No­va era pa­ra o fu­te­bol an­go­la­no

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AU­GUS­TO FER­NAN­DES

ASe­lec­ção Na­ci­o­nal de Fu­te­bol de Sub-17 ter­mi­nou a sua his­tó­ri­ca par­ti­ci­pa­ção no Mun­di­al do Bra­sil, ao ser eli­mi­na­da pe­lo Co­reia do Sul por uma bo­la a ze­ro, nu­ma par­ti­da em que fo­ram to­tal­men­te su­pe­ri­o­res ao ad­ver­sá­rio.

Po­de­mos con­si­de­rar que a eli­mi­na­ção do on­ze an­go­la­no foi co­mo que “mor­rer na praia”, pois o ad­ver­sá­rio es­te­ve to­tal­men­te ao nos­so al­can­ce e ar­ris­co-me a di­zer que tec­ni­ca­men­te fa­lan­do é in­fe­ri­or ao Ca­na­dá, se­lec­ção que foi ca­te­go­ri­ca­men­te der­ro­ta­da pe­los nos­sos bra­vos ra­pa­zes. En­tre­tan­to, ape­sar da der­ro­ta e con­se­quen­te­men­te te­rem si­do eli­mi­na­dos da com­pe­ti­ção, os nos­sos ra­pa­zes fi­ze­ram mui­to boa fi­gu­ra no pre­sen­te Mun­di­al, abrin­do uma no­va era pa­ra o fu­te­bol An­go­la­no.

É im­por­tan­te re­cor­dar que na pri­mei­ra fa­se An­go­la ven­ceu a No­va Ze­lân­dia e o Ca­na­dá por du­as bo­las a uma e per­deu con­tra o Bra­sil por du­as bo­las a ze­ro. Cu­ri­o­sa­men­te, foi di­an­te dos an­fi­triões que a nos­sa equi­pa fez a sua me­lhor exi­bi­ção.

Em mi­nha opi­nião, es­ta foi a me­lhor pres­ta­ção de uma se­lec­ção an­go­la­na de fu­te­bol em com­pe­ti­ções in­ter­na­ci­o­nais, pois pe­la pri­mei­ra vez ti­ve­mos uma equi­pa cheia de ati­tu­de pra­ti­can­do e com uma qua­li­da­de aci­ma da mé­dia.

Pe­la pri­mei­ra vez, ti­ve­mos uma se­lec­ção, que ape­sar da sua ju­ven­tu­de, con­se­guiu dig­ni­fi­car o nos­so fu­te­bol e sur­pre­en­deu o mun­do, dei­xan­do uma gran­de men­sa­gem. Jo­ga­do­res co­mo Ge­o­va­ni, Afon­so, Ma­es­tro, Zi­ni, Da­vid, Ca­pi­ta, Zi­to Lu­vum­bo, e ou­tros mos­tra­ram ao Mun­do o que é o fu­te­bol “ma­de in An­go­la”. Em fun­ção da so­ber­ba exi­bi­ção dos Sub17, o nos­so fu­te­bol em to­dos os es­ca­lões é obri­ga­do a fa­zer me­lhor. Ou se­ja, es­pe­ra-se que do­ra­van­te os nos­sos re­pre­sen­tan­tes nas com­pe­ti­ções in­ter­na­ci­o­nais quer a ní­vel de se­lec­ções ou de clu­bes, te­nham ou­tra ati­tu­de com­pe­ti­ti­va.

Por exem­plo, os Pa­lan­cas Ne­gras, pas­sa­rão a so­frer uma gran­de pres­são de­pois des­ta gran­de exi­bi­ção dos Sub-17. To­do Mun­do vai que­rer que os “mais ve­lhos” fa­çam me­lhor ou no mí­ni­mo igual aos Pa­lan­qui­nhas.

A in­fluên­cia da ati­tu­de dos nos­sos ra­pa­zes no Mun­di­al do Bra­sil, foi no­tó­ria no úl­ti­mo dér­bi na­ci­o­nal, no pas­sa­do dia 3 no Es­tá­dio 11 de No­vem­bro, en­tre os dois mai­o­res co­los­sos do nos­so fu­te­bol, o Pe­tro de Lu­an­da e 1º de Agos­to.

