Pai se mos­trou agres­si­vo an­tes e de­pois de ‘con­ver­são’ re­li­gi­o­sa

Agora - - Nas Ruas - (AH)

Cho­ran­do, a jo­vem de 16 anos afir­mou à re­por­ta­gem que apa­nhou pe­la pri­mei­ra vez do pai qu­an­do ti­nha 10 anos. Ele a cha­ma­va de “p...” e de “va­ga­bun­da”.

O pai, diz ela, che­ga­va bê­ba­do em ca­sa, após tra­ba­lhar ven­den­do do­ces, em se­má­fo­ros, ale­gan­do que a fi­lha era “pre­gui­ço­sa”. Por es­se mo­ti­vo, a agre­dia, ge­ral­men­te usan­do uma man­guei­ra de bor­ra­cha.

Por con­ta das mar­cas de vi­o­lên­cia, a ga­ro­ta dei­xa­va de fre­quen­tar as au­las, por­que sen­tia ver­go­nha. A jo­vem che­gou a pen­sar em aban­do­nar os es­tu­dos, mas vol­tou após ser in­cen­ti­va­da por seus pro­fes­so­res.

Há dois anos, o pai agres­sor “se con­ver­teu” e co­me­çou en­tão a fre­quen­tar uma igre­ja evan­gé­li­ca.

Po­rém, agre­diu a jo­vem há cer­ca de dois me­ses, por con­ta de um cul­to re­li­gi­o­so.

A ví­ti­ma, que tem ain­da nos bra­ços ci­ca­tri­zes de agres­sões, aca­bou in­do ao cul­to, mas, co­mo não se sen­tou ao la­do do pai no tem­plo, foi agre­di­da por ele, que usou uma man­guei­ra, qu­an­do che­ga­ram em ca­sa.

“Ele dis­se que eu sou ir­res­pon­sá­vel.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.