Ain­da o ca­so Ca­pi­ta

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - CAR­LOS CALONGO

Mui­tas das abor­da­gens do que se con­ven­ci­o­nou cha­mar “Ca­so Ca­pi­ta”, têm si­do mar­ca­das por al­gu­ma pai­xão clu­bís­ti­cas, fac­to que re­duz a pro­fun­di­da­de que se re­quer na aná­li­se de um as­sun­to co­mo es­te, cu­jos con­tor­nos vão pa­ra lá da re­la­ção clu­be, jo­ga­dor, fa­mí­lia e agen­te.

O “ba­ru­lho” que ain­da se ouve é bas­tan­te elu­ci­da­ti­vo, pa­ra che­gar-se a con­clu­são de que o as­sun­to não foi com­ple­ta e har­mo­ni­o­sa­men­te tra­ta­do, fac­to que dei­xa má­go­as e res­sen­ti­men­tos, que es­pe­ra­mos, não ve­nham a pro­vo­car constrangi­mentos na car­rei­ra do jo­ga­dor em cau­sa.

A pro­pó­si­to, te­nho apre­ci­a­do os pro­nun­ci­a­men­tos de al­guns co­le­gas de pro­fis­são que, ex­pres­san­do a na­tu­re­za do des­gos­to pe­lo des­gos­to em re­la­ção ao clu­be ad­ver­sá­rio, de­fen­dem até o atro­pe­lo da éti­ca, en­quan­to nor­ma de con­du­ta com igual ou mai­or va­lor que qual­quer co­man­do, cu­ja obe­di­ên­cia obri­ga o uso da co­er­ci­bi­li­da­de.

Tais com­por­ta­men­tos são com­pre­en­sí­veis na ba­se das pai­xões in­fla­ma­das que o mun­do do des­por­to pro­mo­ve, ao pon­to de sus­ci­tar dú­vi­das se o tão pro­pa­la­do “fair play” e os de­mais va­lo­res fra­ter­nos são mes­mos evi­den­ci­a­dos nas abor­da­gens des­por­ti­vas, na ba­se dos prin­cí­pi­os pro­pos­tos por Pi­er­re de Cou­ber­tin, ti­do co­mo o pai dos jo­gos olím­pi­cos ho­di­er­nos.

A con­si­de­rar vá­li­dos os “con­fli­tos” que, bom gra­do, não vão pa­ra lá dos dis­cur­sos, po­de­mos con­si­de­rar afe­rir que no ca­so Ca­pi­ta, a ver­da­de é ape­nas uma, mas que os que tei­mam acei­tá­la, o fa­zem por ra­zões que só eles co­nhe­cem, mas em ver­da­de, lon­ge da ver­da­de, que só po­de ser ser­vi­da em do­se úni­ca.

Po­rém, e co­mo ad­vo­ga­mos num tex­to que es­cre­ve­mos nes­ta mes­ma coluna, so­bre o ca­so Ca­pi­ta, - e va­mos con­ti­nu­ar a de­fen­der es­se pon­to de vis­ta al­guém te­rá fa­lha­do em não ob­ser­var o mí­ni­mo éti­co re­co­men­dá­vel, pa­ra que o ca­so fos­se re­sol­vi­do a con­ten­to de to­das as par­tes.

Aliás, o fac­to do atle­ta se ter po­si­ci­o­na­do na di­an­tei­ra e di­zer, que “não tem ne­nhu­ma má­goa con­tra o 1º de Agos­to” evi­den­cia, nu­ma in­ter­pre­ta­ção mais apro­fun­da­da, a exis­tên­cia de coi­sas mal re­sol­vi­das, que a seu tem­po po­dem vir a ser co­nhe­ci­das, co­mo o azei­te que sem­pre triun­fa so­bre a água. Por ou­tro la­do, an­te as po­si­ções con­trá­ri­as, a pos­si­bi­li­da­de do jo­ga­dor in­te­grar a lis­ta dos con­vo­ca­dos pa­ra dis­pu­ta­rem o cam­pe­o­na­to mun­di­al de fu­te­bol em Sub17, é mais uma pro­va bas­tan­te de que não fo­ram es­go­ta­dos os me­ca­nis­mos de so­lu­ção har­mo­ni­o­sa do as­sun­to.

