A vé­nia aos Sub-17 e ou­tras “ce­nas”

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - CAR­LOS CALONGO

Pa­ra iní­cio de con­ver­sa, uma vé­nia me­re­ci­da aos Pa­lan­qui­nhas, pe­la cam­pa­nha re­a­li­za­da no Mun­di­al em Sub 17, que ain­da de­cor­re nas ter­ras do sam­ba e do bom car­na­val, do qual os “pu­tos” saí­ram de ca­be­ça er­gui­da, com a cer­te­za de que, com a aten­ção de­vi­da, An­go­la tem um con­jun­to de jo­ga­do­res que nos po­de­rá or­gu­lhar nas ca­te­go­ri­as de sub 23 e hon­ra.

Fi­ca o re­ca­do à Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, pa­ra que co­me­ce já pen­sar num pla­no es­pe­cí­fi­co pa­ra man­ter co­e­so e em ac­ti­vi­da­de re­gu­lar es­te gru­po de me­ni­nos, que mos­tram co­nhe­cer os fun­da­men­tos ele­men­ta­res do fu­te­bol, sen­do que o res­to não de­pen­de ape­nas de­les.

A Na­ção agra­de­ce o que fi­ze­ram no Bra­sil e, ape­sar de ter es­ta­do ao vos­so al­can­ce, a pos­si­bi­li­da­de de fa­ze­rem um pou­co mais, so­bre­tu­do nos jo­gos com os an­fi­triães e a Co­reia do Sul, nos da­mos por sa­tis­fei­tos, pois sou­be­ram dig­ni­fi­car as co­res e sím­bo­los da Re­pú­bli­ca de An­go­la. Exis­te a cons­ci­ên­cia ge­ne­ra­li­za­da de que sois diamantes em via de la­pi­da­ção, as­sim co­mo a ne­ces­si­da­de de, a par­tir des­te tex­to, lan­çar o ape­lo pa­ra que se de­di­quem se­ri­a­men­te a ac­ti­vi­da­de que es­co­lhe­ram co­mo pro­fis­são nes­ta fa­se das vos­sas vi­das, e que sai­bam ge­rir as con­sequên­ci­as, (po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas) do mun­do da fa­ma, pa­ra on­de se pre­pa­ram pa­ra en­trar, se é que ain­da lá não es­tão.

Ape­sar do que aci­ma se re­fe­re com ca­rác­ter po­si­ti­vo, os re­sul­ta­dos ob­ti­dos fa­zem-me man­ter par­te do con­teú­do do tex­to por mim es­cri­to em vés­pe­ra do iní­cio da com­pe­ti­ção, em que dis­se ser im­pos­sí­vel so­nhar com a con­quis­ta do Mun­di­al, pois, em ter­mos glo­bais, te­mos mui­to pa­ra apren­der, fa­zer e me­lho­rar.

Não sen­do a mor­te de uma an­do­ri­nha, mo­ti­vo su­fi­ci­en­te pa­ra o fim da pri­ma­ve­ra, eis que no dia se­guin­te à eli­mi­na­ção dos Pa­lan­qui­nhas, as hon­ras fo­ram con­vo­ca­das pa­ra a du­pla em­prei­ta­da da pró­xi­ma se­ma­na, pon­tuá­vel pa­ra o apu­ra­men­to ao Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções, 2021.

Qua­se que co­mo um ac­to sa­cra­men­tal e re­li­gi­o­so, mais uma vez o ór­gão rei­tor da mo­da­li­da­de en­tre­ga-se a um con­jun­to de em­ba­ra­ços, que po­dem cau­sar dis­sa­bo­res (oxa­lá não acon­te­ça), ca­pa­zes de di­fi­cul­tar a con­quis­ta dos pon­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra se atin­gir o ob­jec­ti­vo prin­ci­pal des­te ti­po de pro­vas, que é a qua­li­fi­ca­ção.

Mais uma vez, a ques­tão de pla­ni­fi­ca­ção, ges­tão e ou­tras coi­sas sim­ples, mas in­dis­pen­sá­veis pa­ra o su­ces­so pre­ten­di­do, se apre­sen­tam co­mo fac­to­res de fra­que­za, a exem­plo da in­de­fi­ni­ção que se vi­veu so­bre qu­em iria ori­en­tar a se­lec­ção na­ci­o­nal de hon­ras, ca­so os Pa­lan­qui­nhas con­ti­nu­as­sem em pro­va, no Bra­sil.

Cá en­tre nós, aven­tou-se a pos­si­bi­li­da­de do di­rec­tor téc­ni­co da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, o ca­te­go­ri­za­do Mil­ler Go­mes, as­su­mir o co­man­do dos jo­gos da pró­xi­ma se­ma­na, o que se­ria, na nos­sa opi­nião, uma ma­ni­fes­ta pos­si­bi­li­da­de de be­lis­car o cur­rí­cu­lo do téc­ni­co, que tem pou­cas igual­da­des, em ter­mos de for­ma­ções des­por­ti­va.

Se ca­lhar, até pa­ra a pro­tec­ção de Mil­ler Go­mes, que há lar­go tem­po es­tá afas­ta­do do trei­na­men­to efec­ti­vo, e tal­vez sor­te pa­ra a FAF, a eli­mi­na­ção dos Sub 17 po­de ser en­ten­di­da co­mo da­que­les ma­les que vêm pa­ra bem. E as­sim, lá se con­se­guiu vol­tar ao pla­no A, qu­an­to a pes­soa que vai di­ri­gir a equi­pa na­ci­o­nal, coi­sa que ain­da não es­tá com­ple­ta­men­te re­sol­vi­da, pe­lo me­nos até a ela­bo­ra­ção des­te tex­to.

E nem va­mos fa­lar do jo­go do ga­to e o ra­to com que a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol se de­lei­tou em re­la­ção aos jo­gos do Gi­ra­bo­la Zap, mar­ca­dos pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na, que fi­ca­ram no “há e não há”, que ba­ra­lhou e tu­do e to­dos.

Mais do que is­so e a con­si­de­rar re­a­lis­tas as in­for­ma­ções de que, in­da­ga­do se iria co­man­dar os Pa­lan­cas na ver­são sé­ni­or, Pe­dro Gon­çal­ves dis­se “não saber”, fac­to que re­for­ça a te­se de que al­guns in­di­ví­du­os da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol, têm brin­ca­do de ge­rir o fu­te­bol da nos­sa Pá­tria-mãe que tem, no fenómeno des­por­ti­vo, mais do que is­so, uma ver­da­dei­ra ma­ni­fes­ta­ção so­ci­al, com a qual não se de­ve brin­car com sen­do uma “ce­na” qual­quer.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.