Mé­di­cos que­rem am­pli­ar ci­rur­gia con­tra im­po­tên­cia

Téc­ni­ca cri­a­da pa­ra aten­der pa­ci­en­tes com cân­cer de prós­ta­ta ago­ra se­rá usa­da em di­a­bé­ti­cos

Agora - - Editorial - Lu­ci­a­no ca­ve­na­gui

Os ner­vos su­rais re­ti­ra­dos são li­ga­dos ao ner­vos fe­mu­rais, fun­ci­o­nan­do co­mo uma “pon­te“, até o ner­vo pe­ni­a­no. São fei­tas du­as “pon­tes“em ca­da per­na

Mé­di­cos da Unesp (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al Pau­lis­ta) que­rem am­pli­ar pa­ra di­a­bé­ti­cos e pa­ci­en­tes que fra­tu­ra­ram a ba­cia uma ci­rur­gia ino­va­do­ra que cri­a­ram pa­ra re­ver­ter a im­po­tên­cia se­xu­al de ho­mens que tiveram cân­cer de prós­ta­ta. A di­a­be­tes e a fra­tu­ra da ba­cia es­tão en­tre as prin­ci­pais cau­sas da dis­fun­ção eré­til, se­gun­do o gru­po de pes­qui­sa­do­res.

Ini­ci­al­men­te, a téc­ni­ca foi de­sen­vol­vi­da por pro­fes­so­res da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de Bo­tu­ca­tu (238 km de SP) em ho­mens que ex­traí­ram a prós­ta­ta em ra­zão do cân­cer. Os re­sul­ta­dos são po­si­ti­vos.

Pa­ra di­a­bé­ti­cos e fra­tu­ra­dos da ba­cia, os pro­fis­si­o­nais que­rem re­cru­tar vo­lun­tá­ri­os e, as­sim, re­a­li­zar os es­tu­dos.

A téc­ni­ca con­sis­te em re­ti­rar um pe­da­ço de cer­ca de 30 cen­tí­me­tros de um ner­vo de ca­da per­na, di­vi­di-los em qua­tro pe­da­ços de 15 cen­tí­me­tros ca­da e fa­zer en­xer­tos pa­ra li­gar o ner­vo pe­ni­a­no, res­ta­be­le­cen­do os ner­vos res­pon­sá­veis pe­la ere­ção.

De acor­do com o uro­lo­gis­ta José Carlos Sou­za Trin­da­de, co­or­de­na­dor do tra­ba­lho, os efei­tos co­la­te­rais são bai­xos e com­pen­sam os ga­nhos. “Ao re­ti­ra­mos o ner­vo da per­na do pa­ci­en­te (ner­vo su­ral), ele fi­ca com a fa­ce la­te­ral do pé co­mo se es­ti­ves­se um pou­co anes­te­si­a­da. Mas é al­go le­ve”, afir­ma o mé­di­co. “Ao vol­tar a ter uma vi­da se­xu­al ati­va e re­cu­pe­rar a au­to­es­ti­ma, o pa­ci­en­te nem se im­por­ta com es­se bai­xo efei­to co­la­te­ral”, diz o uro­lo­gis­ta.

Re­sul­ta­dos

A no­va téc­ni­ca co­me­çou a ser apli­ca­da em pa­ci­en­tes sem a prós­ta­ta em 2011. Até ago­ra, fo­ram cer­ca de 50 ho­mens ope­ra­dos, vo­lun­tá­ri­os de vá­ri­os es­ta­dos do país que fo­ram a Bo­tu­ca­tu pa­ra passar pe­lo pro­ce­di­men­to.

De acor­do com Trin­da­de, aná­li­se re­cen­te do gru­po mos­trou que 60% dos pa­ci­en­tes tiveram me­lho­ra com­ple­ta, com re­to­ma­da da ere­ção e pe­ne­tra­ção em mé­dia 13 me­ses após a ci­rur­gia. Os ou­tros 40% vêm apre­sen­tan­do si­nais de re­cu­pe­ra­ção.

O avan­ço re­pre­sen­ta­do pe­la téc­ni­ca foi tan­to que os mé­di­cos já ga­nha­ram vá­ri­os prê­mi­os, e ela foi re­co­nhe­ci­da no Jor­nal Bri­tâ­ni­co de Uro­lo­gia In­ter­na­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.