Ciú­me do­en­tio, um ris­co pa­ra a re­la­ção

Super Fashion - - Lifestyle - POR MA­RIA SANTOS

éra­ro en­con­trar uma pes­soa que nun­ca te­nha sen­ti­do ciú­mes da sua ca­ra me­ta­de, mas Ane­te é um da­que­les ca­sos em que o ciú­me é do­en­tio e po­de le­var à des­trui­ção de uma re­la­ção, mes­mo que o ca­sal se ame mui­to. Nem to­da a gen­te tem pa­ci­ên­cia e apos­ta em sal­var uma re­la­ção pas­san­do pe­lo que pas­sou o ma­ri­do de Ane­te en­quan­to na­mo­ra­vam. Ain­da mais ele, que sem­pre foi fi­el e apai­xo­na­dís­si­mo por ela. Mas a in­se­gu­ran­ça fez de­la uma pes­soa tão pos­ses­si­va que es­te­ve à bei­ra de des­truir uma re­la­ção bo­ni­ta. Va­leu-lhe ter a co­ra­gem de pro­cu­rar aju­da es­pe­ci­a­li­za­da e ho­je são um ca­sal feliz!

Sen­tir ciú­me do na­mo­ra­do, do ma­ri­do, dos ir­mãos, dos pais ou até dos fi­lhos é uma si­tu­a­ção nor­mal, des­de que is­so não te­nha im­pli­ca­ções na vi­da das ou­tras pes­so­as, o só que acon­te­ce quan­do es­se sen­ti­men­to se tor­na pa­to­ló­gi­co. Quem sen­te ciú­mes co­me­ça a in­ter­pre­tar e a dis­tor­cer a re­a­li­da­de à sua ma­nei­ra pa­ra jus­ti­fi­car o ciú­me e jus­ti­fi­car os sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos. E quan­to mais

fil­mes faz na sua ca­be­ça mais ciú­mes sen­te. Tor­na-se uma pes­ca­di­nha de ra­bo na bo­ca... O ciú­me do­en­tio le­va as pes­so­as a fan­ta­si­ar si­tu­a­ções. De­di­cam o seu tem­po à pro­cu­ra de si­nais de in­fi­de­li­da­de, mes­mo quan­do não exis­tem. O re­sul­ta­do é que vi­vem em ver­da­dei­ra an­gús­tia, em so­fri­men­to e sem­pre com pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos. E dão ca­bo da ca­be­ça da ou­tra pes­soa, mes­mo quan­do não há cul­pa ne­nhu­ma do ou­tro la­do. As re­la­ções aca­bam por de­te­ri­o­rar-se e mui­tas ve­zes não so­bre­vi­vem.

O que le­va as pes­so­as a se­rem tão ciu­men­tas? Nor­mal­men­te são in­se­gu­ras, têm uma bai­xa au­to­es­ti­ma e são con­tro­la­do­ras ou já pas­sa­ram por re­la­ções que as trau­ma­ti­za­ram. O ide­al pa­ra es­tas pes­so­as é en­con­tra­rem ati­vi­da­des que as ocu­pem e as dis­trai­am pa­ra não pas­sa­rem to­do o seu tem­po a con­tro­lar a ca­ra me­ta­de e con­ge­mi- nar si­tu­a­ções que só exis­tem nas su­as ca­be­ças. Apos­tar nas ati­vi­da­des des­por­ti­vas, sair com ami­gos e com ou­tros ca­sais e vi­a­jar são ati­vi­da­des re­co­men­da­das pa­ra ocu­par a ca­be­ça de quem é de­ma­si­a­do ciu­men­to. E quan­do o sen­ti­men­to se tor­na in­con­tro­lá­vel, pa­to­ló­gi­co, co­mo no ca­so de Ane­te, o me­lhor é pro­cu­rar a aju­da es­pe­ci­a­li­za­da pa­ra apren­der a li­dar com o ciú­me e a per­ce­ber as ra­zões de tan­ta in­se­gu­ran­ça.

Não con­se­guia con­tro­lar o meu ciú­me de ma­nei­ra ne­nhu­ma. Mes­mo quan­do ía­mos a um res­tau­ran­te pa­ra um jan­tar ro­mân­ti­co ou pa­ra co­me­mo­rar um ani­ver­sá­rio, a noi­te aca­ba­va sem­pre mal por­que eu fa­zia uma ce­na. Bas­ta­va en­trar uma mu­lher e eu co­me­ça­va a acu­sar o meu na­mo­ra­do de es­tar a olhar pa­ra ela, de a pre­fe­rir a ela. Aca­bá­va­mos por sair e o pro­gra­ma aca­ba­va ali. Se uma re­vis­ta tra­zia na ca­pa uma mu­lher bo­ni­ta eu ía pro­vo­car o meu na­mo­ra­do e per­gun­tar-lhe se gos­ta­va de­la, se era me­lhor do que eu... Quan­do con­ta­va es­tas ce­nas às mi­nhas ami­gas, re­co­nhe­cia que ele ti­nha uma pa­ci­ên­cia in­fi­ni­ta co­mi­go, que os meus ciú­mes do­en­ti­os não ti­nham ra­zão de ser por­que ele só ti­nha olhos pa­ra mim. De­pois de mui­ta re­sis­tên­cia e dos ami­gos e fa­mi­li­a­res in­sis­ti­rem que ti­nha de pro­cu­rar aju­da de um psi­có­lo­go lá me con­ven­ci. Não foi fá­cil... Acho que só me­lho­rou quan­do ca­sá­mos e ti­ve o meu fi­lho... Ago­ra es­tou con­fi­an­te na mi­nha re­la­ção!" ANE­TE, 35 ANOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.