Mais la­res so­frem com fal­ta de tra­ba­lho e con­ta atra­sa­da

Fa­mí­li­as bra­si­lei­ras tro­cam de mar­ca, bus­cam em­prés­ti­mo e renda ex­tra pa­ra ten­tar su­pe­rar a cri­se

Agora - - Grana - Anaïs fer­nan­des (FSP)

Ape­sar de a re­ces­são ter ofi­ci­al­men­te pas­sa­do, o ce­ná­rio de cri­se no Bra­sil que dra­ga fa­mí­li­as pa­ra o de­sem­pre­go e a ina­dim­plên­cia cons­ti­tui-se um ci­clo di­fí­cil de ser que­bra­do. A con­clu­são é da pes­qui­sa 360º Con­su­mer Vi­ew 2018, da Ni­el­sen.

Des­de 2013, a em­pre­sa glo­bal de ges­tão da in­for­ma­ção faz um pai­nel do­mi­ci­li­ar pa­ra en­ten­der as ten­dên­ci­as de con­su­mo de 53 mi­lhões de fa­mí­li­as bra­si­lei­ras.

A úl­ti­ma edi­ção do es­tu­do, que co­le­tou da­dos em ju­nho des­te ano, iden­ti­fi­cou 12 mi­lhões de la­res sain­do da cri­se en­tre 2017 e 2018, vo­lu­me su­pe­ri­or ao da pas­sa­gem de ano an­te­ri­or. A Ni­el­sen con­si­de­ra que o lar na cri­se tem ao me­nos uma das pes­so­as do do­mi­cí­lio de­sem­pre­ga­da e/ou com con­tas atra­sa­das.

Ape­sar de a em­pre­sa di­zer que o nú­me­ro é ex­pres­si­vo, a pes­qui­sa iden­ti­fi­cou mais gen­te en­tran­do na cri­se em 2018 do que sain­do.

Fo­ram 15 mi­lhões de no­vos do­mi­cí­li­os nes­sa si­tu­a­ção, o que ele­vou o to­tal de la­res na cri­se nes­te ano pa­ra 27 mi­lhões —con­si­de­ran­do as 12 mi­lhões de fa­mí­li­as que nem se­quer saí­ram da si­tu­a­ção de aper­to en­tre dos que per­de­ram em­pre­go bus­ca­ram ren­das al­ter­na­ti­vas nes­te ano, mais que os 58% de 2017 2017 e 2018.

No ano pas­sa­do, o sal­do ha­via si­do po­si­ti­vo, pois se­te mi­lhões en­tra­ram na cri­se, en­quan­to 11 mi­lhões saí­ram. Se fo­rem so­ma­dos os dois pe­río­dos, de 2016 a 2017 e, de­pois, até 2018, 22 mi­lhões de la­res en­tra­ram na cri­se e 23 mi­lhões saí­ram, man­ten­do o qua­dro ge­ral em que cer­ca de 52% das ca­sas acom­pa­nha­das en­fren­ta­vam di­fi­cul­da­des or­ça­men­tá­ri­as.

Pa­ra a Ni­el­sen, os nú­me­ros apon­tam que as fa­mí­li­as es­tão vi­ven­ci­an­do in­se­gu­ran­ça em lo­o­ping nos úl­ti­mos três anos, mar­ca­da por de­sem­pre­go e ina­dim­plên­cia.

“Co­mo em 2017 a par­ce­la de la­res que en­tra­ram na cri­se foi in­fe­ri­or a da­que­les que saí­ram —e jun­ta­men­te com outras pers­pec­ti­vas econô­mi­cas—, a vi­são era de que 2018 se­ria um ano mais po­si­ti­vo. Mas, con­for­me atu­a­li­za­mos a pes­qui­sa, per­ce­be­mos que há mais gen­te en­tran­do na cri­se do que sain­do”, diz Ricardo Al­va­ren­ga, di­re­tor da Ni­el­sen e res­pon­sá­vel pe­lo es­tu­do.

Os la­res que pas­sam por es­se ci­clo vi­ci­o­so têm ní­vel so­ci­o­e­conô­mi­co médio e in­clu­em cri­an­ças em sua con­fi­gu­ra­ção, diz a Ni­el­sen.

O le­van­ta­men­to iden­ti­fi­cou os prin­ci­pais com­por­ta­men­tos en­tre os con­su­mi­do­res: a tro­ca de mar­cas, a pro­cu­ra por cré­di­to e a busca de ren­das al­ter­na­ti­vas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.