Há vi­da pa­ra lá do Co­vid-19

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - CAR­LOS CALONGO

Com uma ou ou­tra ex­cep­ção, to­das as pro­jec­ções des­por­ti­vas pa­ra o pre­sen­te ano es­tão com­pro­me­ti­das por con­ta do ví­rus de­no­mi­na­do Co­vid-19, a no­va ver­são do Co­ro­na ví­rus, de qu­em os es­tra­gos são vi­sí­veis e pre­o­cu­pan­tes, so­bre­tu­do em re­la­ção a per­da de vi­das hu­ma­nas que tem a Itá­lia co­mo o país com a mais ele­va­da ta­xa de mor­ta­li­da­de.

No par­ti­cu­lar das ter­ras de Pau­lo Ros­si, Mal­di­ni, Do­na­do­ni, Ba­re­si, Buf­fon, Del Pi­e­ro e tan­tos ou­tros, o ano de 2020 é pa­ra es­que­cer, ain­da que nos pró­xi­mos di­as o qua­dro se al­te­re, fac­to que não fa­rá re­gres­sar nem me­ta­de do mui­to que já se per­deu, en­ten­den­do o des­por­to co­mo uma ver­da­dei­ra in­dús­tria, que ge­ra avul­ta­das so­mas fi­nan­cei­ras.

Por con­ta des­te ma­lig­no ví­rus tu­do es­tá qua­se que li­te­ral­men­te pa­ra­do, res­tan­do que se ti­rem li­ções po­si­ti­vas des­ta cri­se cu­ja cul­pa não po­de ca­mi­nhar so­zi­nha ou se­ja, sem a com­pa­nhia da ne­gli­gên­cia ou ig­no­rân­cia (?) hu­ma­na, que pa­ra al­guns ca­sos, aju­dou a pro­li­fe­rar a pan­de­mia.

Ro­ga­mos, pois, que na ter­ra de Sua San­ti­da­de, o lí­der da Igre­ja Ca­tó­li­ca Ro­ma­na, a vi­da vol­te ao nor­mal quan­to an­tes, e que se­ja de­vol­vi­da a ale­gria pe­los dri­bles, pas­ses, go­los e ou­tros pra­ze­res do mun­do do des­por­to, so­bre­tu­do do fu­te­bol jo­ga­do na­que­las pa­ra­gens, que tem jo­ga­do­res de cra­vei­ra in­ter­na­ci­o­nal.

E en­quan­to o lo­bo não vem, mais do que o pra­zer pe­lo des­por­to, de­ve­mos to­dos unir for­ças e es­for­ços pa­ra que a pan­de­mia do no­vo Co­ro­na ví­rus pos­sa ser ul­tra­pas­sa­da, com o de­se­jo de nun­ca mais ne­nhum mal­di­to ser hu­ma­no se dis­po­nha à cri­a­ção de tão des­ne­ces­sá­rio ví­rus pos­to ao ser­vi­ço do mal.

Cá por nós e não fu­gin­do à re­gra, o Go­ver­no de­ci­diu to­mar me­di­das ex­tra­or­di­ná­ri­as ur­gen­tes pa­ra evi­tar a im­por­ta­ção de ca­sos de Co­vid-19 e sal­va­guar­dar a vi­da e a se­gu­ran­ça da po­pu­la­ção, mas que in­fe­liz­men­te não fo­ram ri­go­ro­sa­men­te ob­ser­va­das por al­guns com­pa­tri­o­tas, daí a exis­tên­cia de pe­lo me­nos 3 ca­sos po­si­ti­vos, anun­ci­a­dos até a al­tu­ra da ela­bo­ra­ção des­te tex­to.

É co­mo di­zer, há qu­em ain­da não des­piu o fa­to da mania e ar­ro­gân­cia, co­si­dos no es­ti­lo do “eu man­do, pos­so e fa­ço”, ao pon­to de “vi­o­la­rem” o ape­lo do mais al­to ma­gis­tra­do da na­ção, o Pre­si­den­te João Lou­ren­ço, pa­ra que os ci­da­dãos an­go­la­nos e es­tran­gei­ros re­si­den­tes no país ob­ser­vas­sem com ri­gor as me­di­a­das de­cre­ta­das.

Bom gra­do que nes­te gru­po, ape­sar de al­gum des­fa­sa­men­to, os agen­tes des­por­ti­vos não co­lo­ca­ram as im­pres­sões di­gi­tais de for­ma tão com­pro­me­te­do­ra, ten­do ido a tem­po de cor­ri­gir even­tu­ais er­ros e co­la­bo­rar com as ins­ti­tui­ções, fa­zen­do pa­rar tu­do e mais o res­to, cons­tan­tes no De­cre­to Le­gis­la­ti­vo Pre­si­den­ci­al Pro­vi­só­rio n.º 1/20, de 18 de Mar­ço.

Ain­da en­tre nós, as sec­ções des­por­ti­vas de al­guns ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, so­bre­tu­do os tra­di­ci­o­nais do sis­te­ma áu­dio vi­su­al, op­ta­ram por pa­ra­li­sar os ser­vi­ços in­for­ma­ti­vos, mo­ti­va­dos por ra­zões que ou­tros, me­lhor do que eu sa­be­rão, ape­sar da mi­nha in­qui­e­ta­ção provocada pe­la me­di­da.

E com uma pul­ga à ore­lha, sem que se­ja um ac­to de de­se­le­gân­cia pa­ra o es­pa­ço on­de, com al­guns co­le­gas, par­ti­lhei a mi­nha vi­são so­bre a me­di­da, tra­go o as­sun­to pa­ra cá, ex­pres­san­do a mi­nha indignação a co­ber­to de fun­da­men­tos - al­guns de­les- já par­ti­lha­dos num gru­po do whatsApp.

Sou de opi­nião, por exem­plo, que en­quan­to du­rar o fla­ge­lo

Co­vid, no exer­cí­cio da pro­fis­são po­de­mos nos rein­ven­tar, par­tin­do pa­ra a ela­bo­ra­ção de tra­ba­lhos jor­na­lís­ti­cos dis­tan­ci­a­dos do tra­di­ci­o­nal pro­ces­so de reportagem dos acon­te­ci­men­tos em sí, em aqui­lo que re­pre­sen­ta obe­di­ên­cia ao “ins­ti­tu­ci­o­nal”.

Su­gi­ro, co­mo hi­pó­te­se, a abor­da­gem de te­mas que mui­tas ve­zes, por ra­zões ób­vi­as, não são di­vul­ga­dos com al­gu­ma pro­fun­di­da­de, a exem­plo de me­mó­ri­as dos nos­sos cam­pe­o­na­tos, o ex­tra-cam­po dos jo­ga­do­res, o ou­tro la­do dos ár­bi­tros, etc, etc.

Tu­do is­so, po­rém, são ape­nas idei­as que va­lem o que (não) va­lem, mas que po­dem ser ob­ser­va­das até por­que o mun­do do des­por­to tem um pú­bli­co-al­vo mui­to es­pe­cí­fi­co, que só não sei se fi­ca to­tal­men­te sa­tis­fei­to com a me­di­da, que ape­sar de não in­va­li­dar os ris­cos da Co­vid-19, con­tra o qual to­dos so­mos a com­ba­ter nos obri­ga a re­cor­dar que há vi­da pa­ra lá do Co­vid-19.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.