Úni­co sen­ti­men­to es­ta­va na vi­tó­ria

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL -

- Não vi­mos is­so, mas tam­bém nós fo­mos pre­pa­ra­dos pa­ra não per­der a con­cen­tra­ção com jo­gos de bas­ti­do­res, to­dos nós em cam­po só que­ría­mos ga­nhar, es­tá­va­mos bem con­cen­tra­dos pa­ra su­pe­rar to­das as di­fi­cul­da­des, dei­xá­mos tu­do pa­ra trás, o nos­so úni­co sen­ti­men­to es­ta­va na vi­tó­ria, to­dos que­ri­am aju­dar com o que de me­lhor ti­nha, era uma in­te­ra­ju­da fo­ra de sé­rie.

- É cla­ro que sim, tan­to é as­sim que quan­do o Akwá mar­cou eu não vi mais nin­guém no ban­co de An­go­la, to­dos nós saí­mos a cor­rer pa­ra ir fes­te­jar o go­lo, nem o ár­bi­tro, nem o quar­to ár­bi­tro con­se­gui­ram nos con­ter na­que­le mo­men­to de pu­ra fe­li­ci­da­de. Não pos­so me es­que­cer da re­ac­ção dos nos­sos adep­tos que es­ta­vam nas ban­ca­das, fo­ram in­can­sá­veis na ma­nei­ra co­mo pu­xa­ram por nós, até pa­re­cia que es­tá­va­mos a jo­gar em ca­sa, por cau­sa do am­bi­en­te que cri­a­ram, era mui­to pú­bli­co nos­so.

- Não, mui­to sin­ce­ra­men­te na­que­le nem ti­ve­mos tem­po pa­ra pen­sar nis­so, por­que de­pois do go­lo acon­te­ceu uma ce­na en­gra­ça­da no nos­so ban­co de su­plen­tes, to­dos nós vi­ra­mos trei­na­do­res, o Professor Oli­vei­ra qua­se já nem pre­ci­sou de fa­lar mais na­da, nós é que fi­ca­mos os trei­na­do­res, ca­da um de nós co­me­çou a dar ori­en­ta­ções pa­ra den­tro do cam­po, o Professor Oli­vei­ra fi­cou de pé en­quan­to nós pe­día­mos con­ten­ção, pe­día­mos pa­ra não su­bir mui­to, pa­ra se­gu­rar o jo­go por­que já fal­ta­va pou­co.

- Quan­do ter­mi­nou o jo­go, eu e o Gil­ber­to co­me­çá­mos a cho­rar, na ver­da­de to­dos os co­le­gas es­ta­vam a fa­zer o mes­mo, era mui­to cho­ro de ale­gria, pa­ra ser sin­ce­ro, lo­go de­pois do Akwá mar­car to­dos nós sen­ti­mos que já es­tá­va­mos no Mun­di­al, tí­nha­mos pas­sa­do do so­nho a re­a­li­da­de, já nin­guém nos ti­ra­ria do Mun­di­al, a equi­pa bai­xou lo­go, se­gu­rou o jo­go, foi um mo­men­to especial.

- A vi­tó­ria e a con­se­quen­te qua­li­fi­ca­ção ao Mun­di­al da Ale­ma­nha foi o me­lhor pre­sen­te que re­ce­bi em to­da a mi­nha vi­da. No dia se­guin­te, me can­ta­ram os pa­ra­béns, me ofe­re­ce­ram pren­das, mas a me­lhor de to­das já ti­nha si­do da­da no dia an­te­ri­or.

- Eu da­va tu­do pa­ra re­pe­tir o jo­go, mas iria pre­fe­rir que o jo­go fos­se re­a­li­za­do aqui em Lu­an­da, na Ci­da­de­la, eu até ho­je ain­da con­si­de­ro a Ci­da­de­la a ver­da­dei­ra ca­te­dral do nos­so fu­te­bol, o 11 de No­vem­bro es­tá lon­ge de ser nos­sa ca­te­dral, mi­nha opi­nião, a Ci­da­de­la de­ve­ria se man­ter, por­que por lá pas­sa­ram os me­lho­res jo­ga­do­res do nos­so fu­te­bol co­mo Je­sus, Ndun­gui­di, Abel, Pau­lão, Sa­a­ve­dra, Bar­bo­sa, a Ci­da­de­la de­ve­ria ser um mu­seu co­mo es­tá o es­tá­dio na­ci­o­nal do Ja­mor em Lis­boa, pa­ra mim a Ci­da­de­la se­rá a nos­sa ca­te­dral, por­que os cra­ques de to­das as ge­ra­ções do nos­so fu­te­bol pas­sa­ram pe­la Ci­da­de­la.

- Sim, até ago­ra ain­da sin­to as re­com­pen­sas des­se jo­go, os adep­tos que ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de nos ver a jo­gar ain­da nos dão um ca­ri­nho especial, mui­tos de­les fa­lam com sau­da­de da­que­le nos­so tem­po, pa­ra eles foi um mo­men­to bem mar­can­te da nos­sa se­lec­ção, é por is­so que a emo­ção con­tí­nua al­ta, não tem co­mo bai­xar quan­do vês o tem­po a pas­sar, mas com as pes­so­as sem­pre a fa­la­rem bem do que acon­te­ceu. É bo­ni­to quan­do is­so acon­te­ce, é bom ser re­co­nhe­ci­do por quem nos viu jo­gar, sin­to-me fe­liz por ter fei­to par­te des­se gru­po, que tor­nou re­a­li­da­de o so­nho do Mun­di­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.