Bra­si­lei­ro gos­ta de man­ter a ge­la­dei­ra sem­pre cheia

Es­tu­do diz que pa­ra 68% das fa­mí­li­as a far­tu­ra faz par­te da cul­tu­ra do ci­da­dão. Pas­sa­do in­flu­en­cia

Agora - - Editorial - Thi­a­go bra­ga

Ter a ge­la­dei­ra e a des­pen­sa cheia faz par­te da cul­tu­ra na­ci­o­nal. Pes­qui­sa da Em­bra­pa (Em­pre­sa Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria) con­cluiu que pa­ra 68% das fa­mí­li­as bra­si­lei­ras a far­tu­ra é im­por­tan­te pa­ra ter uma se­gu­ran­ça e fa­ci­li­da­de na ho­ra do pre­pa­ro da co­mi­da. O ór­gão, do go­ver­no fe­de­ral, en­tre­vis­tou 1.764 fa­mí­li­as de di­fe­ren­tes clas­ses so­ci­ais e de to­das as re­giões do país.

“É um com­por­ta­men­to que pre­ci­sa ser mais pes­qui­sa­do. Uma hi­pó­te­se é que, co­mo o Bra­sil já en­fren­tou pe­río­dos de hi­pe­rin­fla­ção e de­sa­bas­te­ci­men­to de ali­men­tos, um seg­men­to da po­pu­la­ção man­tém o há­bi­to de ter uma des­pen­sa sem­pre bem abas­te­ci­da”, diz Gus­ta­vo Por­pi­no, ana­lis­ta de ino­va­ção da Em­bra­pa e lí­der do pro­je­to.

Se­gun­do ele, qu­em man­tém es­te há­bi­to o faz pa­ra ter tran­qui­li­da­de de que vai ter co­mi­da até o fi­nal do mês, ou até re­ce­ber o pró­xi­mo pa­ga­men­to. O le­van­ta­men­to mos­tra que 61% das fa­mí­li­as ain­da pre­fe­re fa­zer uma gran­de com­pra men­sal do que ir vá­ri­as ve­zes ao mer­ca­do. “Es­se fa­tor po­de es­tar li­ga­do a um pas­sa­do com res­tri­ções alimentares, que pa­ra es­ta par­ce­la da po­pu­la­ção é mais im­por­tan­te do que qual­quer fal­ta de di­nhei­ro.”

O téc­ni­co de ins­ta­la­ção de alar­mes Jo­sé Ro­ber­to da Sil­va, 43 anos, não gos­ta da ideia de ter de ir sem­pre ao mer­ca­do. Por is­so, ele e a mu­lher fa­zem com­pras de três em três me­ses. “O im­por­tan­te é não fal­tar na­da em ca­sa. Ar­roz, fei­jão, o que tem va­li­da­de mai­or, a gen­te com­pra em gran­de quan­ti­da­de. Mas mis­tu­ra, com­pra­mos de 15 em di­as pa­ra não estragar”, afir­ma.

Mas há qu­em te­nha pas­sa­do por mu­dan­ças e ain­da não con­se­guiu se adap­tar. “Às ve­zes com­pro mais do que o ne­ces­sá­rio, mas não pa­ra ter a sa­tis­fa­ção de ter a des­pen­sa cheia. Nos­sos dois fi­lhos mo­ra­vam com a gen­te e saí­ram de ca­sa. Por is­so de vez em qu­an­do er­ro nas con­tas”, ad­mi­te o pro­fes­sor Ru­bem Ce­sar Ta­va­res, 64 anos.

Ri­val­do Go­mes/fo­lha­press

A es­ti­lis­ta Ana Te­re­za, 56, com os ali­men­tos de sua ge­la­dei­ra; ela mo­rou com a avó, que pas­sou por du­as guer­ras e a en­si­nou a man­ter o es­to­que sem­pre cheio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.