NA­O­MI CAMPBEL

NA­O­MI THE One And Only

Super Fashion - - Retrospectiva - POR PATRYCIA AFZAL

Foi nu­ma ma­nhã de Maio 1970,no dia 22 mais pre­ci­sa­men­te,que em Stre­atham a sul da ca­pi­tal Bri­tâ­ni­ca, nas­cia Na­o­mi Elai­ne Camp­bell.

A Top que her­da­ria uns 15 anos mais tar­de,do ape­li­do de Pan­te­ra Ne­gra. A car­rei­ra co­me­çou, de for­ma inu­si­ta­da,a jo­vem Na­o­mi ,en­tão alu­na da pres­ti­gi­o­sa es­co­la de dan­ça Itá­lia Con­ti, foi abor­da­da ao sair da es­co­la a al­guns pas­sos do par­que,Co­vent Gar­den por, John Ca­sa­blan­cas,agent da Éli­te Mo­del agency, sub­ju­ga­do pe­la be­leza de Na­o­mi,ime­di­a­ta­men­te lhe pro­pos um con­tra­to.

Daí à as­cen­são me­teó­ri­ca, foi um pas­so. Nu­ma dé­ca­da 80 de pa­drões de be­leza,uni­for­mes,os tra­ços de Na­o­mi cap­ta­vam os olha­res, tra­ços exó­ti­cos,que her­dou da mãe e da avó, Ja­mai­ca e Chi­na é es­sa a combi­na­ção da be­leza, de quem te­ve o ros­to,es­tam­pa­do em ca­pas de re­vis­tas,por mais de três dé­ca­das.

En­tre pri­mei­ra ca­pa ,a re­vis­ta El­le Bri­tâ­ni­ca em 1986 à mais re­cen­te ,a re­vis­ta Nú­me­ro Pa­ris,de Abril 2018,con­tam-se lar­gas cen­te­nas, mui­tas das quais exi­bi­am por pri­mei­ra vez ,o ros­to de uma mu­lher ne­gra,foi o ca­so da El­le Bri­tâ­ni­ca ,da Vo­gue Fran­ce­sa,da ti­mes e de mui­tas ou­tras.

O pal­ma­rés,não fi­ca por aí, Na­o­mi des­fi­lou a sua be­leza pa­ra as brands de mai­or des­ta­que,da in­dús­tria de mo­da, a di­ver­si­da­de era ine­xis­ten­te na épo­ca , Na­o­mi as­su­miu anos a fio, qu­a­se que ex­clu­si­va­men­te,o pa­pel da uni­ca Top Mo­del ne­gra,por dé­ca­das, mas na re­a­li­da­de an­tes de­la ,exis­tiu Na­o­mi Sims,que foi a ver­da­dei­ra pre­cur­so­ra do mo­vi­men­to black is be­au­ti­ful,nos anos 60,a pri­mei­ra mo­de­lo ne­gra da his­to­ria.Du­ran­te a car­rei­ra Na­o­mi Camp­bell as­si­nou,cam­pa­nhas de gran­de vi­si­bi­li­da­de com as mar­cas fashi­on mais ex­clu­si­vas do mun­do ,en­tre elas,Cha­nel, Pra­da,Ver­sa­ce, Bur­ber­ry, Louis-Vuit­ton, Balmain,Fen­di, D&G,Va­len­ti­no, Ralph Lau­ren Ysl, Di­or, Marc Ja­cobs,e é Cla­ro Alaia, de quem foi a mu­sa e afi­lha­da do cri­a­dor, a quem cha­ma­va de pa­pá.

Na­o­mi ,vi­veu os so­nhos no plu­ral e ten­tou vá­ri­as ar­tes,a da re­pre­sen­ta­ção,com dois fil­mes e a da mú­si­ca, com um CD,par­ti­ci­pou em cli­pes mu­si­cais de Ge­or­ge Mi­cha­el e Mi­cha­el Jack­son,mas on­de se sen­te mais útil,é co­mo ac­ti­vis­ta.

Co-fun­da­do­ra da Ba­lan­ced Di­ver­sity,uma pla­ta­for­ma que vi­sa de­fen­der,a in­clu­si­vi­da­de re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de e di­ver­si­da­de na in­dús­tria de mo­da,uma res­pos­ta à len­ta pro­gres­são da mi­no­ri­as no se­tor,a fal­ta de re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de em to­dos os as­pec­tos da pro­fis­são,o la­do fi­lan­tró­pi­co da mo­de­lo é tal­vez o mais des­co­nhe­ci­do,em 2005 a Top cri­ou,Fashi­on For Re­li­ef,uma ini­ci­a­ti­va que cria even­tos,lei­lões des­fi­les,os lu­cros são re­ver­ti­dos a vá­ri­as ins­ti­tui­ções que apoi­am jo­vens em gran­de pre­ca­ri­e­da­de.

A Top mais em­ble­má­ti­ca da in­dús­tria,que­brou pa­drões,ven­ceu es­te­reó­ti­pos,e re­sis­tiu à pro­va do tem­po,ico­ne in­dis­cu­ti­vel, Na­o­mi con­ti­nua a so­mar con­quis­tas,nas vol­tas que o mun­do dá,pas­sou de uma das ra­ras ne­gras a ser ca­pa da Vo­gue Bri­tâ­ni­ca na épo­ca (a pri­mei­ra foi Donyel Lu­na) a edi­to­ra ad­jun­ta da mes­ma , re­cen­te­men­te ,no­me­a­da por Edward Ening­ful.

Na­o­mi Camp­bell con­ti­nua a ser uma per­so­na­li­da­de mar­can­te no mun­do da mo­da,que con­tri­buiu pa­ra que a in­dus­tria mu­das­se o olhar,quan­to à be­leza e à di­ver­si­da­de,a pró­xi­ma me­ta,cri­ar a pri­mei­ra edi­ção da Vo­gue Áfri­ca.

Uma ini­ci­a­ti­va que aplau­di­mos e aco­lhe­mos de bra­ços aber­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.