Por­que tan­to cho­ram os be­bés?

Super Fashion - - Bleifleesztayle Kanukus - POR MA­RIA SANTOS

Pe­lo me­nos até aos três me­ses, o choro é a úni­ca for­ma que os be­bés têm pa­ra se ex­pres­sar. Pe­dir aju­da é, nor­mal­men­te, a ra­zão das lá­gri­mas dos pe­que­ni­nos. Por­que têm fo­me, por­que tem a fral­da su­ja, por­que es­tão ator­men­ta­dos com có­li­cas. Mas tam­bém por­que têm so­no ou es­tão agi­ta­dos com a con­fu­são que rei­na à sua vol­ta ou tão só por­que que­rem co­lo e mi­mi­nhos. Os pais ten­tam sa­ber ime­di­a­ta­men­te a ra­zão do choro, mas mui­tas ve­zes não con­se­guem per­ce­ber o que se pas­sa. Se o seu be­bé não es­ti­ver do­en­te, en­tão te­rá que ter pa­ci­ên­cia por­que cer­ta­men­te te­rá um cho­rão em ca­sa e de­ve­rá igual­men­te re­zar pa­ra que ele mu­de ra­pi­da­men­ten­te de fei­tio. E ar­ran­je os seus sub­ter­fú­gi­os pa­ra não en­trar em stress com tan­ta ber­ra­ria... Por­que têm fo­me

A prin­ci­pal ra­zão do choro de um be­bé é qua­se sem­pre a fo­me e is­so acon­te­ce quan­to mais no­va é a cri­an­ça. É que os re­cém­nas­ci­dos têm o estô­ma­go mui­to pe­que­no, lo­go não su­por­ta grande quan­ti­da­de de lei­te. Uma ma­nei­ra de an­te­ci­par es­sa cho­ra­min­gui­ce é es­tar aten­to aos si­nais - se o be­bé co­me­ça a me­ter as mãos na bo­ca, se co­me­ça a me­xer-se co­mo se ti­ves­se à pro­cu­ra da ma­ma, en­tão pre­par-se ime­di­a­ta­men­te pa­ra o ali­men­tar.

Por­que têm a fral­da su­ja

A fral­da su­ja é ou­tra das ra­zões que dei­xa os be­bés em pran­tos. Se é ver­da­de que al- guns não se im­por­tam mi­ni­ma­men­te por te­rem chi­chi ou co­có, ou­tros não aguen­tam o in­có­mo­do e fa­zem ques­tão de o ex­pres­sar. So­bre­tu­do se ti­ve­rem ec­ze­mas ou a pe­le ir­ri­ta­da. Nes­se ca­so, quan­do o be­bé co­me­çar a cho­rar, acon­se­lha-se a que se ve­ri­fi­que ime­di­a­ta­men­te o es­ta­do da fral­da.

Por­que que­rem ar­ro­tar

O be­bé já ma­mou, já mu­dou a fral­da mas con­ti­nua a cho­rar. Nes­se ca­so, é pre­ci­so ter aten­ção se a cri­an­ça já ar­ro­tou ou se o ar fi­cou en­ta­la­do no esó­fa­go. O me­lhor é pe­gá-lo ao co­lo, nu­ma po­si­ção ver­ti­cal, dan­do-lhe su­a­ves pal­ma­di­nhas nas cos­tas. O ar aca­ba­rá por ser ex­pe­li­do e o be­bé fi­ca­rá con­for­tá­vel e cal­mo.

Por­que so­frem de có­li­cas

As mal­di­tas có­li­cas são o ter­ror dos pais de qual­quer re­cém-nas­ci­do. Co­me­çam por vol­ta das pri­mei­ras du­as se­ma­nas de vi­da e po­dem du­rar até aos três me­ses. A ra­zão das có­li­cas pren­dem-se com a ima­tu­ri­da­de do sis­te­ma di­ges­ti­vo e pela cri­a­ção de ga­ses ou di­fi­cul­da­des em fa­zer co­có. Em re­gra, as có­li­cas são fa­cil­men­te iden­ti­fi­cá­veis, já que o be­bé cos­tu­ma es­per­ne­ar en­quan­to cho­ra e fi­ca mui­to ver­me­lho. Os pais de­vem fa­lar com o mé­di­co pa­ra que acon­se­lhe al­gum me­di­ca­men­to ou go­tas

que lhe re­du­zam o des­con­for­to in­tes­ti­nal. Po­dem ain­da fa­zer-lhe uma mas­sa­gem su­a­ve na bar­ri­ga, mo­vi­men­tar-lhe as per­nas até ao ven­tre ou dei­tá-lo de vi­ra­do pa­ra bai­xo sobre a sua per­na, de for­ma a fa­zer pres­são na bar­ri­gui­nha.

Por­que têm so­ni­nho

Pa­re­ce con­tra­di­tó­rio, mas é mes­mo as­sim: há be­bés que cho­ram por­que têm so­no e quan­to mais so­no têm mais cho­ram. Fi­cam num es­ta­do tal de agi­ta­ção e ir­ri­ta­bi­li­da­de que não con­se­guem des­can­sar. O me­lhor é co­lo­cá-lo a dor­mir mal ele co­me­ce a es­fre­gar os olhos ou a fi­car com o olhar caí­do. Ou en­tão le­vá-lo pa­ra um lo­cal cal­mo, pe- gar-lhe ao co­lo e can­tar-lhe uma me­lo­dia de em­ba­lar.

Por­que es­tão des­con­for­tá­veis

Os pais têm al­gu­ma di­fi­cul­da­de em per­ce­ber se os be­bés têm frio ou ca­lor e a ten­dên­cia da mai­o­ria é ves­ti-los em ex­ces­so. O re­sul­ta­do é que a cri­an­ça fi­ca com ca­lor e a for­ma que tem pa­ra se quei­xar é pre­ci­sa­men­te cho­rar. Uma ma­nei­ra in­fa­lí­vel de ve­ri­fi­car a tem­pe­ra­tu­ra do cor­po do be­bé é co­lo­car-lhe a mão na bar­ri­gui­nha - se es­ti­ver quen­te e su­a­da é si­nal de que ele es­tá com ca­lor, já se es­ti­ver fria, de­ve aga­sa­lhá-lo mais um pou­co. Não se ori­en­te pela tem­pe­ra­tu­ra dos pés e das mão­zi­nhas, já que ten­den­ci­al­men­te es­tão fri­os.

Por­que que­rem mi­mo

Há be­bés que pre­ci­sam de mais mi­mo do que ou­tros por­que se sen­tem mais in­se­gu­ros. E a ma­nei­ra de se sen­ti­rem se­gu­ros é es­tar ao co­lo, ani­nha­dos nos bra­ços da ma­mã ou do pa­pá. Afi­nal, ele es­te­ve no­ve me­ses res­guar­da­do no ven­tre ma­ter­no. Por es­sa mes­ma ra­zão, há be­bés que não gos­tam de se sen­tir de­ma­si­do à lar­ga, em ber­ços gran­des. A so­lu­ção é en­ro­lá-lo nu­ma man­ti­nha pa­ra se sen­tir acon­che­ga­do. Pa­ra que o be­bé não se sin­ta só, de­ve tam­bém con­ver­sar com ele e can­tar-lhe.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.