Bol­so­na­ro não é a vol­ta dos mi­li­ta­res, afir­ma Vil­las Bôas

Ge­ne­ral do Exér­ci­to dis­se que é preciso ter cui­da­do pa­ra que não ha­ja po­li­ti­za­ção dos quar­téis no país

Agora - - Brasil - (FSP)

O Exér­ci­to es­tá pre­o­cu­pa­do com o ris­co de po­li­ti­za­ção dos quar­téis após a eleição do ca­pi­tão re­for­ma­do Jair Bol­so­na­ro (PSL) à Pre­si­dên­cia. Seu co­man­dan­te, ge­ne­ral Edu­ar­do Vil­las Bôas, 67 anos, quer es­ta­be­le­cer uma li­nha di­vi­só­ria en­tre ins­ti­tui­ção e go­ver­no. O mi­li­tar con­si­de­ra bai­xo o ris­co de que is­so ocor­ra, mas diz es­tar aten­to ao te­ma. Ele ain­da des­car­ta ris­cos à de­mo­cra­cia.

Fra­gi­li­za­do por uma do­en­ça de­ge­ne­ra­ti­va, ele dei­xa­rá o co­man­do no ano que vem, as­sim co­mo os che­fes das outras For­ças. Co­mo foi a con­ver­sa com o pre­si­den­te na úl­ti­ma ter­ça? Vil­las Bôas Era mais uma vi­si­ta de cor­te­sia. Ti­ve­mos uns dez mi­nu­tos de conversas es­pe­cí­fi­cas. Su­ge­ri que co­lo­cas­se um ci­vil na De­fe­sa. Com o mi­nis­té­rio com tan­tos mi­li­ta­res, te­ria um equi­lí­brio in­te­res­san­te. Mas ele in­sis­tiu que fos­se um ofi­ci­al-ge­ne­ral de qua­tro es­tre­las. Eu su­ge­ri que o ge­ne­ral [da re­ser­va Augusto] He­le­no fos­se pa­ra o GSI [Ga­bi­ne­te de Se­gu­ran­ça Ins­ti­tu­ci­o­nal], e ele já es­ta­va com es­sa ideia na ca­be­ça.

Daí fa­la­mos um pou­co so­bre po­lí­ti­ca ex­ter­na, ques­ti­o­nei quem eles ti­nham em men­te pa­ra o Ita­ma­raty. Achei cu­ri­o­so, eles es­ta­vam em um ní­vel bem su­per­fi­ci­al, com vá­ri­os nomes, in­clu­si­ve de pes­so­as que eles não co­nhe­ci­am e es­ta­vam pros­pec­tan­do. Sen­ti que em al­guns se­to­res eles es­tão com a coi­sa bem de­fi­ni­da e, em ou­tros, ao con­trá­rio, es­tão ta­te­an­do. Bol­so­na­ro é o pri­mei­ro mi­li­tar elei­to pe­lo vo­to des­de 1945. Co­mo o Exér­ci­to vê um mem­bro na Pre­si­dên­cia? Vil­las Bôas A ima­gem de­le co­mo mi­li­tar vem de fo­ra. Ele saiu do Exér­ci­to em 1988. Ele é mui­to mais um po­lí­ti­co e foi mui­to há­bil quan­do saiu pa­ra se can­di­da­tar a ve­re­a­dor. Pas­sou a gra­vi­tar em tor­no dos quar­téis, ex­plo­ran­do ques­tões do dia a dia dos mi­li­ta­res. Ele nun­ca se en­vol­veu com ques­tões es­tru­tu­rais da de­fe­sa do país.

Estamos tra­tan­do com mui­to cui­da­do es­sa in­ter­pre­ta­ção de que a eleição de­le re­pre­sen­ta uma vol­ta dos mi­li­ta­res ao po­der. Ab­so­lu­ta­men­te não é.

Al­guns mi­li­ta­res fo­ram elei­tos, ou­tros fa­zem par­te da equi­pe de­le, mas ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te há uma se­pa­ra­ção. Nós estamos tra­ba­lhan­do com mui­ta ên­fa­se pa­ra ca­rac­te­ri­zar is­so, por­que que­re­mos evi­tar que a po­lí­ti­ca en­tre no­va­men­te nos quar­téis. A ri­gor, des­de 1977, ela es­tá fo­ra [quan­do Er­nes­to Gei­sel de­mi­tiu o mi­nis­tro do Exér­ci­to, en­qua­dran­do a li­nha-du­ra]. Is­so é es­sen­ci­al. Vo­cês iden­ti­fi­cam al­gum ris­co de is­so acon­te­cer? Vil­las Bôas Ho­je as For­ças Ar­ma­das es­tão mui­to afas­ta­das da po­lí­ti­ca. Mas não há dúvida de que há um ris­co de ideias se­rem per­so­na­li­za­das. Sempre há o ris­co de que es­ses in­te­res­ses pes­so­ais ve­nham a pe­ne­trar na For­ça, e ge­rar al­gu­ma po­la­ri­za­ção. Mas ve­mos co­mo um ris­co sé­rio. Há uma pre­o­cu­pa­ção em se evi­tar is­so.

Eva­ris­ta SÁ/AFP

O ge­ne­ral Edu­ar­do Vil­las Bôas fa­la so­bre a pre­o­cu­pa­ção que tem em man­ter o Exér­ci­to afas­ta­do das ques­tões po­lí­ti­cas; ape­sar de con­si­de­rar al­guns ris­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.