“Em­pa­te na Ni­gé­ria abriu à por­ta do Mun­di­al”

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL -

- Sim! Aque­le foi o jo­go que pra­ti­ca­men­te nos abriu à por­ta do Mun­di­al, foi a par­tir daí que to­dos nós co­me­ça­mos a acre­di­tar que tí­nha­mos o ca­mi­nho li­vre pa­ra che­gar ao mun­di­al. A es­pe­ran­ça co­me­çou a se tor­nar mais for­te a par­tir da­que­le mo­men­to, por­que nós ven­ce­mos em nos­sa ca­sa, na Ci­da­de­la, por 1-0, en­tão, sabíamos que lá não po­de­ría­mos per­der, tí­nha­mos de, no mí­ni­mo, em­pa­tar pa­ra es­tar em van­ta­gem so­bre eles, se is­so acon­te­ces­se, co­mo acon­te­ceu, só iría­mos con­ti­nu­ar a de­pen­der de nós.

- Não te­nho dú­vi­das que sim! Pa­ra mim, foi o jo­go mais di­fí­cil do apu­ra­men­to, foi o mo­men­to mar­can­te pa­ra o des­fe­cho que que­ría­mos. Ne­nhum de nós po­de­ria ter uma re­ac­ção di­fe­ren­te de­pois do jo­go, por­que aque­la era uma Ni­gé­ria bem do­ta­da em tu­do, to­dos os seus gran­des cra­ques co­mo o Oko­cha, que até fez o 1-0, e o Ka­nu, só pa­ra ci­tar es­tes, es­ti­ve­ram em cam­po. Era uma se­lec­ção mui­to complicada de de­fron­tar com to­dos aque­les cra­ques que mi­li­ta­vam nos me­lho­res cam­pe­o­na­tos do mun­do.

- Nin­guém na­que­la se­lec­ção ti­nha co­mo pen­sar de ou­tra ma­nei­ra, to­dos nós fi­cá­mos con­ven­ci­dos de que ti­nha che­ga­do a nos­sa vez, pois a Ni­gé­ria era o úni­co ad­ver­sá­rio que ti­nha ca­pa­ci­da­de de nos ti­rar da li­de­ran­ça do gru­po, ao em­pa­tar com o ri­val di­rec­to, nós con­cluí­mos que só de­pen­día­mos de nós, por­que iría­mos ga­nhar to­dos os jo­gos que res­ta­vam até con­fir­mar o nos­so apu­ra­men­to.

- Nós na ver­da­de, tam­bém tí­nha­mos um gru­po mui­to for­te, que co­me­çou a ser pre­pa­ra­do mui­to an­tes da­que­la qua­li­fi­ca­ção ao Mun­di­al 2006. O nos­so lo­te de se­lec­ci­o­na­dos ti­nha jo­ga­do­res com grande ex­pe­ri­ên­cia in­ter­na­ci­o­nal, mui­tos de nós tí­nha­mos pas­sa­do nas se­lec­ções mais jo­vens, de­pois fo­ram in­cluí­dos atle­tas ex­pe­ri­en­tes co­mo An­dré Ma­kan­ga, Figueiredo, João Ri­car­do, e ou­tros, is­so nos per­mi­tiu cri­ar um gru­po for­te e co­e­so com atle­tas de di­fe­ren­tes ge­ra­ções, em­bo­ra a mai­o­ria já jo­gas­se jun­to des­de as se­lec­ções in­fe­ri­o­res. - Pa­ra mim, o Oli­vei­ra Gon­çal­ves não foi ape­nas um trei­na­dor, ele foi mui­to mais do que is­so, foi um pai pa­ra mim, me fez cres­cer não ape­nas co­mo jo­ga­dor, com ele cres­ci tam­bém co­mo ho­mem, é al­go que te­nho de agra­de­cer. É tam­bém gra­ças a ele, que ho­je es­tou a exer­cer um no­vo de­sa­fio na mi­nha vi­da, dei­xei de jo­gar mas es­tou a se­guir as pi­sa­das de­le co­mo trei­na­dor nas ca­ma­das jo­vens do 1º de Agos­to, es­tou sa­tis­fei­to por ter tam­bém a opor­tu­ni­da­de de pas­sar aos mais no­vos a ex­pe­ri­ên­cia que ad­qui­ri com o Professor Oli­vei­ra. - Até cer­to pon­to sim! Mui­tos de nós já jo­gá­va­mos jun­tos des­de as se­lec­ções de for­ma­ção, me lem­bro co­mo se fos­se ho­je, que internamen­te quan­do o Professor Ves­co e o Professor Oli­vei­ra co­me­ça­ram a fa­zer a cap­ta­ção de ta­len­tos, a ideia era ter 25 atle­tas com ida­de de Sub-20 pa­ra de­pois in­se­rir na se­lec­ção de hon­ras. Já na­que­la fa­se, 2001, nos in­cu­ti­ram que es­ta­vam a fa­zer um tra­ba­lho a lon­go pra­zo, que vi­sa­va es­tar nu­ma grande com­pe­ti­ção mun­di­al num pe­río­do de 10 anos, foi um tra­ba­lho de al­ta qua­li­da­de. - Eu me lem­bro que a men­sa­gem de­le foi mui­to sim­ples, ele nos fez ver que co­mo es­tá­va­mos a jo­gar na al­ti­tu­de, quem es­ti­ves­se can­sa­do po­de­ria pe­dir pa­ra sair pa­ra en­trar um jo­ga­dor mais fres­co, ele nos fez ver que só tí­nha­mos aque­le jo­go, era aque­le jo­go que po­de­ria nos ca­ta­pul­tar, pe­la pri­mei­ra vez, pa­ra o cam­pe­o­na­to do mun­do, tí­nha­mos de es­tar uni­dos, en­tão, quem es­ti­ves­se can­sa­do que pe­dis­se pa­ra sair, por­que to­dos es­ta­vam pre­pa­ra­dos pa­ra en­trar em cam­po. Eu fui até ao li­mi­te do que po­de­ria aguen­tar mas de­pois ti­ve mes­mo de sair. - Fe­liz­men­te, o Professor Oli­vei­ra foi mui­to fe­liz nas subs­ti­tui­ções que fez, ele di­zia an­tes do jo­go que tí­nha­mos de es­tar uni­dos, por­que to­dos es­ta­vam pre­pa­ra­dos pa­ra en­trar em cam­po. A jo­ga­da do go­lo aca­bou por lhe dar ra­zão, foi um lan­ce co­lec­ti­vo em que qua­se to­da a equi­pa par­ti­ci­pou, mas o Zé Ka­lan­ga e o Akwá aca­ba­ram por fi­car na me­mó­ria de to­dos, por­que um fez o cru­za­men­to e o ou­tro o ca­be­ce­a­men­to pa­ra o go­lo.

Men­don­ça con­si­de­ra jus­ti­ça te­rem eli­mi­na­do os ni­ge­ri­a­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.