis­fei­to por ter to­dos os atle­tas dis­po­ní­veis pa­ra a com­pe­ti­ção no Brasil

Jornal dos Desportos - - PORTADA - PAULO CACULO

Ose­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal Sub-17, Pedro Gon­çal­ves, mos­trou-se re­ser­va­do em re­la­ção aos ob­jec­ti­vos de­fi­ni­dos pe­la equi­pa téc­ni­ca na dis­pu­ta do Cam­pe­o­na­to do Mun­do do Brasil, com­pe­ti­ção em que a se­lec­ção an­go­la­na faz a sua es­treia no dia 26 do cor­ren­te, às 20h00 lo­cais (00h00 em An­go­la), di­an­te da No­va Ze­lân­dia. O téc­ni­co por­tu­guês ao ser­vi­ço dos Pa­lan­qui­nhas pro­me­te, ape­nas, co­lo­car em cam­po uma se­lec­ção que se­ja ca­paz de es­tar ao ní­vel das me­lho­res da pro­va.

“É uma van­ta­gem ter to­dos os atle­tas dis­po­ní­veis, por­que ain­da te­mos al­gum tem­po pa­ra tra­ba­lhar­mos. Va­mos pa­ra o Brasil, on­de re­a­li­za­re­mos o nos­so es­tá­gio de pre­pa­ra­ção em Goi­â­nia, a par­tir de quin­ta-fei­ra (ho­je). Te­mos mais al­guns di­as, pou­co ou mais de du­as se­ma­nas pa­ra tra­ba­lhar, e pen­so que es­tá lan­ça­do o mo­te, pa­ra que pos­sa­mos fa­zer uma boa cam­pa­nha nes­te Cam­pe­o­na­to do Mun­do”, dis­se.

Pedro Gon­çal­ves con­si­de­ra, que a se­lec­ção en­con­tra-se já no ní­vel de pre­pa­ra­ção que pre­ten­de, em­bo­ra es­cla­re­ça ha­ver, ain­da, al­guns jo­gos em pers­pec­ti­va du­ran­te o cur­to es­tá­gio em Goi­â­nia, que de­ve­rá ser­vir pa­ra li­mar as ares­tas pa­ra a ar­ma­ção da es­tra­té­gia fi­nal.

“Es­ta­mos a um ní­vel que é aque­le que pre­ten­de­mos, que é jo­gar bom fu­te­bol e re­ve­lar aqui­lo que é o ní­vel e a qua­li­da­de do fu­te­bol an­go­la­no. Te­mos al­guns jo­gos particular­es em pers­pec­ti­va, ain­da não te­mos as da­tas fe­cha­das, es­ta­mos a fa­zer o nos­so tra­ba­lho e pre­ten­de­mos pre­en­cher com es­tes pró­xi­mos di­as com jo­gos de pre­pa­ra­ção, pa­ra en­trar­mos na com­pe­ti­ção com uma ca­pa­ci­da­de com­pe­ti­ti­va mais ele­va­da”, acres­cen­tou o se­lec­ci­o­na­dor.

Em re­la­ção ao jo­go de es­treia, di­an­te da No­va Ze­lân­dia, Pedro Gon­çal­ves ga­ran­tiu que se­rá uma opor­tu­ni­da­de úni­ca, pa­ra os jo­ga­do­res mos­tra­rem-se ao mun­do. Acre­di­ta vir a ser um du­e­lo de ele­va­dos ín­di­ces de di­fi­cul­da­des pa­ra An­go­la, a jul­gar pe­lo po­ten­ci­al do ad­ver­sá­rio, que che­ga ao Cam­pe­o­na­to do Mun­do com gran­des re­fe­rên­ci­as, aliás, é hep­ta cam­peão da Con­fe­de­ra­ção de Fu­te­bol da Oceâ­nia (OFC).

“Va­mos jo­gar na pri­mei­ra jor­na­da com a No­va Ze­lân­dia e se­rá uma opor­tu­ni­da­de úni­ca pa­ra es­tes jo­vens. Va­mos en­ca­rar to­dos os ad­ver­sá­ri­os com res­pei­to, por­que to­das as se­lec­ções que es­tão no Mun­di­al são di­fí­ceis. Que­re­mos ser dig­nos e bri­o­sos, no sen­ti­do de ul­tra­pas­sar es­te ad­ver­sá­rio”, as­se­ve­rou Pedro Gon­çal­ves.

O se­lec­ci­o­na­dor afir­mou, a fi­na­li­zar, que “a me­ta es­sen­ci­al­men­te é es­tar ao ní­vel das gran­des se­lec­ções” des­te cam­pe­o­na­to do mun­do e ele­var bem al­to a ban­dei­ra do país e do fu­te­bol jo­vem an­go­la­no.

“Sa­be­mos que não vai ser fá­cil, mas es­ta­mos ci­en­tes que po­de­mos fa­zer um bom cam­pe­o­na­to e al­can­çar bons re­sul­ta­dos”, su­bli­nhou.

Pa­lan­qui­nhas es­ta­gi­am a par­tir de ho­je em Goi­â­nia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.