"Já com­prei por im­pul­so, mas com­pro sem­pre o que fal­ta no meu guar­da-rou­pa"

Super Fashion - - Supermulheres -

fe­liz por ter con­se­gui­do con­ven­cê-los. Po­dem crer que não foi fá­cil. Fui con­quis­tan­do o meu pú­bli­co, fui apa­re­cen­do mais nos me­dia, fui fa­zen­do mui­to su­ces­so tan­to cá co­mo nas 18 pro­vín­ci­as e fo­ra de An­go­la. Já vi­a­jei por mui­tos paí­ses, gra­ças à mú­si­ca. O ku­du­ro trou­xe mui­ta bên­ção à mi­nha vi­da. Há lu­gar a ar­re­pen­di­men­tos? Fa­lam dis­so? quan­do er­ro sim, sou um ser hu­ma­no, es­tou su­jei­ta a er­rar. Nor­mal­men­te ar­re­pen­do-me quan­do fiz al­go de er­ra­do. O mun­do ar­tís­ti­co ain­da é mal en­ca­ra­do pe­lo pais que pre­fe­rem ter fi­lhos dou­to­res ou en­ge­nhei­ros? Não sou aque­la mãe que vai es­co­lher o des­ti­no dos fi­lhos, mas sim aju­dá-los a es­co­lher o me­lhor ca­mi­nho pa­ra eles. Eles se­rão li­vres de fa­zer as sua es­co­lhas. Quan­do não ti­nha o apoio do seu pai pa­ra con­ti­nu­ar a can­tar e a dan­çar al­gu­ma vez pen­sou de­sis­tir? Nun­ca, por­que que na mi­nha fa­mí­lia já ha­via uma bai­la­ri­na. Quan­do o meu pai não acei­ta­va, fui lu­tan­do pa­ra que ele per­ce­bes­se que eu só que­ria can­tar e mais na­da. Nun­ca pen­sei de­sis­tir de can­tar, sem­pre fui mui­to per­sis­ten­te, sem­pre tra­cei bem os meus ob­je­ti­vos. Ago­ra que já ga­nhei dois pré­mi­os é que não de­sis­to mes­mo. Se an­tes não de­sis­ti, ago­ra mui­to me­nos. Che­gou a ter­mi­nar a sua for­ma­ção aca­dé­mi­ca? Qu­al é o seu cur­so? Sim, sou ges­to­ra de re­cur­sos hu­ma­nos. Quan­do é que re­al­men­te se deu a vi­ra­gem na sua vi­da en­quan­to ar­tis­ta? Quan­do de­ci­di ser a Noi­te e Dia. O que é que Pu­to Pra­ta re­pre­sen­ta pa­ra si e pa­ra a sua car­rei­ra? Pu­to Pra­ta re­pre­sen­ta pa­ra mim um ir­mão ami­go. Quan­do en­trei no mun­do do ku­du­ro não sa­bia can­tar no ver­da­dei­ro sen­ti­do, gra­ças a Deus en­con­trei ir­mãos que sem­pre me de­ram mui­ta for­ça. Tan­to o Pu­to Pra­ta, co­mo o Mes­tre Ya­ra e o Dj Ki­la­mu con­tri­buí­ram mui­to pa­ra o meu cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to no mun­do ar­tís­ti­co. Apren­di mui­to com eles e se ho­je sou a Noi­te e Dia tam­bém o de­vo a eles. Ou­tros es­ti­los mu­si­cais es­tão com­ple­ta­men­te fo­ra de ques­tão, é e se­rá uma ku­du­ris­ta a 100%? Na re­a­li­da­de, já ten­tei fa­zer au­las de can­to, mas o meu pú­bli­co é bas­tan­te exi­gen­te e pe­de pa­ra não sair do es­ti­lo ku­du­ro. Se­rei uma ku­du­ris­ta a 100%. Entre os seus fãs tem mui­ta gen­te miú­da. Que men­sa­gem quer dei­xar aos fãs de pal­mo e meio nes­te mês da cri­an­ça? Um dia já fui cri­an­ça. E ho­je que sou mais cres­ci­di­nha gos­to mui­to de cri­an­ças. Pa­ra os meus bai­xi­nhos pro­cu­ro sem­pre trans­mi­tir boa ener­gia, pro­cu­ro fa­zer mú­si­ca cons­tru­ti­va que pos­sa pas­sar boa men­sa­gem pa­ra to­das as cri­an­ças. E a to­dos os meus fãs di­go que con­ti­nu­em a acom­pa­nhar o meu tra­ba­lho por­que ain­da vêm aí mui­tas no­vi­da­des. E vo­cê, sen­te sau­da­des da sua in­fân­cia? Que mar­cas fi­ca­ram des­ses tem­pos? Sin­to mui­ta sau­da­de da mi­nha in­fân­cia, das brin­ca­dei­ras que fa­zía­mos na­que­le tem­po. Da­que­la ami­za­de sin­ce­ra e ver­da­dei­ra. Tem um fi­lho. Os fi­lhos per­mi­tem-nos re­gres­sar à in­fân­cia ou ape­nas en­cher-nos de res­pon­sa­bi­li­da­des? Ter um fi­lho per­mi­te-nos tam­bém vol­tar ao pas­sa­do e en­che-nos de amor pe­lo pró­xi­mo. Va­mos fa­lar um pou­co de mo­da. Dá mui­ta im­por­tân­cia a es­ta ma­té­ria? Uso o que me fi­ca bem. E com­pra por im­pul­so ou é re­gra­da e só com­pra o que lhe faz fal­ta? Já com­prei por im­pul­so, mas no en­tan­to com­pro sem­pre o que fal­ta no meu guar­da -rou­pa. Se ago­ra fos­se às com­pras, o que com­pra­ria? Co­mo gos­to mui­to de ves­ti­dos, não dei­xa­ria es­cam­par um, sen­do que é uma pe­ça que nun­ca fal­ta no meu guar­da- rou­pa. E faz di­e­tas pa­ra man­ter a for­ma ou pre­fe­re o exer­cí­cio fí­si­co? Fa­ço di­e­tas e mui­to exer­cí­cio fí­si­co pa­ra man­ter a boa for­ma fí­si­ca. Se pu­des­se mu­da­va al­gu­ma coi­sa no seu cor­po? Gos­ta­ria de ser al­ta. Ad­mi­te fa­zer plás­ti­cas? Res­pei­to quem o faz, mas não apro­vo. Que es­ti­lis­ta gos­ta­ria de ves­tir num es­pe­tá­cu­lo seu e ain­da não te­ve opor­tu­ni­da­de? Ad­mi­ro to­das, não te­nho pre­fe­rên­ci­as. O que é pa­ra si a Su­per Fashi­onn? Uma re­vis­ta de mo­da que es­tá dar opor­tu­ni­da­des nos no­vos va­lo­res, em di­ver­sas áre­as do sa­ber.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.