Fal­ta de aces­so a ali­men­tos no pas­sa­do tem pe­so na far­tu­ra

Agora - - Editorial - (TB)

Os prin­ci­pais mo­ti­vos pa­ra os bra­si­lei­ros pre­fe­ri­rem a far­tu­ra na ho­ra da com­pra, se­gun­do es­pe­ci­a­lis­tas, fo­ram a fal­ta de aces­so aos ali­men­tos e a vin­da de imi­gran­tes pa­ra o país no co­me­ço do sé­cu­lo pas­sa­do.

Es­sas mar­cas fi­ca­ram pa­ra sem­pre na me­mó­ria da es­ti­lis­ta Ana Te­re­za Sche­rer Pes­ca­rin, 56 anos. O avô ma­ter­no e a avó pa­ter­na mol­da­ram os há­bi­tos de consumo de­la. “Meu avô ma­ter­no ti­nha 15 ir­mãos, en­tão era tu­do em abun­dân­cia. Com­pra­va-se mui­to, os al­mo­ços eram com mui­ta co­mi­da.”

De­pois, já adul­ta, Ana Te­re­za foi mo­rar com a avó pa­ter­na. Ale­mã, a avó, con­ta Ana, era rí­gi­da tan­to na ho­ra de fa­zer as com­pras qu­an­to na ho­ra do consumo.

“Por ter pas­sa­do pe­las du­as Guer­ras Mun­di­ais, ela ti­nha o cos­tu­me de com­prar mui­ta coi­sa e es­to­car, re­fle­xo dos tem­pos di­fí­ceis na Ale­ma­nha”, diz a es­ti­lis­ta. “Mas ne­nhum dos dois, jus­ta­men­te por es­ses fa­to­res, ad­mi­tia des­per­dí­cio.”

Ho­je, mãe de dois fi­lhos, ela diz que é uma mis­tu­ra dos dois avós. “Fa­ço mui­tas com­pras de coi­sas que não são pe­re­cí­veis e aí com­pro mui­to. Na ho­ra de pre­pa­rar, o que so­bra eu con­ge­lo e uso de­pois”, afir­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.