Fu­tu­ro ga­ran­ti­do

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

No úni­co jo­go trans­mi­ti­do em ho­ra que se po­de con­si­de­rar no­bre, per­mi­tin­do mais e mai­or as­sis­tên­cia, não fo­mos fe­li­zes. A se­lec­ção na­ci­o­nal de Sub-17 per­deu, na ter­ça-fei­ra, di­an­te da Co­reia do Sul em jo­go que con­tou pa­ra os oi­ta­vos-de-fi­nal do Cam­pe­o­na­to do Mun­do, que de­cor­re na Re­pu­bli­ca Fe­de­ra­ti­va do Bra­sil.

Tra­tan­do-se de fa­se a eli­mi­nar, o com­bi­na­do na­ci­o­nal fi­cou afas­ta­do, dei­tan­do abai­xo o so­nho que ti­nha de ir um pou­co mais além na pro­va, ape­sar do es­for­ço que evi­den­ci­ou ao lon­go dos 90 mi­nu­tos pa­ra dar a vol­ta ao re­sul­ta­do, que, en­tre­tan­to, de­ve ser re­co­nhe­ci­do e enal­te­ci­do por to­dos nós.

Mas em ter­mos ge­rais, po­de­mos afe­rir que a equi­pa te­ve uma pres­ta­ção hon­ro­sa, no­ves fo­ra o afas­ta­men­to. Pois, aca­bou por sur­pre­en­der na po­si­ti­va. Atre­ve­mo-nos mes­mo a di­zer, que nem a pró­pria Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol es­pe­ra­va por uma ac­tu­a­ção tão fa­bu­lo­sa e tão con­se­gui­da.

Aliás, ao não ter acau­te­la­do o jo­go da se­lec­ção de hon­ras com a Gâm­bia, pa­ra as qua­li­fi­ca­ti­vas ao pró­xi­mo cam­pe­o­na­to do mun­do ,diz tu­do. Es­pe­ra­va-se que, pe­lo me­nos, até ao fim da fa­se de gru­po, Pe­dro Gon­çal­ves es­ta­ria já no país, pa­ra di­vul­gar a con­vo­ca­tó­ria e dar iní­cio à pre­pa­ra­ção. Má vi­são de cál­cu­lo, de uma ins­ti­tui­ção da sua ido­nei­da­de.

A se­lec­ção ter­mi­nou a sua mis­são mun­di­a­lis­ta. Mas di­ga­se em abo­no da ver­da­de, dei­xou mui­to boa im­pres­são. Jo­gou fu­te­bol de to­que bo­ni­to, mos­trou gin­ga e dei­xou a ver a to­dos que tem pra­ta su­fi­ci­en­te, pa­ra ga­ran­tir um fu­tu­ro ai­ro­so e pro­mis­sor pa­ra o fu­te­bol an­go­la­no, des­de que ve­nha a ser bem acom­pa­nha­da.

De res­to, não se­ria de es­tra­nhar se es­ta equi­pa fos­se mais lon­ge. Por­que, na prá­ti­ca, mos­trou fu­te­bol pa­ra tan­to. Re­a­ge bem nas ac­ções de­fen­si­vas, na cons­tru­ção e ar­ma­ção de jo­ga­das, as­sim co­mo a ata­car. Con­tra a No­va Ze­lân­dia e Ca­na­dá re­ve­lou-se uma fan­tás­ti­ca má­qui­na, com fu­te­bol de apu­ra­da qua­li­da­de téc­ni­ca.

Mes­mo nos jo­gos em que saiu ver­ga­da ao ónus da der­ro­ta, não saiu ca­bis­bai­xa, por­que não foi dó­cil tão pou­co ma­leá­vel. Mos­trou ar­te e en­ge­nho. Com o pri­mei­ro, aca­bou, a nos­so ver, pe­na­li­za­da pe­la fa­di­ga a meio da se­gun­da me­ta­de do jo­go,

Tra­tan­do-se de fa­se a eli­mi­nar, o com­bi­na­do na­ci­o­nal fi­cou afas­ta­do, dei­tan­do abai­xo o so­nho que ti­nha de ir um pou­co mais além na pro­va, ape­sar do es­for­ço que evi­den­ci­ou ao lon­go dos 90 mi­nu­tos pa­ra dar a vol­ta ao re­sul­ta­do, que, en­tre­tan­to, de­ve ser re­co­nhe­ci­do e enal­te­ci­do por to­dos nós.

e no se­gun­do por ma­ni­fes­ta fal­ta de sor­te. Mas, pe­lo sim pe­lo não, fi­cou pro­va­do que te­mos di­a­man­te no ter­re­no, pre­ci­san­do ape­nas da de­vi­da la­pi­da­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.