“Jo­gar o mun­di­al foi o me­lhor pre­sen­te”

An­ti­go mé­dio dos Pa­lan­cas Ne­gras afir­ma que Ru­an­da uniu-se à Ni­gé­ria pa­ra pre­ju­di­car An­go­la

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - BETUMELEAN­O FERRÃO

Oi­nes­que­cí­vel 8 de Ou­tu­bro de 2005 ain­da é um dia lon­go pa­ra quem co­mo Men­don­ça foi ti­tu­lar con­tra o Ru­an­da, no jo­go que deu o iné­di­to apu­ra­men­to ao Mun­di­al 2006. O bu­li­ço­so mé­dio re­ve­lou, em en­tre­vis­ta ao Jor­nal dos Des­por­tos, que a ver­da­dei­ra pro­va de fo­go dos Pa­lan­cas Ne­gras acon­te­ceu jor­na­das an­tes, mas si­tu­a­ções ines­pe­ra­das de bas­ti­do­res ocor­ri­das em Ki­ga­li aca­ba­ram por ter um efei­to con­trá­rio ao es­pe­ra­do pe­los ru­an­de­ses, que agi­ram a tro­co de al­go, de­fen­deu o en­tre­vis­ta­do.

O an­ti­go cra­que na­ci­o­nal, ho­je téc­ni­co dos es­ca­lões de for­ma­ção do 1º de Aos­to, aca­bou por en­trar no es­tá­dio Amaho­ro só com uma pe­ça de rou­pa do cor­po, mas no fi­nal do jo­go saiu com uma du­pla sa­tis­fa­ção, o pas­se do Mun­di­al e a an­te­ci­pa­da pren­da de ani­ver­sá­rio, pois fa­ria anos no dia se­guin­te ao em­ba­te com os ru­an­de­ses.

O de­ci­si­vo jo­go com o Ru­an­da acon­te­ceu no dia 8 de Ou­tu­bro de 2005, no dia se­guin­te se­ria o teu ani­ver­sá­rio. Tra­ta­va-se de um jo­go de du­plo sen­ti­do pa­ra o Men­don­ça?

- Na ver­da­de, era um a mis­tu­ra de sen­ti­men­tos. Pa­ra mim, ven­cer já era um pre­sen­te mui­to grande e especial, es­tar pe­la pri­mei­ra vez nu­ma Ta­ça do Mun­do se­ria dos me­lho­res pre­sen­tes, que po­de­ria re­ce­ber na mi­nha vi­da. Tu­do de bom que nos acon­te­ces­se em cam­po se­ria coi­sa úni­ca, por­que se­ria o nos­so pri­mei­ro apu­ra­men­to a um cam­pe­o­na­to do mun­do da ca­te­go­ria sé­ni­or, era um grande mo­men­to. Tam­bém era um mo­ti­vo de or­gu­lho pa­ra a Na­ção, es­pe­ci­al­men­te pa­ra aque­les jo­ga­do­res que fi­ze­ram par­te da­que­la cam­pa­nha, que nos le­vou pa­ra o úni­co Mun­di­al da nos­sa his­tó­ria.

Vo­cê era dos pou­cos atle­tas da­que­la se­lec­ção que já ti­nha dis­pu­ta­do um Mun­di­al, na ca­te­go­ria de ju­ni­o­res ou Sub-20, em 2001 na Ar­gen­ti­na. Dá pa­ra comparar a pres­são por que pas­sou nes­ses dois mo­men­tos?

- O apu­ra­men­to pa­ra es­sas du­as com­pe­ti­ções é mui­to di­fí­cil, mas eu sen­ti mui­to mais pres­são quan­do foi o apu­ra­men­to da se­lec­ção de hon­ras. Em to­do o mun­do, jo­gar pe­las hon­ras é o to­po pa­ra qual­quer atle­ta, por­que to­dos nós que­re­mos re­pre­sen­tar a prin­ci­pal se­lec­ção do nos­so país. Fe­liz­men­te, eu ti­ve es­se pri­vi­lé­gio de es­tar em dois mun­di­ais de ca­te­go­ri­as di­fe­ren­tes, re­al­men­te nas hon­ras as coi­sas são mui­to mais di­fí­ceis pa­ra to­das as se­lec­ções.

O tem­po pas­sou, de 2005 a 2019 são 14 anos, mas ain­da se lem­bra co­mo con­se­guiu li­dar com to­da a pres­são, so­bre­tu­do du­ran­te o de­ci­si­vo jo­go com o Ru­an­da?

