Ri­ni­te alér­gi­ca não tem cu­ra, mas po­de ser bem con­tro­la­da

Mal afe­ta qua­li­da­de de vi­da do pa­ci­en­te e pro­du­ti­vi­da­de no tra­ba­lho ou mesmo na es­co­la. É crô­ni­co

Agora - - Viva Bem - Ta­ti­a­na ca­val­can­ti

A ri­ni­te alér­gi­ca é um mal crô­ni­co, sem cu­ra, que atin­ge cer­ca de 40 mi­lhões de bra­si­lei­ros, se­gun­do a As­bai (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Aler­gia e Imu­no­pa­to­lo­gia). A in­fla­ma­ção nas mu­co­sas do na­riz traz des­con­for­to e po­de afe­tar o de­sen­vol­vi­men­to fa­ci­al de cri­an­ças, se não tra­ta­da.

É uma do­en­ça não con­ta­gi­o­sa. Po­de ser con­tro­la­da com me­di­ca­ção e evi­tan­do o con­ta­to com subs­tân­ci­as que pro­vo­quem re­a­ções alér­gi­cas, co­mo áca­ros ou po­ei­ras. Po­de se ini­ci­ar em qual­quer pe­río­do da vi­da, mas é pou­co fre­quen­te an­tes dos 12 me­ses de ida­de, diz a As­bai.

A qua­li­da­de de vi­da é pre­ju­di­ca­da. “A ri­ni­te afe­ta a pro­du­ti­vi­da­de no tra­ba­lho e na es­co­la, por­que o pa­ci­en­te não res­pi­ra di­rei­to. Pes­so­as as­sim es­tão mais su­jei­tas a in­fec­ções res­pi­ra­tó­ri­as”, afir­ma o otor­ri­no­la­rin­go­lo­gis­ta Fa­bri­zio Ro­ma­no, vi­ce-pre­si­den­te da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Ri­no­lo­gia. “Alu­nos com si­nu­si­te têm rendimento es­co­lar abai­xo dos de­mais.”

Os sin­to­mas clás­si­cos são cri­ses de es­pir­ros, co­ri­za cla­ra, co­cei­ra no na­riz, po­den­do atin­gir tam­bém os olhos, ou­vi­dos e a gar­gan­ta, e en­tu­pi­men­to na­sal.

“Além de es­pir­ros, tam­bém po­de cau­sar dor fa­ci­al, di­mi­nui­ção do ol­fa­to e do pa­la­dar e tos­se”, de acor­do com Faus­to Na­kan­da­ka­ri, otor­ri­no­la­rin­go­lo­gis­ta do Hos­pi­tal Sí­rio-li­ba­nês. “A do­en­ça tam­bém po­de cau­sar mal es­tar, ron­cos, noi­tes mal dor­mi­das e até mesmo do­res de ca­be­ça”, afir­ma o mé­di­co.

Com a che­ga­da da pri­ma­ve­ra, os sin­to­mas po­dem pi­o­rar, ex­pli­ca Na­kan­da­ka­ri. “Al­gu­mas pes­so­as têm aler­gia a pó­len e, por­tan­to, po­dem pi­o­rar dos sin­to­mas quan­do che­ga a pri­ma­ve­ra. No en­tan­to, al­gu­mas pes­so­as têm aler­gia a mo­fo ou a po­ei­ra. Es­sas po­dem ter pi­o­ra im­por­tan­te nas es­ta­ções mais se­cas, co­mo o in­ver­no.” O di­ag­nós­ti­co é clí­ni­co e ba­se­a­do no re­la­to do pa­ci­en­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.