2018 Os sig­nos DO AMOR

Super Fashion - - Life / Decoracao - POR MA­RIA SAN­TOS

carneiro

Em 2018 as ca­sas do amor e do ca­sa­men­to não es­ta­rão em al­ta, pelo que a sua si­tu­a­ção não de­ve so­frer al­te­ra­ções. Os as­tros vão dar-lhe li­ber­da­de pa­ra fa­zer o que en­ten­der da vida amo­ro­sa, mas a ver­da­de é que não re­ve­la­rá mui­to in­te­res­se por re­la­ções sé­ri­as. Os ro­man­ces es­tá­veis irão me­lho­rar, mas os que atra­ves­sam cri­ses po­de­rão ter­mi­nar. Os sol­tei­ros te­rão mui­tas opor­tu­ni­da­des amo­ro­sas, mas com gran­de ape­tên­cia pa­ra tra­zer con­fu­são. Pa­ra os na­ti­vos de Carneiro, as ami­za­des se­rão o pon­to for­te de 2018 e apa­re­ce­rão pes­so­as no­vas e mui­to in­te­res­san­tes que lhe fa­rão mui­to bem.

touro

Es­te ano te­rá a li­ber­da­de pa­ra vi­ver a vida so­ci­al e amo­ro­sa da ma­nei­ra que qui­ser, por­que ne­nhu­ma das ca­sas se­rá po­de­ro­sa. E as­sim, a sua si­tu­a­ção amo­ro­sa de­ve­rá pre­va­le­cer — os sol­tei­ros con­ti­nu­a­rão sol­tei­ros e os ca­sa­dos con­ti­nu­a­rão ca­sa­dos. Is­to não sig­ni­fi­ca que não es­tá a atrair o se­xo opos­to, atrai­rá e bas­tan­te! Mas a sua mai­or pre­o­cu­pa­ção se­rá com a car­rei­ra e com as fi­nan­ças. Mui­tos tau­ri­nos cri­a­ram “mu­ra­lhas” pa­ra se pro­te­ge­rem de frí­vo­las ten­ta­ti­vas de apro­xi­ma­ção. Mas es­sas bar­rei­ras im­pe­dem os bons re­la­ci­o­na­men­tos. Tem de tra­ba­lhar mui­to no sen­ti­do de mos­tar o quan­to gos­ta das ou­tras pes­so­as.

Gémeos

Pa­ra os ca­sa­dos, vai ser um ano de mui­tas bri­gas e al­guém te­rá de ce­der pa­ra man­ter a har­mo­nia con­ju­gal. A ca­ra-me­ta­de fa­rá tu­do pa­ra o agra­dar e fa­rá mui­tas ce­dên­ci­as. As bo­as re­la­ções vão me­lho­rar, mas as que atra­ves­sam pro­ble­mas po­de­rão che­gar ao fim. É um ano pa­ra mu­dan­ças de es­ta­do ci­vil, sol- tei­ros pas­sam a ca­sa­dos, ca­sa­dos pas­sam a di­vor­ci­a­dos. O amor se­rá ide­a­lis­ta e pu­ro. Es­te ano ha­ve­rá uma im­por­tan­te con­jun­ção Sa­tur­no-Jú­pi­ter, o que só acon­te­ce a cada vin­te anos, e se­rá mui­to im­por­tan­te pa­ra a sua vida amo­ro­sa. Pa­ra a mai­o­ria, é o co­me­ço de um ci­clo so­ci­al ou con­ju­gal com­ple­ta­men­te no­vo.

caranguejo

As ca­sas do amor e do ca­sa­men­to não se­rão for­tes es­te ano e se­rá obri­ga­do a to­mar uma de­ci­são so­bre o seu re­la­ci­o­na­men­to - ou se tor­na­rá mais sé­rio ou se dis­sol­ve­rá. Pa­ra os ca­sa­dos, os eclip­ses in­di­cam cri­ses no re­la­ci­o­na­men­to, por­que co­me­ça­rá a aper­ce­ber-se de de­fei­tos da sua ca­ra-me­ta­de que des­co­nhe­cia mas se os ul­tra­pas­sar po­de­rá for­ta­le­cer a re­la­ção. Mas os bons re­la­ci­o­na­men­tos ten­de­rão a fi­car ain­da mais for­tes, en­quan­to os fra­cos es­ta­rão em pe­ri­go. Vai sen­tir que pre­ci­sa de coi­sas di­fe­ren­tes na sua re­la­ção, como co­mu­nhão in­te­lec­tu­al, co­mu­ni­ca­ção, con­ver­sa, tro­ca de idei­as e pro­je­tos.

