Stel­la Mc­cart­ney

Vi­ve no cam­po, é ve­ge­ta­ri­a­na e ati­vis­ta pe­la pre­ser­va­ção do pla­ne­ta. Não é só um es­ti­lo, é uma ma­nei­ra de es­tar na vi­da. Stel­la Mc­Cart­ney car­re­ga um so­bre­no­me de pe­so e apro­vei­ta o lan­ça­men­to das su­as co­le­ções pa­ra lan­çar gri­tos de aler­ta

Super Fashion - - Índice - POR MA­RIA SANTOS

éu­ma mu­lher de cau­sas e faz ques­tão de o re­fle­tir na­qui­lo que faz, de usar a mo­da pa­ra pas­sar as su­as men­sa­gens. Des­ta vez, a de­sig­ner bri­tâ­ni­ca vol­tou a es­co­lher uma cri­an­ça com Sín­dro­me do Down pa­ra pro­ta­go­nis­ta da cam­pa­nha Ou­to­no/ In­ver­no 2018. Ao mes­mo tem­po que lu­ta con­tra o pre­con­cei­to em re­la­ção à do­en­ça, Stel­la Mc­Cart­ney pas­sa tam­bém uma men­sa­gem eco­ló­gi­ca - a de­fe­sa do meio am­bi­en­te que é, aliás, uma das su­as gran­des lu­tas, a par da abo­li­ção de pe­les de ani­mais na in­dús­tria da mo­da.

As­sim, as pe­ças des­ta co­le­ção são fei­tas a par­tir de ma­te­ri­ais sus­ten­tá­veis e re­ci­cla­dos, co­mo o al­go­dão or­gâ­ni­co. Além dis­so, as pe­ças são es­tam­pa­das com de­se­nhos de jo­a­ni­nhas, abe­lhas e ca­ra­cóis. Stel­la MacCart­ney quer aler­tar pa­ra a im­por­tân­cia da con­ser­va­ção

des­tas pe­que­nas es­pé­ci­es co­mo for­ma de pre­ser­var a bi­o­di­ver­si­da­de.

A es­ti­lis­ta faz, pois, ques­tão de usar o lan­ça­men­to das su­as co­le­ções co­mo uma for­ma de sen­si­bi­li­zar pa­ra a ne­ces­si­da­de de se pre­ser­var o pla­ne­ta. Exem­plo dis­so, foi a cam­pa­nha de In­ver­no 2017, fo­to­gra­fa­da e fil­ma­da num ater­ro de li­xo do­més­ti­co na Es­có­cia. Ob­je­ti­vo: cri­ti­car e aler­tar pa­ra o con­su­mis­mo ex­ces­si­vo. "De­ve­mos pen­sar so­bre o que es­ta­mos a dei­xar pa­ra trás", dis­se en­tão a de­sig­ner.

Na for­ma de vi­da que Stel­la es­co­lheu pa­ra si, e que tan­to quer trans­mi­tir aos de­mais, a in­fân­cia e a edu­ca­ção que lhe foi da­da pe­los pais te­ve uma for­te in­fluên­cia. Ape­sar de ser fi­lha de um dos gran­des no­mes da mú­si­ca pop, o ex-Be­a­tle Paul Mc­Cart­ney, e da fo­tó­gra­fa Lin­da Mc­Cart­ney, Stel­la, a se­gun­da dos três fi­lhos do ca­sal, ab­sor­veu um es­ti­lo de vi­da sim­ples, en­tre a ci­da­de de Lon­dres (on­de nas­ceu) e o cam­po. E is­so aju­dou-a a de­sen­vol­ver a pai­xão pe­lo meio am­bi­en­te, mas tam­bém mui­to por in­fluên­cia da mãe que foi uma ati­vis­ta fa­mo­sa.

O seu em­pe­nho na de­fe­sa do pla­ne­ta e por uma vi­da mais sus­ten­tá­vel le­vou-a mes­mo a rom­per com o gru­po Guc­ci por a mar­ca pro­du­zir pe­ças em cou­ro e em pe­le. Stel­la Mc­Cart­ney tam­bém se as­so­ci­ou ao gru­po de de­fe­sa dos ani­mais, PETA, num ví­deo em que ape­la aos es­ti­lis­tas pa­ra que não usem pro­du­tos ani­mais nas su­as co­le­ções.

"Os meus pais sem­pre fo­ram ci­da­dãos do pla­ne­ta e le­va­vam em con­si­de­ra­ção que to­dos nós vi­ve­mos e com­par­ti­lha- mos um úni­co lu­gar. Além dis­so, cres­ci nu­ma fa­zen­da no in­te­ri­or com mui­ta cons­ci­ên­cia so­bre as es­ta­ções do ano e a na­tu­re­za em ge­ral. Sem­pre quis ser res­pon­sá­vel tam­bém na mo­da e pro­por uma no­va vi­são do lu­xo e co­mo não usar cou­ro ou pe­le. E is­so aca­bou cres­cen­do e ho­je tam­bém já não tra­ba­lho com PVC", ex­pli­cou nu­ma en­tre­vis­ta à FFW, do Bra­sil.

Foi es­sa fi­lo­so­fia eco­ló­gi­ca que tam­bém a le­vou a rom­per com a em­pre­sa Ovis 21, que lhe for­ne­cia lã, de­pois de de­nún­ci­as da PETA so­bre maus tra­tos a ove­lhas nas fa­zen­das da Pa­ta­gó­nia, Ar­gen­ti­na.

Co­le­ção a co­le­ção, a es­ti­lis­ta vai pas­san­do a sua men­sa­gem. Por­que quer que o mun­do ado­te as su­as cau­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.