De juiz a mi­nis­tro

Agora - - Editorial - Pre­si­den­te: Edi­tor Res­pon­sá­vel:

O Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, que se­rá co­man­da­do pe­lo juiz Ser­gio Mo­ro a par­tir de ja­nei­ro, é uma das or­ga­ni­za­ções po­lí­ti­cas bra­si­lei­ras mais antigas. Em ju­lho de 2022, com­ple­ta­rá 200 anos de exis­tên­cia.

De iní­cio, o ór­gão ser­via pa­ra fa­zer uma es­pé­cie de meio de cam­po en­tre os Po­de­res Exe­cu­ti­vo e Ju­di­ciá­rio. Com o tem­po, foi acu­mu­lan­do outras ta­re­fas, co­mo o co­man­do da Po­lí­cia Fe­de­ral e a ad­mi­nis­tra­ção dos pre­sí­di­os da União.

Nun­ca, po­rém, o mi­nis­té­rio te­ve a fun­ção de co­or­de­nar o com­ba­te à cor­rup­ção e ao cri­me or­ga­ni­za­do no país. E jus­ta­men­te es­se pa­re­ce ser o prin­ci­pal ob­je­ti­vo de Mo­ro, a con­si­de­rar su­as pri­mei­ras en­tre­vis­tas.

A di­fi­cul­da­de é que es­sa ta­re­fa não é só uma atri­bui­ção do Exe­cu­ti­vo. Instituições que atu­am com in­de­pen­dên­cia, co­mo o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral e o Tri­bu­nal de Con­tas da União, tam­bém têm sua par­te nes­sa his­tó­ria.

Mesmo a PF, ape­sar de es­tar formalmente den­tro da es­tru­tu­ra do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, con­se­guiu uma gran­de au­to­no­mia ao lon­go dos anos.

Vai ser um ris­co pa­ra Mo­ro se ele ten­tar im­por seu pro­gra­ma a es­se apa­ra­to po­li­ci­al, pois po­de­rá passar uma ima­gem de au­to­ri­ta­ris­mo.

O fu­tu­ro mi­nis­tro vai pre­ci­sar de mais que a sua ha­bi­li­da­de em com­ba­ter o cri­me do co­la­ri­nho bran­co pa­ra ser bem-su­ce­di­do.

Ele ne­ces­si­ta­rá, tam­bém, de ha­bi­li­da­de po­lí­ti­ca (al­go que ain­da fal­ta em sua bi­o­gra­fia) pa­ra não mis­tu­rar a von­ta­de de mos­trar ser­vi­ço com um even­tu­al des­res­pei­to aos prin­cí­pi­os re­pu­bli­ca­nos da má­qui­na po­li­ci­al e de fis­ca­li­za­ção.

Que es­se apren­di­za­do se­ja rápido. Gru­po Fo­lha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.