Di­na Si­mão, So­raya da Pi­e­da­de, Na­dir Ta­ti, Eli­sa­beth San­tos e Li­se­te Po­te

Super Fashion - - Índice - POR MA­RIA SAN­TOS

"o que me dei­xa fe­liz é o amor, a fa­mí­lia, a ami­za­de e a ver­da­de"

Como es­tá a cor­r­rer a sua car­rei­ra a so­lo?

Mui­to bem gra­ças a Deus, a mi­nha car­rei­ra a so­lo foi um pas­so que sem­pre ti­ve me­do de dar, mas te­nho re­ce­bi­do apoio de pes­so­as quem nun­ca pen­sei ter an­tes, de dentro e fo­ra do mun­do das ar­tes e es­tou-lhes mui­to gra­ta.

Es­tá sa­tis­fei­ta com a acei­ta­ção do seu tra­ba­lho "Tam­bém sei ser"?

Mui­to, foi uma mú­si­ca que me foi en­tre­gue pe­los Zo­na Sul Te­am e lo­go à pri­mei­ra vi que coin­ci­dia mui­to com o meu tim­bre vo­cal e não he­si­tei em gra­vá-la. Como é a mi­nha pri­mei­ra mú­si­ca com vi­de­o­cli­pe, te­nho sen­ti­do um fe­ed­back mui­to sa­tis­fa­tó­rio. As pes­so­as en­vi­am­me ví­de­os a can­tar e sin­to-me mui­to bem por fa­zer par­te da play­list de­les.

Ao de­ci­dir en­ve­re­dar por uma car­rei­ra a so­lo o que sig­ni­fi­ca pa­ra o gru­po as Afri­ka­nas? Sig­ni­fi­ca que che­gou ao fim ou ain­da se po­dem jun­tar?

As Afri­ka­nas não es­tão se­pa­ra­das, além de um gru­po de tra­ba­lho so­mos ami­gas e ir­mãs, va­mos es­tar sem­pre jun­tas como gru­po e fo­ra dis­so. Quan­do de­ci­di ti­rar o meu tra­ba­lho a so­lo, elas apoi­a­ram-me mui­to e ho­je cada uma va­lo­ri­za, se­gue e aju­da no tra­ba­lho das ou­tras, nós so­mos mui­to mais que uma ban­da e es­sa re­la­ção é mui­to im­por­tan­te nas nos­sas vi­das.

Des­tes anos to­dos com o gru­po Afri­ka­nas, que gran­des mo­men­tos quer re­al­çar?

Te­mos ti­do uma jor­na­da mui­to boa e pas­sá­mos por vá­ri­os mo­men­tos me­mo­rá­veis, vi­a­já­mos pa­ra mui­tos paí­ses e dos mo­men­tos mais ines­que­cí­veis pa­ra mim foi o car­na­val na Baía, no Bra­sil. Ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de atu­ar com o mú­si­co Car­li­nhos Brown, um íco­ne da MPB. Aqui em An­go­la, foi o pré­mio de me­lhor gru­po no An­go­la Mu­sic Awards. No en­tan­to, pa­ra mim, ne­nhum mo­men­to foi mais im­por­tan­te do que a ven­da do nos­so dis­co “So­nhos e Ver­da­des”.

Os pro­ble­mas com a Nei­de nun­ca afe­ta­ram a co­e­são do gru­po?

Não, os pro­ble­mas com a Nei­de nun­ca afec­ta­ram as qua­tro como gru­po, tan­to que nós con­ti­nu­a­mos sem­pre jun­tas como an­tes e en­fim… Pa­ra a frente é o ca­mi­nho e cada uma é li­vre de fa­zer as su­as es­co­lhas, o fac­to de mes­mo as­sim con­ti­nu­ar­mos jun­tas é o mais im­por­tan­te pa­ra mim.

Foi bom fa­ze­rem as pa­zes?

É sem­pre bom quan­do se faz o bem, o co­ra­ção fi­ca mais le­ve.

É uma pes­soa ran­co­ro­sa ou sa­be per­do­ar com fa­ci­li­da­de?

Não, mui­to pelo con­trá­rio, um dos fac­to­res que con­si­de­ro ser o meu mai­or er­ro é mes­mo per­do­ar fá­cil e rá­pi­do de mais.

O que é que a faz ver­da­dei­ra­men­te fe­liz?

O que me dei­xa fe­liz é o amor, a fa­mí­lia, a ami­za­de e a ver­da­de.

E o que é que a dei­xa de­ce­ci­o­na­da?

