Que pro­jec­to tem a FAF pa­ra os Pa­lan­cas Ne­gra ? (I)

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AU­GUS­TO FERNANDES

Oac­tu­al elen­co da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF), li­de­ra­da por Ar­tur Al­mei­da e Sil­va, com­ple­ta­rá em De­zem­bro do ano cor­ren­te três anos de man­da­to. Em fun­ção da pro­du­ção das se­lec­ções na­ci­o­nais, co­mo po­de­mos ava­li­ar es­tes mil e no­ven­ta e cin­co di­as de ges­tão da ac­tu­al di­rec­ção do ór­gão rei­tor do des­por­to­rei no país?

Em 2016, An­go­la, an­da­va na ca­sa da 140ª po­si­ção no “ran­king” mun­di­al e ac­tu­al­men­te ocu­pa a 121ª com 1.161 pon­tos, o que sig­ni­fi­ca di­zer que em te­mos de qua­li­da­de o nos­so fu­te­bol, sob ges­tão do or­ga­nis­mo rei­tor da mo­da­li­da­de no país, evo­luiu li­gei­ra­men­te e com mui­to apoio de clu­bes co­mo 1º de Agos­to e Pe­tro de Lu­an­da.

Não po­de­mos in­cluir a pro­du­ção dos clu­bes, por­que não de­pen­dem da FAF em ter­mos de pro­gra­ma, pro­jec­tos e mui­to me­nos fi­nan­cei­ra­men­te, ca­ben­do o êxi­to de tais as su­as res­pec­ti­vas di­rec­ções. De qual­quer for­ma, po­de­mos di­zer que a ges­tão de Ar­tur Al­mei­da e Sil­va e seus pa­res tem si­do li­gei­ra­men­te me­lhor que as an­te­ri­o­res nos úl­ti­mos dez anos, em fun­ção das po­li­ti­cas que tem adop­ta­do.

No en­tan­to, em­bo­ra se­ja no­tó­rio uma cer­ta di­fe­ren­ça na for­ma de pen­sar o nos­so fu­te­bol, exis­te uma grande ho­mo­ge­nei­da­de en­tre a ges­tão de Ar­tur e as an­te­ri­o­res: O ime­di­a­tis­mo, a fal­ta de pro­jec­tos exequí­veis e pron­ta­men­te es­cla­re­ci­dos a opi­nião pu­bli­ca, bem as­sim co­mo na apli­ca­ção da lei de a “cor­da re­ben­tar do la­do mais fra­co”. Di­to de ou­tra ma­nei­ra, a lei de que o che­fe tem sem­pre ra­zão.

Com ba­se nes­ta al­ti­tu­de, de que o che­fe tem sem­pre ra­zão e que por is­so po­de fa­zer o que bem en­ten­de, nos três anos que Ar­tur Al­mei­da co­man­da a di­rec­ção da FAF, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal de Hon­ras já tro­cou três ve­zes de trei­na­dor.Por­tan­to, a ca­mi­nho do seu quar­to e úl­ti­mo ano de man­da­to, a ac­tu­al di­rec­ção da FAF nun­ca foi cla­ra em di­zer pu­bli­ca­men­te o que pre­ten­de com os Pa­lan­cas Ne­gras ou se­ja nun­ca apre­sen­tou um pro­jec­to pa­ra a Se­lec­ção Na­ci­o­nal, se bem que, por al­tu­ra da con­tra­ta­ção de Be­to Bi­an­chi, o pró­prio pre­si­den­te do ór­gão afir­ma­ra que o ob­jec­ti­vo prin­ci­pal era cons­truir uma equi­pa que dig­ni­fi­cas­se o nos­so país com um fu­te­bol ale­gre e com­pe­ti­ti­vo. Na mes­ma oca­sião, o lí­der da FAF dis­se tam­bém que o Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções (CAN) de 2019, que a pri­or se­ria or­ga­ni­za­do pe­los Ca­ma­rões, não cons­ta­va das pri­o­ri­da­des. Mas de­pois dei­xou-se le­var pe­lo es­pí­ri­to do ime­di­a­tis­mo, que ca­rac­te­ri­zou os seus an­te­ces­so­res. Pa­ra ele o mais im­por­tan­te era co­lo­car a Se­lec­ção Na­ci­o­nal no CAN, não se im­por­tan­do com a fi­gu­ra que fi­zes­se, pois fi­ca­ria na his­to­ria que du­ran­te o seu man­da­to ele tam­bém te­ria co­lo­ca­do An­go­la num CAN “y” e “x”.

