Su­pe­ra­ção

Super Fashion - - Editorial -

Na ver­da­de, o si­nó­ni­mo de Be­a­triz Franck de­ve­ria ser re­si­li­ên­cia. A mi­nha tra­je­tó­ria da­rá um óti­mo li­vro, pe­las lu­tas cons­tan­tes, pe­lo fac­to de de­sis­tir nun­ca ter si­do a mi­nha op­ção, mas sim um no­vo co­me­ço. Mui­tas re­vis­tas fe­cha­ram, pe­las di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas que o País atra­ves­sa. Foi e es­tá di­fí­cil, mas o pi­or já pas­sou, po­de­mos já sen­tir um sus­pi­ro de alí­vio. E o me­lhor ain­da es­tá por vir. Eu sou mo­vi­da as­sim, pe­los cons­tan­tes de­sa­fi­os, pe­lo fac­to de nin­guém en­con­trar so­lu­ção e eu ter sem­pre o pla­no A, B,C e D. To­dos me per­gun­tam 'co­mo é pos­sí­vel se­res tão oti­mis­ta?' quan­do pa­re­ce que já não tem so­lu­ção; daí res­pon­do 'quan­do che­ga­mos no nos­so li­mi­te, Deus pro­ve'. Es­ta é sem som­bra de dú­vi­da das fa­ses mais di­fí­ceis da mi­nha vi­da. A mi­nha mãe, aque­la que me ge­rou vi­da, que me deu es­ta edu­ca­ção, que fez de mim es­ta mu­lher for­te, es­tá do­en­te, mui­to de­bi­li­ta­da, en­fren­ta um cân­cer, e uma coi­sa vos di­go, não de­se­jo a nin­guém o que es­tou a vi­ver... O se­gre­do é vi­ver um dia de ca­da vez, apro­vei­tar ca­da se­gun­do. Num ca­sa­men­to entre ora­ções e yo­gas e trei­nos e ami­gos lá de lon­ge con­si­go en­con­trar o con­so­lo pa­ra su­pe­rar is­to, pois não há mal que não aca­be e bem que du­re pa­ra sem­pre. Vo­cê de­ve es­tar a per­gun­tar por que ra­zão fa­lei da mi­nha mãe. Por­que es­te edi­to­ri­al é o úni­co lo­cal on­de te­nho de fa­lar do co­ra­ção pa­ra o te­cla­do, ex­pri­mir tu­do o que sin­to. E sin­to que sou uma mu­lher mui­to aben­ço­a­da, por tu­do que pas­sei e te­nho pas­sa­do, don­de vim e o que sou ho­je, re­al­men­te não te­nho do que re­cla­mar... Es­ta re­vis­ta ge­ra­da do so­nho du­ma me­ni­na po­bre que nas­ceu na ci­da­de mais ao Nor­te do país, ho­je re­pre­sen­ta o País nos mais va­ri­a­dos even­tos in­ter­na­ci­o­nais, se­ma­nas da mo­da, Fes­ti­val de Can­nes, fó­runs in­ter­na­ci­o­nais... É An­go­la que es­tá ne­la e ela é An­go­la. Por is­so di­go a to­dos: acre­di­tem nos vos­sos so­nhos, lu­tem com to­da a hon­ra e dig­ni­da­de pa­ra que eles se­jam re­a­li­za­dos, pa­ra que mes­mo quan­do o mun­do dis­ser que não se­rá pos­sí­vel vo­cê se­ja o úni­co a di­zer e a acre­di­tar que vai ser pos­sí­vel. É a mi­nha pai­xão pela mo­da e pela vi­da que é tão cur­ta, que me faz olhar ape­nas pa­ra o la­do bom da vi­da, das pes­so­as e das coi­sas.

Pois tão ce­do per­ce­bi que es­ta­mos nes­ta vi­da de pas­sa­gem, por­que per­di o ho­mem da mi­nha vi­da ce­do, o meu pai, e per­ce­bi que nin­guém es­tá aqui pa­ra sem­pre. Por es­sa ra­zão, vi­vo ape­nas a mi­nha vi­da e a de mais nin­guém, não jul­gan­do, não cri­ti­can­do e não con­de­nan­do pes­so­as que são me­ra­men­te ma­té­ria e se re­du­zi­rão a pó. No dia da pro­du­ção, per­ce­bi que a ku­du­ris­ta que é a nos­sa co­ver girl, tem es­sa ló­gi­ca da vi­da. Ela é uni­ca, se­não a rai­nha do Ku­du­ro. Per­di a con­ta quan­tas ve­zes dan­cei as su­as mú­si­cas, e con­ti­nuo dan­ça­do. Noi­te e Dia é um exem­plo de re­si­li­ên­cia. Um exem­plo de que não nos po­de­mos dei­xar ven­cer, que de­ve­mos lu­tar e re­no­var e rein­ven­tar pa­ra nos ajus­tar­mos às de­man­das do mer­ca­do. E ela fê-lo tão bem, que ar­re­ba­tou to­dos os pré­mi­os. Na ver­da­de, tu­do o que ela me­re­cia há mui­to tem­po. Por is­so, es­tão de pa­ra­béns to­dos os re­si­len­tes, por­que so­mos for­tes, e o mun­do é dos mais for­tes, dos que ca­em e con­se­guem se le­van­tar, dos que cho­ram e dão uma gar­ga­lha­da a se­guir, dos que amam e sa­bem que es­se é o úni­co sen­ti­men­to que re­al­men­te va­le a pe­na, por­que tu­do o res­to fi­ca, nin­guém le­va na­da des­ta vi­da. Le­va­rei co­mi­go ape­nas es­te amor que car­re­go den­tro de mim, es­ta ale­gria, es­te cor­po cheio de ale­gri­as e tris­te­zas ven­ci­das, tu­do o que os meus olhos en­xer­ga­ram, ca­da sa­bor que ti­ve, a pai­xão que sen­ti a ca­da edi­ção des­ta re­vis­ta que es­tá nas su­as mãos. Le­va­rei co­mi­go o me­lhor des­ta vi­da, por­que es­co­lhi ser fe­liz, es­co­lhi ser o me­lhor pa­ra mim, su­pe­rar ca­da de­sa­fio, atin­gir ca­da me­ta, e di­zer pa­ra mim, 'ven­ci por­que sou uma ven­ce­do­ra, nas­ci pa­ra ven­cer'.

Que Deus aben­çoe a Su­per Fashi­onn Res­pi­re mo­da!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.