Is­so por­que, em ri­gor, se a se­lec­ção é pa­ra os me­lho­res num da­do mo­men­to, con­vo­car quem não es­te­ja no exer­cí­cio ple­no da ac­ti­vi­da­de des­por­ti­va é uma ques­tão que po­de re­dun­dar em o pró­prio pa­ra os de­mais co­le­gas, coi­sa que de­ve ser evi­ta­da sem­pre que pos­sí­vel, no qu­a­dro da co­e­rên­cia que se ad­vo­ga co­mo prin­cí­pio ba­si­lar de ges­tão.

Se ca­lhar têm al­gu­ma ra­zão os pa­la­di­nos da ver­da­de que vi­rão, em fila in­di­a­na, comparar es­te ca­so com mui­tos ou­tros já ocor­ri­dos no nos­so des­por­to, com to­dos os ar­gu­men­tos, cu­ja ra­zão não pas­sa de ra­ti­fi­ca­ção do ba­nal, o que aci­ma de tu­do con­fi­gu­ra uma au­tên­ti­ca fal­ta de res­pei­to ao nor­mal.

Não te­mos na­da con­tra o Ca­pi­ta, aliás, desejamos o mai­or su­ces­so na sua car­rei­ra en­quan­to fu­te­bo­lis­ta, mas há que con­vir, que pa­ra a his­tó­ria do fu­te­bol an­go­la­no, re­gis­tar Ca­pi­ta co­mo uma re­fe­rên­cia obri­ga­tó­ria, o re­fe­ri­do jo­ga­dor ain­da tem uma lon­ga au­to-es­tra­da pa­ra per­cor­rer e uma his­tó­ria pa­ra con­tar, e com fac­tos mos­trar que o ala­ri­do em tor­no da sua trans­fe­rên­cia pa­ra o Tro­fen­se ou ou­tro “en­se” de qual­quer can­to da Eu­ro­pa, te­ve ra­zão de ser.

Em re­la­ção ao se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal, es­ta­rá nu­ma po­si­ção al­go des­con­for­ta­da, pois tem de ge­rir e qui­çá agra­dar a re­la­ção que tem com os dois pa­trões, no ca­so 1º de Agos­to (que é quem pa­ga os seus sa­lá­ri­os) e a Se­lec­ção Na­ci­o­nal, que po­de ser o ta­pe­te es­ten­di­do pa­ra a vi­si­bi­li­da­de além­fron­tei­ras, que uma mon­tra do fu­te­bol a di­men­são do mun­di­al de Sub-17 po­de pro­mo­ver.

En­tre to­das as ocor­rên­ci­as, e co­mo aci­ma já re­fe­ri­mos, con­ti­nu­a­mos a ad­vo­gar a ma­nu­ten­ção da éti­ca, que mais do que qual­quer va­lor fi­nan­cei­ro, é al­go que ele­va a per­so­na­li­da­de da pes­soa hu­ma­na, que nun­ca de­ve es­que­cer que o jo­ga­dor, pa­ra além de um ac­ti­vo des­por­ti­vo, é um ser que de­ve ser for­ma­do in­te­gral­men­te.

Por ou­tro la­do, an­te as po­si­ções con­trá­ri­as, a pos­si­bi­li­da­de do jo­ga­dor in­te­grar a lis­ta dos con­vo­ca­dos pa­ra dis­pu­ta­rem o cam­pe­o­na­to mun­di­al de fu­te­bol em Sub-17, é mais uma pro­va bas­tan­te de que não fo­ram es­go­ta­dos os me­ca­nis­mos de so­lu­ção har­mo­ni­o­sa do as­sun­to

JOSÉ CO­LA|EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pa­lan­qui­nhas vão con­tar com os prés­ti­mos do jo­vem jo­ga­dor do 1º de Agos­to no Mun­di­al do Brasil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.