leão

A ca­sa do amor e do ca­sa­men­to se­rá mui­to im­por­tan­te pa­ra os le­o­ni­nos e as­sim de­ve­rá con­ti­nu­ar por mui­tos anos. Os pla­ne­tas tra­rão ide­a­lis­mo so­bre o amor, uma ân­sia pelo me­lhor e mais ele­va­do, e co­nhe­ci­men­to so­bre o que é o ver­da­dei­ro amor. Por outro lado, te­rá von­ta­de de me­lho­rar cons­tan­te­men­te a sua vida amo­ro­sa. Re­sul­ta­do: vai ser ex­ci­tan­te mas ins­tá­vel. É de­ma­si­a­do ide­a­lis­ta no amor, mas pre­ci­sa de apren­der que o amor per­fei­to não exis­te, por­que os seres hu­ma­nos são im­per­fei­tos. É um ano pro­pí­cio pa­ra mu­dan­ças de es­ta­do ci­vil, quer com ca­sa­men­tos ou di­vór­ci­os.

Virgem

O ano pas­sa­do foi o seu ano mais im­por­tan­te no que diz res­pei­to ao amor. Além de uma ex­pan­são nos seus re­la­ci­o­na­men­tos — mui­tos vir­gi­ni­a­nos ca­sa­ram-se ou en­vol­ve­ram-se em re­la­ci­o­na­men­tos sé­ri­os — tam­bém hou­ve mu­dan­ça de pos­tu­ra em re­la­ção ao amor e des­co­briu uma no­va li­ber­da­de nes­sa área. Mas em­bo­ra mui­tos te­nham en­con­tra­do o amor, ain­da há mui­to tra­ba­lho a fa­zer por­que as im­per­fei­ções po­dem vir à to­na. As bo­as re­la­ções so­bre­vi­vem. Os sol­tei­ros po­de­rão ter re­la­ci­o­na­men­tos a ro­çar a ob­ses­são, que afe­ta­rão a aten­ção que dão a ou­tras áre­as da vida, in­cluin­do o tra­ba­lho.

ba­lan­ça

Não há ne­ces­si­da­de de cor­rer pa­ra cli­mas exó­ti­cos ou sair da ci­da­de: o amor es­tá exa­ta­men­te on­de vo­cê es­tá. Se o con­vi­da­rem pa­ra uma fes­ta ou pa­ra co­nhe­cer al­guém, le­ve o con­vi­te a sé­rio por­que po­de­rá en­con­trar a sua ca­ra-me­ta­de. O pri­mei­ro se­mes­tre se­rá um pe­río­do qua­se per­fei­to no que se re­fe­re ao amor, pois te­rá mui­tas opor­tu­ni­da­des ro­mân­ti­cas que não se­rão sé­ri­as, mas di­ver­ti­das. Mas tam­bém ha­ve­rá opor­tu­ni­da­de pa­ra re­la­ci­o­na­men­tos mais sé­ri­os. Tu­do de­pen­de do que se de­se­ja. Os ca­sa­dos po­de­rão so­frer com os eclip­ses de Ja­nei­ro e de Ju­lho, que tra­rão à vis­ta fa­lhas que ne­ces­si­tam de ser cor­ri­gi­das.

escorpião

O ano pas­sa­do foi di­fí­cil pa­ra o amor, com uma sen­sa­ção de iso­la­men­to e de­sa­pon­ta­men­to. Mas a si­tu­a­ção vai me­lho­rar e a vida amo­ro­sa fi­ca­rá mais tran­qui­la. Vai sen­tir, por um lado, a ne­ces­si­da­de de ser se­le­ti­vo e cui­da­do­so no amor e, por outro, de ser to­tal­men­te fe­liz. A men­sa­gem das es­tre­las

é dei­xar o amor cres­cer e se de­sen­vol­ver len­ta­men­te. Dei­xe as cir­cuns­tân­ci­as da vida tes­ta­rem o amor — vo­cê não pre­ci­sa fa­zê -lo. É pro­vá­vel que sol­tei­ros se ca­sem ou co­me­cem um re­la­ci­o­na­men­to sé­rio. Pes­so­as ca­sa­das vi­ve­rão mo­men­tos mais fá­ceis do que no ano pas­sa­do na re­la­ção.

