Ha­ve­mos de vol­tar

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Pre­gar a pa­la­vra de Deus num mun­do to­ma­do por ateus é qua­se na­da. É des­per­dí­cio de tem­po. O mes­mo se po­de di­zer so­bre fa­zer jor­na­lis­mo cul­tu­ral num país em que mú­si­cos, po­e­tas, pin­to­res, es­cul­to­res e ou­tros ar­tis­tas não exis­tam. Com ba­se no in­trói­to se po­de cal­cu­lar co­mo se tor­nou uma obra de Hér­cu­les fa­zer jor­nal, quan­do a ac­ti­vi­da­de des­por­ti­va se en­con­tra, li­te­ral­men­te, pa­ra­da.

Mas, fiéis ao ve­lho di­ta­do, se­gun­do es­te “qu­em não tem cão ca­ça com ga­to”, man­ti­ve­mo-nos, até on­tem, fir­mes na trin­chei­ra, fa­zen­do o pos­sí­vel e o im­pos­sí­vel, pa­ra mar­car a nos­sa pre­sen­ça e con­ti­nu­ar a ser­vir aque­les que, en­quan­to lei­to­res, nos fo­ram sem­pre fiéis ao lon­go dos anos que an­da­mos nes­te com­pro­mis­so de acom­pa­nhar e in­for­mar o mun­do des­por­ti­vo.

Fi­ze­mos es­for­ço pa­ra con­ti­nu­ar aqui, por­que en­ten­de­mos que to­da a pro­fis­são im­põe de­sa­fio aos seus fa­ze­do­res. Aliás, bas­ta olhar pa­ra a en­tre­ga, se não sa­cri­fí­cio, dos mé­di­cos nos mo­men­tos das gran­des ca­la­mi­da­des, co­mo es­ta que ago­ra se aba­te con­tra a hu­ma­ni­da­de, ou pa­ra o he­roís­mo dos ser­vi­do­res de exér­ci­tos nas gran­des guer­ras.

Te­mos es­ta­do nes­ta lu­ta ti­tâ­ni­ca, de acor­dar sem sa­ber co­mo fe­char as pá­gi­nas do jor­nal, não ha­ven­do mais fu­te­bol, não ha­ven­do mais bas­que­te­bol, não ha­ven­do mais trei­nos, não ha­ven­do mais con­fe­rên­ci­as de im­pren­sa, en­fim não ha­ven­do mais chi­co­ta­das psi­co­ló­gi­cas ou con­tra­tos a ce­le­brar. Es­tá­va­mos, en­fim, pe­ran­te um de­sa­fio, em que tam­bém não que­ría­mos sair der­ro­ta­dos.

O jor­na­lis­mo, em­bo­ra te­nha co­mo es­sên­cia in­for­mar, e a in­for­ma­ção re­sul­te de fac­tos ocor­ri­dos, tam­bém faz-se com cri­a­ti­vi­da­de, des­de que ser­vi­do por gen­te que evi­te cair de­sa­for­tu­na­da­men­te nos “lu­ga­res-co­muns”. In­ves­ti­gar, ana­li­sar is­to e aqui­lo, po­de aju­dar a de­mar­car-se de con­teú­dos me­ra­men­te no­ti­ci­o­sos ou da agen­da ins­ti­tu­ci­o­nal.

Ten­ta­mos con­ti­nu­ar, por­que en­ten­de­mos que o mo­men­to que se vi­ve cons­ti­tuiu, pe­lo sim pe­lo não, um tes­te à ca­pa­ci­da­de pro­fis­si­o­nal do ho­mem, até que pon­to po­de ou não fa­zer o seu tra­ba­lho na au­sên­cia de competiçõe­s des­por­ti­vas. Por­que não se po­den­do já ta­xar o mo­men­to que vi­ve­mos co­mo ca­tas­tró­fi­co, po­de sim ser con­si­de­ra­do co­mo de­fe­so to­tal.

A equi­pa des­te jor­nal jun­ta-se a do JA e jun­tas da­rão su­por­te a edi­ção, aos sábados, de dez pá­gi­nas

Es­ta foi uma das ra­zões, que le­vou a ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa sus­pen­der tem­po­ra­ri­a­men­te a pro­du­ção do Jor­nal dos Des­por­tos, até que a si­tu­a­ção nor­ma­li­ze. En­quan­to is­so, a equi­pa re­dac­to­ri­al des­te jor­nal jun­tas­se a do Jor­nal de An­go­la e jun­tas da­rão su­por­te a edi­ção, aos sábados, de dez pá­gi­nas de­di­ca­das ao des­por­to.

Tra­ta-se, en­tre­tan­to, de uma si­tu­a­ção pro­vi­só­ria, em­bo­ra o re­gres­so às ban­cas não pas­se pe­la von­ta­de do ho­mem, mas pe­la re­du­ção de ca­sos do Co­vid-19. Mas te­mos fé que, com a bên­ção de Deus, e com a de­ter­mi­na­ção dos ho­mens, que não re­ga­tei­am es­for­ços no com­ba­te à pan­de­mia, ha­ve­mos de vol­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.