Vi­o­lên­cia em ca­sa ge­ra fu­ga de es­tu­dos em Gu­a­ru­lhos

Ex­plo­ra­ção in­fan­til é ou­tro mo­ti­vo pa­ra alu­nos dei­xa­rem de fre­quen­tar as au­las em es­co­la es­ta­du­al

Agora - - Nas Ruas - Al­fre­do hen­ri­que

A vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e a ex­plo­ra­ção in­fan­til es­tão le­van­do cri­an­ças e jo­vens a aban­do­nar os es­tu­dos em Gu­a­ru­lhos (Gran­de SP). Es­ses são os prin­ci­pais mo­ti­vos dos alu­nos que dei­xa­ram de es­tu­dar em um co­lé­gio da re­de es­ta­du­al da ci­da­de no pri­mei­ro se­mes­tre. No ge­ral, 10% dos alu­nos aban­do­na­ram as au­las no pe­río­do.

As in­for­ma­ções são da di­re­to­ria da Es­co­la Es­ta­du­al Bri­ga­dei­ro Ha­rol­do Ve­lo­so, que fi­ca na re­gião do bair­ro São João, e con­ta com es­tu­dan­tes na fai­xa etá­ria en­tre 11 anos e 17 anos.

No pri­mei­ro bi­mes­tre des­te ano, 17 es­tu­dan­tes aban­do­na­ram os es­tu­dos na uni­da­de. Nos dois me­ses se­guin­tes, a mes­ma quan­ti­da­de dei­xou de fre­quen­tar as sa­las de au­la e, no ter­cei­ro bi­mes­tre, fo­ram mais 10.

No to­tal, fo­ram 44 aban­do­nos, dos quais 30 se de­ram por cau­sa de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e ex­plo­ra­ção in­fan­til. A es­co­la não in­for­mou da­dos so­bre o ano pas­sa­do, pois diz que hou­ve mu­dan­ça da di­re­to­ria e os da­dos re­fe­ren­tes ao pe­río­do ain­da são or­ga­ni­za­dos.

Do to­tal de es­tu­dan­tes que dei­xa­ram de fre­quen­tar a es­co­la no bair­ro São João, cin­co re­tor­na­ram, por con­ta de tra­ba­lhos de orientação de­sen­vol­vi­dos pe­la di­re­to­ria.

In­cen­ti­vo

Um de­les é a uma jo­vem de 17 anos que aban­do­nou os es­tu­dos em 2016, mas vol­tou nes­te ano por in­cen­ti­vo dos pro­fes­so­res.

Ela foi ví­ti­ma de vi­o­lên­cia com 13 anos, qu­an­do co­me­çou a na­mo­rar seu agres­sor, um téc­ni­co de re­fri­ge­ra­ção atu­al­men­te com 19 anos. Em 2015, per­deu um ano de es­tu­dos por con­ta das fal­tas, pro­vo­ca­das pe­los ciú­mes do en­tão na­mo­ra­do. “Ele não gos­ta­va que eu fre­quen­tas­se a es­co­la”, con­ta.

As ofen­sas e ame­a­ças, in­clu­si­ve de mor­te, se tor­na­ram cons­tan­tes, ao pon­to de a jo­vem não que­rer mais fi­car com o na­mo­ra­do, com qu­em vi­via de­pois de fi­car grá­vi­da. Em maio des­te ano, qu­an­do o fi­lho ti­nha dez me­ses, ela dis­se que não qu­e­ria man­ter o re­la­ci­o­na­men­to. “Ele pu­xou meu ca­be­lo, me deu um so­co no ros­to e pe­gou uma fa­ca. Qu­an­do se apro­xi­ma­va pa­ra me es­fa­que­ar, mi­nha mãe en­trou e im­pe­diu”, con­ta.

A mãe da jo­vem, a do­na de ca­sa Dei­se Cris­ti­a­ne da Sil­va, 37, aci­o­nou a po­lí­cia. O ca­so foi re­gis­tra­do co­mo le­são cor­po­ral no 9º DP de Gu­a­ru­lhos. A Jus­ti­ça de­ter­mi­nou que o agres­sor man­te­nha 300 me­tros de dis­tân­cia da es­tu­dan­te e da mãe de­la.

Ri­val­do Go­mes/fo­lha­press

A es­tu­dan­te de 17 anos, que per­deu um ano de es­co­la por cau­sa do ciú­me do na­mo­ra­do; após agres­são, a mãe da jo­vem pro­cu­rou a po­lí­cia e a Jus­ti­ça de­ter­mi­nou que o agres­sor man­te­nha 300 m de dis­tân­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.