Co­vid-19 “pá­ra” vi­da des­por­ti­va

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO -

Com ex­cep­ção do Di­lú­vio, que foi uma des­trui­ção Mun­di­al cau­sa­da por Deus, no ano 2370 AEC a hu­ma­ni­da­de já en­fren­tou va­ri­as pan­de­mi­as, que co­lo­cou em ris­co a nos­sa exis­tên­cia.

Co­mo des­ta­que, te­mos em pri­mei­ro lu­gar a gri­pe Es­pa­nho­la, que acon­te­ceu em 1917, e ma­tou mais de cem mi­lhões de pes­so­as, a pes­te Bu­bó­ni­ca, en­tre 1343 á 1353, que cei­fou a vi­da a mais de 50 mi­lhões de pes­so­as, a va­río­la, de 1896 á 1980, que ma­tou mais de 300 mi­lhões e a có­le­ra que, des­de 1817 até ago­ra já ma­tou mui­tos mi­lha­res de se­res hu­ma­nos.

En­tre­tan­to, o Co­vid-19 ou sim­ples­men­te, Co­ro­na­ví­rus, que até ago­ra já cei­fou a vi­da a mais de 18 mil pes­so­as, num universo de 300 mil pes­so­as in­fec­ta­das, is­to des­de De­zem­bro de 2019, é uma pan­de­mia que es­tá a ater­ro­ri­zar e co­lo­car o Mun­do em sen­ti­do.

Por “or­dem” do Co­vid-19, to­dos os even­tos Des­por­ti­vos e cul­tu­rais na mai­or par­te dos paí­ses do Mun­do, es­tão sus­pen­sos, por­que o grau de con­tá­gio é mui­to rá­pi­do e im­per­cep­tí­vel.

Por cau­sa des­te ví­rus ma­lan­dro, ci­da­des es­tão va­zi­as e o me­do é vi­sí­vel no ros­to da mai­or par­te das pes­so­as.

Os jo­gos Olím­pi­cos, que se­ri­am re­a­li­za­dos em Tó­quio, Ja­pão, o nos­so clás­si­co dos clássicos, en­tre o 1º de Agos­to e Pe­tro de Lu­an­da, que es­ta­va mar­ca­do pa­ra o pró­xi­mo dia 28 (sá­ba­do), e ou­tras gran­des ac­ti­vi­da­des des­por­ti­vas em Áfri­ca e em qua­se to­dos os 197 paí­ses em que o ví­rus já se hos­pe­dou, fo­ram adi­a­dos.

As con­sequên­ci­as des­tes adi­a­men­tos ou can­ce­la­men­tos de even­tos des­por­ti­vos é in­cal­cu­lá­vel. Por exem­plo, a mai­or par­te dos clu­bes da Eu­ro­pa, es­tão a re­du­zir os sa­lá­ri­os de seus jo­ga­do­res, por fal­ta de en­tra­da de re­cei­tas e ou­tros até es­tão a des­pe­dir al­guns “fun­ci­o­ná­rio” ou a sus­pen­der os con­tra­tos.

No en­tan­to, ape­sar da se­ri­e­da­de do as­sun­to, não há mo­ti­vos pa­ra pâ­ni­co. Te­mos de con­ti­nu­ar a obe­de­cer es­cru­pu­lo­sa­men­te as re­gras de pre­ven­ção e apren­der dos er­ros dos ou­tros paí­ses. Além dis­so, cer­ca de 109 mil pes­so­as se re­cu­pe­ra­ram da do­en­ça. Is­to é ani­ma­dor.

Te­mos mo­ti­vos pa­ra acre­di­tar, que den­tro de pou­cos di­as a si­tu­a­ção vol­ta­rá a es­tar sob con­tro­lo das au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as mun­di­ais, co­mo é ca­so da Chi­na, país de on­de se ori­gi­nou a Pan­de­mia, e aí a vi­da des­por­ti­va vol­ta­rá a nor­ma­li­da­de.

Es­sa pa­ra­gem for­ça­da da vi­da des­por­ti­va po­de ser bem vin­da pa­ra umas equi­pas e o in­ver­so pa­ra ou­tras fu­te­bo­lis­ti­ca­men­te fa­lan­do não só em An­go­la, co­mo nos de­mais paí­ses. Por exem­plo, até que pon­to es­ta pa­ra­gem irá in­flu­en­ci­ar no des­fe­cho do Gi­ra­bo­la?

Na­tu­ral­men­te es­te por­me­nor se­rá evi­den­te tam­bém nou­tras mo­da­li­da­des, co­mo por exem­plo no Bas­que­te­bol, on­de o 1º de Agos­to, que tem si­do uma som­bra de si mes­mo, po­de­rá apro­vei­tar es­ta pa­ra­gem pa­ra re­a­bas­te­cer os pul­mões de oxi­gé­nio e vol­tar a ser o mons­tro que sem­pre foi.

Va­mos es­pe­rar pe­lo fim da “lei” do Co­ro­na­ví­rus, pa­ra ver até que pon­to o des­por­to fi­ca­rá afec­ta­do por es­ta pa­ra­li­sa­ção for­ça­da. En­quan­to is­so, te­mos de con­ti­nu­ar a man­ter a cal­ma e se­guir ri­go­ro­sa­men­te as ori­en­ta­ções de pre­ven­ção con­tra es­ta Pan­de­mia.

DOMBELE BER­NAR­DO EDI­ÇÕES NOVEMBRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.