O que me dei­xa mais de­ce­ci­o­na­da é a men­ti­ra, não su­por­to.

Se­guir uma car­rei­ra mu­si­cal sem­pre fez par­te dos seus pla­nos? Quan­do era criança o que que­ria ser?

Por aca­so não, eu pas­sei por um ca­mi­nho mui­to lon­go an­tes de so­nhar com a mú­si­ca. No iní­cio so­nha­va ser uma gran­de atriz, fiz te­a­tro du­ran­te oi­to anos, de­pois so­nhei com a dan­ça e fui bai­la­ri­na du­ran­te al­guns ani­nhos tam­bém. O so­nho de ser can­to­ra sur­ge quan­do des­cu­bro es­ta veia ar­tís­ti­ca dentro de mim, is­so acon­te­ceu mui­to mais tar­de.

Quais são as su­as gran­des ins­pi­ra­ções mu­si­cais?

São mui­tas, an­go­la­nas e in­ter­na­ci­o­nais. Oi­ço mui­ta mú­si­ca e be­bo mui­to de to­dos os es­ti­los, mas fa­lan­do daqui eu gos­to de Ga­bri­el Tchi­el­ma, Do­dó Miranda Yo­la Se­me­do, Pé­ro­la, Ma­ti­as Da­má­sio, etc…

E na vida pes­so­al, quem e o quê a ins­pi­ra?

Na vida pes­so­al são a mi­nha mãe e as mi­nhas ti­as, que por pi­or que se­jam as cir-

cuns­tân­ci­as sem­pre nos apoi­a­ram e to­ma­ram con­ta de to­dos nós como fi­lhos.

Que de­se­jos ain­da tem por al­can­çar, na car­rei­ra e na vida pes­so­al?

Na vida pes­so­al, ter saú­de e ser fe­liz. Como uma gran­de par­te das mu­lhe­res, am­bi­ci­o­no a mi­nha fa­mí­lia e ter fi­lhos; na vida ar­tís­ti­ca, que­ro con­ti­nu­ar a fa­zer mú­si­ca, ar­te, fa­zer par­te do mu­si­cal an­go­la­no e con­ti­nu­ar a sur­pre­en­der.

Qual o seu mai­or so­nho?

Ser fe­liz, não im­por­ta como, mas fe­liz, e ver os meus fe­li­zes tam­bém.

Com quem gos­ta­ria de um dia su­bir ao pal­co? Porquê?

Em An­go­la gra­ças a Deus já con­se­gui re­a­li­zar o so­nho de can­tar com a Yo­la Araú­jo, Ma­ti­as Da­má­sio e Yo­la Se­me­do, fui bai­la­ri­na dos três e foi uma hon­ra di­vi­dir o pal­co com eles. Gos­ta­ria tam­bém de can­tar com Do­dó Miranda, Ga­bri­el Tchi­e­ma, Pé­ro­la por­que são ar­tis­tas que têm per­for­man­ces que me atra­em mui­to e vo­zes ma­ra­vi­lho­sas.

Sen­do uma fi­gu­ra pú­bli­ca, sen­te mui­tas ve­zes fal­ta do sos­se­go e do ano­ni­ma­to?

A mai­o­ria dos fãs não são agres­si­vos, e eu gos­to de fa­lar com os fãs, con­vi­ver com eles por­que eu tam­bém sou fã de al­guns ar­tis­tas e era as­sim que gos­ta­ria de ser tra­ta­da. No en­tan­to, às ve­zes sin­to sim que faz fal­ta ser anó­ni­ma, poder an­dar na rua à von­ta­de, ir a festas e me diver­tir, ir às com­pras… Re­su­min­do, gos­to mui­to de ser abor­da­da pe­los meus fãs, até por­que sou uma pes­soa mui­to co­mu­ni­ca­ti­va, mas às ve­zes sin­to um pou­co a fal­ta da pri­va­ci­da­de de uma pes­soa co­mum.

As fi­gu­ras pú­bli­cas são tam­bém um mo­de­lo e uma ins­pi­ra­ção. O que tem a di­zer aos seus fãs?

Que­ro agra­de­cer-lhes por tu­do, pelo apoio in­con­di­ci­o­nal, pe­las crí­ti­cas cons­tru­ti­vas, men­sa­gens cons­tru­ti­vas. Os fãs são uma das coi­sas que nos faz con­ti­nu­ar e ten­to sem­pre ter uma con­du­ta po­si­ti­va pa­ra as pes­so­as que gos­tam de mim. Um bei­ji­nho mui­to gran­de ao meu fã clu­be, que sem­pre me apoia em to­dos os even­tos.