Quan­do se fa­la de pro­jec­to, es­ta­mos a nos re­fe­rir a al­go con­ce­bi­do com ca­be­ça tron­co e mem­bros e que te­nha a apro­va­ção da mai­or par­te da fa­mí­lia do fu­te­bol, que a bem di­zer tem uma pa­la­vra a di­zer em tor­no das se­lec­ções na­ci­o­nais e que por is­so me­re­cem to­do o res­pei­to e de­vem ser ti­dos em con­ta, quan­do o as­sun­to for pro­gra­ma­ção ou pro­jec­tos li­ga­dos a es­tas, es­pe­ci­al­men­te dos Pa­lan­cas Ne­gras.

As­sim, um pro­jec­to im­pli­ca ter em con­ta o que se pre­ten­de atin­gir, tem­po de exe­cu­ção, or­ça­men­to pa­ra o efei­to, ma­te­ri­al hu­ma­no, quem vai con­du­zir o mes­mo e as­sim por di­an­te. Di­to de ou­tra for­ma, sig­ni­fi­ca di­zer o se­guin­te: jo­gar a fa­se fi­nal do CAN de 2023, fi­car en­tre as cin­co me­lho­res classifica­dos, o ci­clo de pre­pa­ra­ção, va­lo­res ne­ces­sá­ri­os na exe­cu­ção pro­jec­tos e ou­tros fac­to­res afins.

Só as­sim, se jus­ti­fi­ca­ri­am as cons­tan­tes exo­ne­ra­ções ou res­ci­sões de con­tra­tos com os trei­na­do­res. Sem um pla­no exequí­vel e com a apro­va­ção da mai­or par­te da fa­mí­lia do fu­te­bol, co­mo se jus­ti­fi­cam tan­tas res­ci­sões de con­tra­tos?

Di­an­te da ver­go­nha que os nos­sos jo­ga­do­res pas­sa­ram em Por­tu­gal, aquan­do do es­tá­gio pa­ra o CAN des­te ano, se é que se po­de cha­mar aqui­lo de es­tá­gio, a di­rec­ção da FAF, usan­do da “mus­cu­la­tu­ra” que a lei lhe con­fe­re, li­mi­tou-se sim­ples­men­te a res­cin­dir o con­tra­to com um ho­mem que pro­vou por “A mais B”, que en­ten­de de fu­te­bol e por is­so ti­nha com­pe­tên­cia pa­ra se man­ter no co­man­do da Se­lec­ção Na­ci­o­nal. Srd­jan Va­sil­je­vic ha­via ape­nas ma­ni­fes­ta­do o seu desagrado pe­la for­ma co­mo a Se­lec­ção Na­ci­o­nal foi tra­ta­da e fi­ca­va tu­do den­tro da nor­ma­li­da­de.

A his­tó­ria do fu­te­bol mo­der­no in­di­ca cla­ra­men­te, que sem pro­jec­tos não po­de ha­ver evo­lu­ção. Te­mos vá­ri­os exem­plos dis­so, tan­to no ex­te­ri­or do país co­mo cá, en­tre nós. Um grande exem­plo dis­so é o que es­tá a ser fei­to no 1º de Agos­to. Co­mo é que um clu­be, con­se­gue ter aque­le ní­vel de or­ga­ni­za­ção e a FAF, que é um ór­gão do Es­ta­do não? O pro­ble­ma não es­ta­rá na qua­li­da­de e ca­pa­ci­da­de de quem di­ri­ge?

Ou­tro exem­plo prá­ti­co é o que é fei­to na Aca­de­mia de Fu­te­bol de An­go­la (AFA). Não me ve­nham di­zer que o pro­ble­ma é que o 1º de Agos­to ou a AFA te­nham mais di­nhei­ro que a FAF. É in­con­ce­bí­vel e ina­cei­tá­vel, que um ór­gão es­ta­tal an­de de mãos es­ten­di­das, quan­do ou­tros com o 1º de Agos­to, que tam­bém de­pen­de de al­gu­ma for­ma do Es­ta­do, con­se­guem ter me­lhor saú­de fi­nan­cei­ra que a FAF. Quem acei­ta con­du­zir um car­ro do pa­trão, mas que se­ja ele a responsabi­lizar-se pe­las des­pe­sas do mes­mo, só po­de in­di­car du­as coi­sas: (con­ti­nua no pró­xi­mo nu­me­ro) .

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.