Fi­nal an­te­ci­pa­da

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

OV Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no de fu­te­bol pa­ra am­pu­ta­dos, que de­cor­re na pro­vín­cia de Ben­gue­la, en­trou na fa­se cru­ci­al. As coi­sas co­me­çam a to­mar po­si­ções con­cre­tas. Ho­je jo­gam-se as mei­as-fi­nais e An­go­la tem pe­la fren­te um jo­go, que po­de dei­xar in­di­ca­ções cla­ras da sua sor­te no tor­neio. Pois, de­fron­ta o cam­peão em tí­tu­lo, Li­bé­ria, sen­do que em ca­so de triun­fo te­rá, a bem di­zer, meio ca­mi­nho an­da­do pa­ra a con­su­ma­ção do seu ob­jec­ti­vo.

Es­tan­do nas ves­tes de vi­ce­cam­peão afri­ca­no, mé­ri­to a que agre­ga ain­da o tí­tu­lo de cam­peão mun­di­al, An­go­la, que pre­ten­de me­lho­rar a clas­si­fi­ca­ção an­te­ri­or, em ca­so de vi­tó­ria so­bre a Li­bé­ria, no jo­go que mais não é, se­não a fi­nal da edi­ção pas­sa­da, po­de res­pi­rar de alí­vio e en­ca­rar o úl­ti­mo jo­go com me­nos pres­são.

Cla­ro es­tá que se­ja a Ni­gé­ria ou a Tan­zâ­nia que ve­nha a sair vencedor no ou­tro con­fron­to de ho­je, se­rá sem­pre um ad­ver­sá­rio a ter em con­ta, sen­do ver­da­de que equi­pa ne­nhu­ma te­rá vin­do ao cer­ta­me sem am­bi­ções, sem me­tas fi­xa­das. Mas se­ja co­mo for, não se­rá o mes­mo que jo­gar com quem de­tém o tro­féu e al­me­ja co­mo ob­jec­ti­vo a sua re­va­li­da­ção.

De res­to, es­ta­mos a di­zer que An­go­la não de­ve fa­ci­li­tar no jo­go des­ta tar­de. De­ve sim, en­ca­rá-lo co­mo uma fi­nal, em­bo­ra se pre­ve­ja uma enor­me dis­pu­ta, em fa­ce do que pre­ten­dem as du­as se­lec­ções e da ne­ces­si­da­de de se sal­da­rem al­gu­mas con­tas, de­pois do que foi o des­fe­cho da edi­ção an­te­ri­or, on­de os an­go­la­nos vi­ram es­ca­par à tan­gen­te a sua pri­mei­ra con­sa­gra­ção.

Até aqui os jo­gos têm co­nhe­ci­do uma re­nhi­da dis­pu­ta, pe­lo me­nos a jul­gar pe­los re­sul­ta­dos e pe­los re­la­tos, que che­gam até nós por via de co­le­gas no ter­re­no, já que, por ra­zões que es­ca­pam à nos­sa com­pre­en­são, o cam­pe­o­na­to es­tá pri­va­do de hon­ras te­le­vi­si­vas. Por tu­do is­so, ape­sar de An­go­la ter a obri­ga­ção de fa­zer va­ler a con­di­ção de an­fi­triã, na mes­ma po­de­mos con­si­de­rar o de­sa­fio de lo­go

Pois, de­fron­ta o cam­peão em tí­tu­lo, Li­bé­ria, sen­do que em ca­so de triun­fo te­rá, a bem di­zer, meio ca­mi­nho an­da­do pa­ra a con­su­ma­ção do seu ob­jec­ti­vo.

mais co­mo de prog­nós­ti­co re­ser­va­do.

A con­di­ção de cam­peão mun­di­al tam­bém exer­ce al­gu­ma pres­são so­bre a for­ma­ção an­go­la­na. Em su­ma , são vá­ri­os fac­to­res con­ju­ga­dos a seu fa­vor e que de­ve, com mai­or ou me­nor di­fi­cul­da­de, pro­cu­rar ti­rar pro­vei­to e che­gar ao de­si­de­ra­to pe­lo qual tra­ba­lha­ram, du­ra­men­te, du­ran­te a fa­se pré-com­pe­ti­ti­va e se es­me­ram ago­ra na qua­dra do jo­go.

Es­ta­mos na ex­pec­ta­ti­va do que se­rá o des­fe­cho do jo­go de lo­go mais e dai, qui­çá, fa­zer­mos um juí­zo de va­lor mais exac­to, so­bre o que po­de­rão ser en­tão os der­ra­dei­ros 50 mi­nu­tos de um cam­pe­o­na­to que, pe­lo me­nos até aqui, tem vin­do a pri­mar pe­la ex­ce­lên­cia, quer do pon­to de vis­ta com­pe­ti­ti­vo, quer do pon­to de vis­ta da or­ga­ni­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.