- Fe­liz­men­te, to­da a equi­pa es­ta­va tran­qui­la, nin­guém se sen­tia in­co­mo­da­do por es­tar a vi­ver aque­le mo­men­to. Pa­ra ser sin­ce­ro, o jo­go mais di­fí­cil que ti­ve­mos em to­da a qua­li­fi­ca­ção foi com a Ni­gé­ria na se­gun­da vol­ta, quan­do em­pa­tá­mos em ca­sa de­les a um go­lo, aque­le foi pra­ti­ca­men­te o jo­go que de­ci­diu quem no nos­so gru­po iria ao cam­pe­o­na­to do mun­do.

An­tes da vos­sa en­tra­da no es­tá­dio Amaho­ro, pal­co do jo­go com o Ru­an­da, vo­cês pas­sa­ram por si­tu­a­ções pre­pa­ra­das pa­ra de­ses­ta­bi­li­zar a se­lec­ção, cons­ta que o Men­don­ça che­gou a en­trar nu?

- Não en­trei nu, ti­rei to­da a rou­pa mas fi­quei de bo­xers. Foi uma ce­na mui­to ca­ri­ca­ta, nós che­gá­mos ao es­tá­dio e ti­ve­mos pro­ble­mas pa­ra en­trar, hou­ve mui­ta con­fu­são, man­da­ram-nos pas­sar no de­tec­tor de me­tais, de­pois de pas­sar nos man­da­ram ti­rar a rou­pa, eu ti­rei tu­do e fi­quei de bo­xers pa­ra mos­trar que não es­ta­va a en­trar com na­da ile­gal, só de­pois de eu en­trar é que eles pa­ra­ram com aqui­lo e dei­xa­ram to­do o mun­do en­trar, sem re­vis­tar mais nin­guém, es­ta­va cla­ro pa­ra nós que aqui­lo fa­zia par­te do boi­co­te que a Ni­gé­ria ti­nha pre­pa­ra­do con­tra nós, in­fe­liz­men­te o Ru­an­da ali­nhou por cau­sa dos be­ne­fí­ci­os.

Pas­sar por tu­do aqui­lo, au­men­tou ain­da mais a vos­sa rai­va de ven­cer e es­tar no mun­di­al?

- Nós ou­vi­mos, an­tes mes­mo de che­gar a Ki­ga­li, que a Ni­gé­ria ti­nha pa­tro­ci­na­do o Ru­an­da até com ma­te­ri­al des­por­ti­vo, nós vi­mos eles com qua­se tu­do no­vo em cam­po, en­fim, acon­te­ce­ram mui­tas coi­sas na­que­le dia, mas va­leu que nós só es­tá­va­mos con­cen­tra­dos no jo­go, não nos dei­xa­mos dis­trair, o Professor Oli­vei­ra Gon­çal­ves nos pe­diu pa­ra não re­a­gir às pro­vo­ca­ções. Tu­do o que nos fi­ze­ram an­tes do jo­go au­men­tou a nos­sa mo­ti­va­ção, não fi­ca­mos ner­vo­sos, tu­do aqui­lo au­men­tou a nos­sa con­cen­tra­ção e von­ta­de de ven­cer, sabíamos que tí­nha­mos equi­pa pa­ra ven­cer aque­le jo­go.

Em­bo­ra es­ti­ves­sem mo­ti­va­dos, foi ne­ces­sá­rio es­pe­rar até o mi­nu­to 79 pa­ra sen­ten­ci­ar o jo­go, num mo­men­to em que a Ni­gé­ria ga­nha­va fol­ga­do em ca­sa e ti­nha o apu­ra­men­to ga­ran­ti­do?

- Ne­nhum de nós foi pre­pa­ra­do pa­ra uma vi­tó­ria fá­cil, to­dos sabíamos que se­ria mui­to di­fí­cil, até en­tão, a se­lec­ção não ti­nha ne­nhu­ma vi­tó­ria fo­ra, foi mui­to mais di­fí­cil, por­que a equi­pa ad­ver­sá­ria de cer­te­za ab­so­lu­ta que ti­nha re­ce­bi­do es­tí­mu­los da Ni­gé­ria, não du­vi­do que a Ni­gé­ria in­ves­tiu na­que­le jo­go, por­que pre­ci­sa­va de um nos­so mau re­sul­ta­do.

Ex-in­ter­na­ci­o­nal as­se­gu­ra que fo­ram ao úl­ti­mo du­e­lo con­vic­tos de que as coi­sas se­ri­am di­fí­ceis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.