sagitário

No iní­cio do ano não es­ta­rá in­cli­na­do pa­ra com­pro­mis­sos, pre­fe­rin­do diver­tir-se. Mas à me­di­da que os me­ses avan­çam, a sua ati­tu­de mu­da­rá e fi­ca­rá dis­po­ní­vel pa­ra um re­la­ci­o­na­men­to mais sé­rio. Ao mes­mo tem­po, ga­nha­rá no­vos ami­gos e vai sen­tir-se fe­liz. Mas o amor não é uma vi­a­gem fá­cil es­te ano e ve­rá a sua re­la­ção ser tes­ta­da. Mas se é um amor ver­da­dei­ro não só re­sis­ti­rá como sai­rá for­ta­le­ci­do. É pre­ci­so con­cen­trar-se na qua­li­da­de em vez da quan­ti­da­de e re­co­nhe­cer a res­pon­sa­bi­li­da­de que nas­ce com um re­la­ci­o­na­men­to. Quem pro­cu­ra um se­gun­do ca­sa­men­to tem al­gu­mas cri­ses em mãos.

capricórnio

Nem a 7ª ca­sa do amor e do ca­sa­men­to nem a 11ª ca­sa das ami­za­des são ca­sas de poder em 2018. Por is­so, pas­sa­rão pa­ra se­gun­do pla­no. Se­rá mais um ano pa­ra se diver­tir do que pa­ra re­la­ci­o­na­men­tos sé­ri­os. As­sim, não de­ve­rão ver a sua si­tu­a­ção al­te­ra­da: os sol­tei­ros con­ti­nu­a­rão sol­tei­ros e os ca­sa­dos con­ti­nu­a­rão ca­sa­dos. Mas o eclip­se de Ju­lho po­de sa­cu­dir um pou­co a vida afe­ti­va, pro­vo­can­do uma mu­dan­ça de ati­tu­de em re­la­ção ao ca­sa­men­to - os ca­sa­dos po­de­rão cor­ri­gir fa­lhas no re­la­ci­o­na­men­to, os sol­tei­ros po­dem vir a con­si­de­rar um en­vol­vi­men­to mais sé­rio, em­bo­ra pre­fi­ram re­la­ções sem com­pro­mis­so.

aquário

A 7ª ca­sa do amor e do ca­sa­men­to não é uma ca­sa de poder es­te ano. Des­se mo­do, pa­re­ce ha­ver pou­co in­te­res­se. Mas dois eclip­ses as­se­gu­ram que ha­ve­rá ex­ci­ta­ção nes­sa área. Pes­so­as ca­sa­das po­dem ex­pe­ri­men­tar cri­ses no re­la­ci­o­na­men­to e sol­tei­ros po­dem de­se- jar mu­dar o es­ta­do ci­vil. Pa­ra os ca­sa­dos, a so­bre­vi­vên­cia do ca­sa­men­to es­tá longe de ser uma cer­te­za. O pro­ble­ma no amor é o mes­mo do ano pas­sa­do — a ne­ces­si­da­de de mu­dan­ça e de li­ber­da­de ab­so­lu­ta, a se­de de vi­a­gens e mu­dan­ças de afe­tos. É mui­to di­fí­cil que o par­cei­ro con­si­ga acom­pa­nhá-lo.

Pei­xes

As ques­tões afe­ti­vas não se­rão o mais im­por­tan­te e a si­tu­a­ção atu­al de­ve man­ter-se. Ha­ve­rá opor­tu­ni­da­des de re­la­ci­o­na­men­tos, mas sem gran­de en­vol­vi­men­to emo­ci­o­nal. Por­que em 2018 as su­as pri­o­ri­da­des são ou­tras. En­tre Agos­to e Se­tem­bro po­de­rá vi­ver um tór­ri­do ro­man­ce, mas com al­tos e bai­xos, que não de­ve­rá le­var a lado ne­nhum. Vo­cê tem uma pos­tu­ra al­go in­cons­tan­te e vo­lú­vel no amor. Ho­je pa­re­ce es­tar fe­liz com uma pes­soa, mas no dia se­guin­te já se sen­te in­sa­tis­fei­to. Da mes­ma for­ma que uma pes­soa que afas­tou há al­gum tem­po, de re­pen­te, já lhe pa­re­ce a pes­soa cer­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.