A ul­ti­ma a vez que vi­mos o Es­tá­dio 11 de No­vem­bro, com aque­la mol­du­ra hu­ma­na per­to das 50 mil al­mas, foi no jo­go en­tre os mi­li­ta­res do “Rio Se­co” e TP Ma­zem­be da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), no jo­go da pri­mei­ra mão com re­sul­ta­do nu­lo. Aque­la mol­du­ra hu­ma­na com­pa­re­ceu ao es­tá­dio co­mo for­ma de exi­gir aos ko­tas uma exi­bi­ção de al­to ní­vel. E as­sim acon­te­ceu. Já há mui­tos anos que não vía­mos um 'tru­mu­no' com aque­le ní­vel en­tre as du­as equi­pas.

Is­to im­pli­ca di­zer, que por “cul­pa” da ex­ce­len­te exi­bi­ção dos nos­sos ra­pa­zes da Se­lec­ção Na­ci­o­nal de Sub-17, o nos­so fu­te­bol es­tá con­de­na­do a evo­luir. Não tem co­mo não ser as­sim, por­que se as­sim não for o Mun­do não nos vai per­do­ar.

É ca­so pa­ra di­zer que a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF) tem a par­tir de ago­ra a res­pon­sa­bi­li­da­de de não dei­xar que es­ta se­men­te que foi plan­ta­da pe­los Sub-17 mor­ra. Is­to im­pli­ca di­zer que es­ta ge­ra­ção de jo­ga­do­res de­ve ser pro­te­gi­da até atin­gi­rem o es­ca­lão sé­ni­or a ní­vel de Se­lec­ções Na­ci­o­nais. A FAF, te­rá de cri­ar me­ca­nis­mos, e pro­jec­tos pa­ra man­ter es­tes bra­vos ra­pa­zes em al­to ní­vel o que vai im­pli­car um acom­pa­nha­men­to atu­ra­do mes­mo atra­vés de su­as equi­pas. Is­to só se­rá pos­sí­vel se ha­ver uma apro­xi­ma­ção sau­dá­vel com as di­rec­ções de seus res­pec­ti­vos clu­bes.

Se­ria mui­to tris­te ver um des­tes ga­ro­tos per­di­dos nas ru­as da nos­sa ca­pi­tal a con­ser­tar te­le­fo­nes, ou a ven­de­rem sal­dos, ou em am­bi­en­tes de gru­pos de be­be­dei­ras ou ou­tros com­por­ta­men­tos no­ci­vos co­mo acon­te­ceu com vá­ri­os ta­len­tos que aca­ba­mos per­den­do.

Es­te ti­po de si­tu­a­ções só po­dem ser evi­ta­das se ha­ver po­lí­ti­cas que obri­guem os seus res­pec­ti­vos clu­bes a pro­te­ge­rem os ra­pa­zes por dar-lhes opor­tu­ni­da­des de apa­re­ce­rem nos de­mais es­ca­lões das su­as agre­mi­a­ções.

É im­por­tan­te tam­bém, pro­te­ger-se os jo­ga­do­res de si­tu­a­ções na­da abo­na­tó­ri­as co­mo as que o jo­vem Ca­pi­ta vi­veu an­tes da ida ao Mun­di­al e que de certa for­ma pe­sou bas­tan­te no seu de­sem­pe­nho ao ser­vi­ço da Se­lec­ção Na­ci­o­nal.

Por ou­tro la­do, te­mos de re­co­nhe­cer e aplau­dir o gran­de em­pe­nho das di­rec­ções de clu­bes co­mo o 1º de Agos­to, Aca­de­mia de Fu­te­bol de An­go­la (AFA), In­ter­clu­be e ou­tros, na for­ma­ção des­tes jo­vens ta­len­tos que mui­to or­gu­lho­sa­men­te nos re­pre­sen­ta­ram no Mun­di­al do Bra­sil. Não res­tam dú­vi­das que o fu­te­bol de­ve co­me­çar na ba­se, o que sig­ni­fi­ca di­zer que o es­ta­do an­go­la­no de­ve pres­tar bas­tan­te aten­ção e apoio nas ca­ma­das de for­ma­ção. Um gran­de aplau­so aos bra­vos ra­pa­zes!

É im­por­tan­te re­cor­dar que na pri­mei­ra fa­se An­go­la ven­ceu a No­va Ze­lân­dia e o Ca­na­dá por du­as bo­las a uma e per­deu con­tra o Bra­sil por du­as bo­las a ze­ro. Cu­ri­o­sa­men­te, foi di­an­te dos an­fi­triões que a nos­sa equi­pa fez a sua me­lhor exi­bi­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.