Fa­le­mos de mo­da. Que im­por­tân­cia as­su­me na sua vida?

Gos­to de mo­da, acom­pa­nho e si­go al­gu­mas ten­dên­ci­as, ad­mi­ro mui­to quem as cria, aque­las pes­so­as ex­cên­tri­cas e que po­dem ves­tir tu­do o que qui­se­rem. No en­tan­to, não é al­go que guie a mi­nha vida e a for­ma como me vis­to di­a­ri­a­men­te.

Es­tá sem­pre a par das ten­dên­ci­as ou pre­fe­re ter um es­ti­lo pró­prio?

Eu te­nho o meu pró­prio es­ti­lo. Gos­to de es­tar sem­pre com lo­oks em que me sin­ta bem.

Como de­fi­ni­ria o seu es­ti­lo?

O meu es­ti­lo va­ria, de mo­men­to gos­to de me ves­tir de for­ma clás­si­ca, mas tam­bém não dis­pen­so cal­ças je­ans, que amo.

Como gos­ta de se ves­tir e porquê?

Gos­to de rou­pa con­for­tá­vel, na­da es­tra­ga um even­to mais do que uma rou­pa des­con­for­tá­vel ou um sa­pa­to aper­ta­do.

É uma mu­lher bem re­sol­vi­da com o seu cor­po?

Sou uma mu­lher su­per bem re­sol­vi­da com o cor­po, as ve­zes mais chei­nha ou­tras mais ma­gra, o que eu que­ro é ser fe­liz!

Se pu­des­se mu­da­va al­gu­ma coi­sa?

Só há mais uma pe­que­na coi­sa que gos­ta­ria de mu­dar…

É a fa­vor de plás­ti­cas? Põe a hi­pó­te­se de fa­zer al­gu­ma?

Sou a fa­vor das plás­ti­cas, não jul­go quem já te­nha fei­to, gos­to mui­to de con­ver­sar so­bre is­so e po­nho a hi­pó­te­se de fa­zer uma.

Acha que as pes­so­as dão de­ma­si­a­da aten­ção à apa­rên­cia em de­tri­men­to de ou­tras ques­tões es­pi­ri­tu­ais e morais?

Acho, aliás, te­nho a cer­te­za que as pes­so­as dão mais aten­ção à apa­rên­cia do que a ou­tra coi­sa, prin­ci­pal­men­te no ca­so das fi­gu­ras pú­bli­cas fe­mi­ni­nas. É uma si­tu­a­ção que aca­ba por afec­tar e au­men­tar qual­quer de­sa­mor que já te­nha­mos com o nos­so cor­po, a mai­o­ria das pes­so­as não sa­be do nos­so tra­ba­lho mas sa­be do nos­so pe­so.

A Ci­la­na tra­ba­lha mui­to o seu lado es­pi­ri­tu­al?

Não tra­ba­lho mui­to o meu lado es­pi­ri­tu­al, mas não o po­nho de par­te, dou aten­ção a to­dos os fe­e­lings e si­nais que a vida me dá.

Que men­sa­gem gos­ta­ria de dei­xar às mu­lhe­res an­go­la­nas, es­pe­ci­al­men­te às mais jo­vens?

Que pra­ti­quem o bem, fa­çam as coi­sas com amor e ver­da­de, que se­jam vo­cês mes­mas. Sei que as coi­sas não são fá­ceis, é mui­ta men­ti­ra, dis­cri­mi­na­ção, mas que se­jam elas mes­mas e si­gam a sua vida sem pas­sar por ci­ma de nin­guém. Aci­ma de tu­do, que se­jam fe­li­zes.

Pe­gan­do no tí­tu­lo da sua mú­si­ca, o que é que a Ci­la­na tam­bém sa­be ser?

Eu sei ser mui­ta coi­sa, mas tam­bém sei ser ami­ga, sei ser uma boa mu­lher, tei­mo­sa, per­sis­ten­te, ma­ter­nal... Acho que eu e to­das as mu­lhe­res con­se­gui­mos ser tu­do o que qui­ser­mos.

O que é pa­ra si ser Su­per Fashi­on?

Ser Su­per Fashi­on não se re­su­me ape­nas ao que nós ves­ti­mos, mas sen­tir-se bem na sua pe­le, é acom­pa­nhar to­das as mo­das e ten­dên­ci­as e usá-las pa­ra o seu pró­prio out­fit.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.